Seguir o O MINHO

País

Espanha perde quase um milhão de empregos desde meados de março

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O número de inscritos nos serviços de Segurança Social em Espanha baixou em 947.896 pessoas entre 12 de março e finais de abril, devido à pandemia da covid-19, de acordo com dados divulgados hoje pelo Governo espanhol.


Em média houve menos 548.093 filiados em abril, o que significa a maior destruição de emprego no quarto mês do ano desde 2009, sendo o número total de pessoas empregadas agora de 18.458.667.

Por outro lado, número de desempregados inscritos nos centros de emprego espanhóis aumentou em 282.891 pessoas em abril, um aumento acentuado que não se verificava desde maio de 2016, alcançando um total de 3,83 milhões de pessoas.

A Espanha, que é um dos países mais afetados pela pandemia, registou na segunda-feira 164 mortes, o mesmo número do que no dia anterior, que é o mais baixo das últimas seis semanas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 250 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

Anúncio

País

Facebook vai proibir publicações que desencorajem a vacinação

Covid-19

em

Foto: DR

O Facebook anunciou hoje que vai proibir publicações que desencorajem os utilizadores a serem vacinados, destacando a “importância de medidas preventivas na saúde” numa altura em que o mundo enfrenta a pandemia de covid-19.

“Mesmo que especialistas em saúde pública considerem que não teremos vacinas aprovadas e amplamente disponíveis contra a covid-19 tão cedo, há coisas que as pessoas podem fazer para se manterem, como a toma da vacina contra a gripe sazonal”, destacou, em comunicado, a empresa norte-americana.

A rede social já tinha banido informações falsas identificadas por instituições de saúde como a Organização Mundial da Saúde (OMS) ou os Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

O Facebook irá continuar a permitir, no entanto, publicações que sejam contra ou a favor de regulamentos governamentais sobre vacinas.

E anunciou ainda que vai lançar nos Estados Unidos uma campanha de informação sobre a vacina contra a gripe sazonal, para ajudar os utilizadores a vacinarem-se.

As vacinas contra a covid-19 são consideradas um elemento-chave para acabar com a pandemia e vários laboratórios estão atualmente a conduzir ensaios clínicos.

Os Estados Unidos já pré-encomendaram milhões de doses à Pfizer e Moderna, mas também às empresas AstraZeneca, Johnson & Johnson, Novavax e Sanofi, de forma a garantir entregas rápidas da empresa que ‘vencer a corrida’ à vacina.

As redes sociais são regularmente acusadas de permitir o desenvolvimento de movimentos antivacinas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e oitenta e um mil mortos e mais de 37,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (215.089) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 7,8 milhões).

Seguem-se, em número de mortos, o Brasil (150.689 mortos, mais de 5,1 milhões de casos), Índia (109.856, mais de 7,1 milhões de infetados), México (83.945, mais de 821 mil infetados) e Reino Unido (43.018 mortos, mais de 634 mil casos).

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO / Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 13 de outubro: 5, 14, 38, 41 e 46 (números) e 1 e 10 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 39 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Marcelo sublinha importância de aprovação do OE2021 também à luz de presidência da UE

Política

em

Marcelo Rebelo de Sousa. Foto: DR / Arquivo

O Presidente da República reiterou hoje que espera que o Orçamento do Estado de 2021 esteja aplicável a partir de 01 de janeiro próximo, “ainda por cima” sendo essa a data do início da presidência portuguesa da União Europeia.

Questionado, em Bruges, sobre a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2021) entregue na segunda-feira na Assembleia da República, Marcelo Rebelo de Sousa começou por lembrar que não se pronuncia “nunca sobre o orçamento a partir do momento em que ele entra no parlamento”.

“Entrou no parlamento e, portanto, está a seguir a tramitação parlamentar. Eu só repito o que disse várias vezes: continuo a acreditar que haverá um orçamento aprovado no final do mês de novembro. E é isso que é bom para Portugal e é um contributo de Portugal também para a Europa”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, que se deslocou hoje a Bruges para inaugurar o ano académico 2020/21 do Colégio da Europa, sob o patronato do antigo Presidente da República Mário Soares.

Sobre as posições aparentemente extremadas dos partidos políticos com assento parlamentar em torno do documento apresentado pelo Governo, o chefe de Estado insistiu que não se deve pronunciar, até porque “faz parte das atuações de um quadro parlamentar que vai durar muito tempo”, cerca de “um mês e meio, e aí o Presidente da República não deve de todo em todo intervir”.

“O que é que ele pode dizer? Pode dizer o que disse no início: eu espero que haja orçamento aplicável a partir de dia 01 de janeiro de 2021, ainda por cima com a nossa presidência do Conselho [da UE]. E direi no fim: ainda bem que houve um orçamento aprovado, porque isso permite uma presidência pacífica e que nos possamos retirar todas as vantagens do que esperamos também que seja a aprovação europeia em matéria de plano de recuperação e resiliência e de mecanismo financeiro multianual para os próximos anos”, completou.

A proposta de OE2021, entregue na segunda-feira no parlamento, será votada na generalidade em 28 de outubro, estando a votação final global do documento marcada para 26 de novembro.

Continuar a ler

Populares