Seguir o O MINHO

Actual

Eslovénia deixa de mapear contactos de infetados por falta de pessoal

Covid-19

em

Foto: DR

As autoridades da Eslovénia anunciaram hoje que vão deixar de mapear os contactos das pessoas infetadas com o novo coronavírus devido à falta de pessoal suficiente para lidar com a segunda vaga da pandemia.


“As nossas capacidades têm limites”, anunciou o Instituto de Saúde Pública numa declaração citada pela agência de notícias francesa, a AFP, que dá conta que a partir de agora as autoridades vão apenas informar as pessoas infetadas e pedir-lhes que sejam elas a comunicar às pessoas com quem mantiveram contactos próximos.

O aumento do número de casos na Europa está a tornar cada vez mais difícil o mapeamento dos contactos, que é uma estratégia essencial para quebrar as cadeias de contaminação.

A Eslovénia, um pequeno país com dois milhões de habitantes, registou quase 900 novos casos nas últimas 24 horas, segundo os números oficiais divulgados hoje, que representam mais do dobro do número registado há uma semana, aproximando o sistema de saúde da saturação.

O Governo, que está a ser pressionado pelos peritos e especialistas de saúde para tomar medidas mais rigorosas, anunciou novas restrições nas regiões mais afetadas, incluindo a capital, Liubliana.

Os bares e restaurantes estão agora fechados, assim como as escolas secundárias, enquanto as reuniões e viagens não essenciais são proibidas.

No total, foram registadas mais de 180 mortes e 12.000 casos desde o surgimento da pandemia no país.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais 39,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Anúncio

Actual

Papa Francisco defende união civil entre casais homossexuais

Igualdade

em

Foto: DR

Um documentário que estreou esta quarta-feira no Festival de Cinema de Roma mostra o chefe máximo da igreja católica no mundo a defender a união civil entre casais homossexuais.

O filme, de nome “Francesco”, relata temas de profundo interesse do Papa Francisco, como a pobreza, o ambiente, a migração, racismo e discriminação.

No documentário, o Papa refere que os homossexuais “têm o direito de pertencer a uma família”.

“Eles são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deve ser expulso ou ser miserável por isso”, disse o Papa.

“O que temos que criar é uma lei de união civil. Dessa forma, estarão legalmente abrangidos. Eu defendo isso”, disse ainda Francisco, citado pela agência Reuters.

Continuar a ler

Actual

Estados Unidos com 701 mortos e 59.740 casos nas últimas 24 horas

Covid-19

em

Foto: DR

Os Estados Unidos registaram 701 mortes por covid-19 e 59.740 casos nas últimas 24 horas, de acordo com uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Desde o início da pandemia, o país totalizou 8.100.662 infeções e 219.156 óbitos, segundo os números contabilizados pela universidade norte-americana, sediada em Baltimore (leste), até às 20:00 de sábado (01:00 de hoje em Lisboa).

Embora Nova Iorque já não seja o estado com o maior número de infeções, continua a ser o que contabiliza mais mortes, mais de 33 mil, um número semelhante ao de países como Peru, Espanha ou França.

Seguem-se, em número de vítimas fatais, os estados do Texas (17.437), Califórnia (16.942), New Jersey (16.204) e Florida (15.917).

A Califórnia é o estado com mais casos confirmados (873.324), seguindo-se o Texas (847.605), Florida (752.481) e Nova Iorque (482.891).

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infeção confirmados.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 39,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Actual

Brasil regista 461 mortes e 24.062 casos em 24 horas

Covid-19

em

Foto: DR

O Brasil registou 461 mortes e 24.062 novos casos de covid-19 em 24 horas, segundo o balanço divulgado hoje pelo Ministério da Saúde do país.

Ao todo, o maior país da América do Sul já contabiliza 153.675 óbitos e 5.224.362 infeções provocadas pelo novo coronavírus.

As autoridades de Saúde também informaram que 4.635.315 pessoas infetadas já recuperaram da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, enquanto que 435.372 pacientes contaminados estão sob acompanhamento médico.

Neste sábado, o Governo brasileiro realiza uma campanha nacional para vacinar gratuitamente crianças e adolescentes contra diversas doenças, como sarampo, febre amarela, rubéola e hepatite, entre outras, perante os baixos índices de vacinação registados este ano devido à pandemia.

O executivo informou que até ao início de outubro a cobertura vacinal infantil no país em 2020 estava em torno de 57%, quando o ideal é imunizar entre 90% e 95% do público-alvo para garantir a eficácia das vacinas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais 39,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares