Seguir o O MINHO

Região

Escondeu-se três dias num carro em Viana depois de matar ex-mulher em Amarante

Crime passional

em

Foto: DR / Arquivo

O homem acusado de matar a ex-companheira e o seu namorado, em maio de 2019, em Amarante, admitiu hoje ter disparado um tiro de caçadeira contra a vítima masculina, mas disse não se lembrar de um segundo disparo. Confessou ainda que se dirigiu de seguida, “sem saber bem porquê”, para Viana do Castelo, onde durante “dois ou três dias” dormiu dentro de um carro.

“Lembro-me de dar o tiro e mais nada”, disse ao tribunal de Penafiel, onde começou a ser julgado, sublinhando não ter memória de um segundo disparo que, segundo a acusação, foi efetuado pelo arguido e vitimou a ex-companheira, chamada Sónia.

“Só soube da morte [dela] quando ouvi no rádio, no carro”, acrescentou.

O homem de 48 anos, dono de uma oficina de pneus em Felgueiras, que se encontra em prisão preventiva, contou hoje ao coletivo de juízes a sua versão dos factos ocorridos no dia 28 de maio do ano passado, junto a uma pastelaria de S. Gens, Amarante.

O arguido indicou que no dia do crime saiu de casa com a intenção de se suicidar, depois de a ex-companheira, com quem mantivera uma relação extraconjugal, ter começado a sair com outro homem.

Ao tribunal, afirmou que a relação com Sónia durava há nove anos, da qual resultou um filho de três anos. Algumas semanas antes do crime, prosseguiu, a ex-companheira começou a evitar os contactos com o arguido e a impedir que, “sem explicação”, visse o filho de ambos.

“Não estava bem por perder o meu filho cada vez mais”, comentou.

Com o desgosto, contou, decidiu pôr fim à vida, deslocando-se, armado, em direção a um parque de Amarante. A meio do caminho, quando passava por S. Gens, viu o carro de Sónia estacionado e decidiu parar para, referiu ao tribunal, “tentar ver pela última vez o filho”, julgando que a mulher estaria numa pastelaria.

“Eu nunca tive a ideia de fazer mal a ninguém”, vincou.

Estacionando a sua viatura junto ao estabelecimento, aguardou a saída da mulher, o que não aconteceu.

Alguns minutos depois viu chegar um automóvel onde estavam Sónia e o seu novo companheiro.

“Eu estava [dentro do meu carro] descontrolado, olhando para eles”, exclamou.

O arguido acentuou que as duas vítimas perceberam a sua presença no local e que o alegado novo namorado de Sónia o insultou duas vezes, exibindo gestos com os dedos.

“Fiquei perturbado e disparei em direção a ele”, contou, sublinhando ter ficado, naquele momento, “cego e perdido”. O disparo foi feito já fora do seu carro, a cerca de 10 metros da viatura onde estava o casal, precisou.

Ao coletivo, insistiu não se lembrar de mais nada e que, daquele dia, só se recorda do momento em que se dirigiu à sua oficina, na Longra, Felgueiras, onde trocou de carro e partiu em direção a Paredes, onde tinha uma casa, com a intenção de se suicidar.

Pelo caminho, através de telefone, contou a um filho e à esposa que acabara de fazer “asneiras” e “feito mal a uma pessoa”.

Já em Paredes, abandonou a ideia de se matar, porque se lembrou da família, e seguiu em direção ao Porto e depois a a Viana do Castelo, “sem saber bem porquê”, onde esteve dois a três dias, dormindo no carro, junto à estrada.

Acabou por regressar a Felgueiras com a intenção de conversar com um amigo que o aconselhou, durante a noite, a entregar-se às autoridades. Na manhã seguinte, saindo de casa do amigo com a intenção de se deslocar ao Porto para se entregar, acabou detido poucos minutos depois, quando estava no carro, por agentes da Polícia Judiciária, nas proximidades da casa do amigo.

No final, quando respondia a um dos advogados, chorou, dizendo sentir-se “um criminoso”.

“Nunca vou perdoar a mim próprio”, concluiu, sublinhando o seu amor pelo filho que partilhava com Sónia, o qual, lamentou-se, nunca mais pôde ver.

O julgamento vai prosseguir na tarde de hoje e na sexta-feira com a audição das testemunhas arroladas pela acusação, começando por agentes da PJ.

Anúncio

Braga

Imagem da Nossa Senhora do Sameiro vai percorrer ruas de Braga

Covid-19

em

Foto: Confraria da Nossa Senhora do Sameiro / Facebook

Na próxima sexta-feira, ao final da tarde, a imagem da Nossa Senhora do Sameiro vai percorrer as ruas da cidade de Braga. E poderá ser visitada sábado na Sé de Braga.

Devido à pandemia de covid-19, a tradicional Peregrinação Arquidiocesana ao Sameiro, que se realiza, sempre, no primeiro domingo de junho, este ano não acontecerá.

Mas a Confraria anunciou que a imagem da Santa irá percorrer algumas ruas da cidade para que os fiéis possam “ver e saudar Nossa Senhora do Sameiro” sem sair de casa.

E deixa um apelo: “Acendamos uma vela à nossa janela à Sua passagem. Não há melhor forma de a saudarmos”.

A Confraria refere que não há hora marcada, mas a imagem deverá sair ao final da tarde.

O itinerário é o seguinte:

-Av. do Santuário -Via Falperra – Rua de Santo Adrião – Devesa
-Rotunda São João da Ponte
-Vira para o hotel João XXI e segue em direção Gualtar
-Universidade do Minho – Rua da Estrada Nova – Rua da Lameiras
-Rua dos Tojais – Rua Óscar Dias Pereira – Rua da Lage – Rua da Igreja Velha
-Universidade do Minho – Avenida dos Lusíadas – Avenida D. João II
-Rua Manuel Ferreira Gomes – Rua Luís António Correia
-Rotunda Bracalandia (INL) em direção à Makro
– Rotunda da Makro virar em direção Avenida Frei Bartolomeu dos Mártires
-Direção a Palmeira
-Virar no acesso a Vila Verde/Ponte de Lima/Amares/Terras de Bouro
-Rotunda da Confeiteira saída em direção a Dume
-Virar à direita na Rua Dr. Manuel José de Oliveira Machado
-Igreja S. Martinho de Dume – rotunda 2 saída reta do Feital
-Rotunda 3ª saída variante de Real – Rua de S. Martinho
-Vire à direita (placas para Guimarães/A11/Barcelos/Porto-Valença/A3) antes da BP
-Saída em direção a Ponte de Lima e Estação Caminhos de Ferro
-Rua do Caires – Rotunda dos CTT virar na 1ª saída para a R. Padre Cruz
-Direção à Igreja de Ferreiros
-Na rotunda saída para a R. Frei José Vilaça em direção à Bosch/Grundig
-Av. Cidade do Porto/N14 – rotunda Comendador Santos da Cunha
-Av. Conde Dom Henrique – Rua Comendador Santos da Cunha
-Centro de Saúde de Braga – Rua D. Gonçalo Pereira
-Rua D. Afonso Henriques – Largo Santa Cruz – Fonte do Ídolo
-Avenida da Liberdade – Rua 25 de Abril – Rua da Restauração
-Largo Sra. A. Branca – Av. Central – Rua dos Chãos
-Rua Gabriel Pereira de Castro – Av. do Visconde de Nespereira
-Praça Conde de Agrolongo – Igreja do Pópulo
-Rua D. Frei Caetano Brandão – Sé de Braga

Continuar a ler

Aqui Perto

Comboio Madrid-Corunha descarrilou. Há um morto e dois feridos

Acidente

em

Foto: DR

Um comboio que seguia de Madrid para a Corunha, na Galiza, descarrilou, na tarde desta terça-feira, após chocar com uma viatura que caiu na linha, na zona de Zamora.

Há um morto, ocupante da viatura que se terá despistado e chocado com a carruagem.

As autoridades espanholas afirmam que há ainda dois feridos, que são os maquinistas do comboio e que já foram transportados para o hospital.

A RENFE, ferroviária espanhola, adianta que os 180 passageiros do comboio ficaram ilesos.

Devido ao embate, a locomotora descarrilou, mas os vagões permaneceram de pé.

O acidente deu-se quando um carro que seguia num viaduto que passa por cima da linha de comboio se despistou.

Os passageiros saíram pelo próprio pé das carruagens e estão a ser encaminhados para a estação mais próxima, em La Hiniesta, para que possam seguir viagem de autocarro.

Continuar a ler

Braga

Grupo acusado de roubar carros para vender peças nas zonas de Braga e Porto

13 arguidos

em

Foto: Ilustrativa / DR

O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Penafiel deduziu acusação contra 13 pessoas por furto e desmantelamento de automóveis para venda das peças e para reconstrução de veículos acidentados, anunciou hoje a Procuradoria Regional do Porto.

Os crimes foram consumados pelo menos entre março e setembro de 2019, e, segundo o DIAP, os arguidos operavam a partir de seis locais distintos: dois armazéns e um stand de automóveis em Paços de Ferreira (distrito do Porto), um negócios de peças auto em Esposende (Braga), uma oficina de reparação automóvel em Vila do Conde e outra na Póvoa de Varzim (Porto).

Tinham uma liderança perfeitamente definida e “formaram um grupo coeso”, pelo que estão todos acusados pela prática do crime de associação criminosa.

Doze deles respondem ainda por crimes de recetação, 10 por falsificação, um por burla qualificada tentada e simulação de crime, dois por tráfico de menor gravidade, um por condução sem carta e outro por detenção de arma proibida.

A acusação, sintetizada na página eletrónica da Procuradoria do Porto, sustenta que sete dos 13 arguidos “transportaram, ocultaram, transformaram e viciaram” 13 veículos, todos subtraídos aos seus proprietários em diversos locais dos distritos do Porto e de Braga, com o valor global de 353.200 euros.

Ainda segundo o DIAP, cinco outros arguidos receberam componentes e peças provenientes do desmantelamento destes veículos, para posterior revenda a terceiros.

Um dos arguidos, assinala a acusação, entregou para desmantelamento o seu próprio veículo, após o que denunciou falsamente às entidades policiais que esse veículo automóvel lhe fora furtado.

Munido desta denúncia, avançou com uma participação à companhia de seguros, tentando com isso o ressarcimento do prejuízo invocado (21.149 euros), no âmbito de contrato de seguro que cobria o risco de furto.

Continuar a ler

Populares