Redes Sociais

Famalicão

Ensino superior público chega a Famalicão através do Politécnico de Bragança

 a

Cooperativa de Ensino Didáxis de Vale São Cosme. Foto: Divulgação

O ensino superior público vai chegar a Vila Nova de Famalicão no próximo ano letivo, com cinco cursos técnicos superiores profissionais (CTESP) em diversas áreas, ministrados pelo Instituto Politécnico de Bragança (IPB), anunciou esta quinta-feira fonte autárquica.

Em comunicado, a Câmara de Vila Nova de Famalicão adianta que os CTESP disponíveis serão nas áreas de Comunicação Digital, Administração e Negócios, Tecnologia Alimentar, Análise Químicas e Biológicas, Automação, Robótica e Eletrónica Industrial.

Para a autarquia, é um “marco histórico” a chegada do ensino superior público ao concelho.

“Mais importante do que isso é a resposta que vai ser criada para os nossos jovens e para as nossas empresas, dado o elevado nível de empregabilidade destes cursos, o alinhamento com as carências das empresas em matéria de quadros superiores e com as vias profissionais com forte presença em Vila Nova de Famalicão”, afirma o presidente da autarquia, Paulo Cunha, citado no comunicado.

A presença do IPB em Famalicão tornou-se possível mediante protocolo entre a autarquia e esta instituição, em articulação com o Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA), “dada a convergência de interesses em contribuir para o desenvolvimento científico, tecnológico e socioeconómico da região do Ave”.

Cooperativa de Ensino Didáxis de Vale São Cosme. Foto: Divulgação

Os cursos irão ser ministrados nas instalações da Cooperativa de Ensino Didáxis de Vale São Cosme, instituição com a qual a autarquia estabeleceu um protocolo.

Os CTESP são cursos superiores de curta duração que visa conferir qualificação do nível cinco de acordo com o Quadro Nacional de Qualificações.

Um CTESP tem 120 créditos e a duração de quatro semestres, sendo o último em contexto de trabalho e é possível com um daqueles cursos prosseguir os estudos de licenciatura, através de concurso especial de acesso uma vez que, explica o texto, “parte da formação efetuada no CTESP será creditada na futura licenciatura”.

Podem concorrer aos CTESP os titulares de um curso secundário ou de habilitação legalmente equivalente, quem tenha sido aprovado nas provas especialmente adequadas para maiores de 23 anos, titulares de um diploma de especialização tecnológica ou de técnico superior profissional ou titulares de um grau de ensino superior que pretendam a sua requalificação profissional.

A frequência nos cursos tem uma propina anual de 420 euros, podendo ser pagas em 10 prestações de 42 euros. Os estudantes carenciados podem candidatar-se a bolsas de estudo de apoio social.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Vídeo: Cantora de Famalicão cumpre promessa de lutar pelo sonho da música

Cristina Moreira é a terceira concorrente proveniente de Vila Nova de Famalicão a brilhar no palco do “The Voice Portugal”, concurso de caça-talentos. Na emissão deste domingo, emocionou-se por estar a cumprir a promessa feita à mãe, falecida há menos de um ano. Imagens: RTP

Publicado

 a

Cristina Moreira, de 34 anos, foi este domingo a terceira concorrente proveniente de Vila Nova de Famalicão a brilhar no palco do “The Voice Portugal”, concurso de caça-talentos da RTP.

A cantora mostrou-se emocionada por estar a lutar pelo sonho da música, conforme prometeu há mãe, que faleceu há menos de um ano.

Concorrente de Famalicão pediu a namorada em casamento no “The Voice” – A resposta foi…

A concorrente interpretou a música “I Want To Know What Love Is” dos Foreigner e conquistou um lugar na segunda fase.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Famalicão

Fiação de Famalicão cria fio do pelo de iaque e fibra biodregadável

Publicado

 a

Iaque do Himalaia. Foto: DR

Uma empresa de Famalicão desenvolveu um fio que alia o “exotismo do pelo de iaque”, bovídeo dos Himalaias adaptado a temperatura extremas, a um ” conceito de sustentabilidade” ao usar uma fibra biodegradável (PLA) em vez do “tradicional poliéster”.

Em declarações à Lusa, o responsável pela Inovafil, Rui Martins, explicou que principal objetivo do novo produto, já apresentado e que a empresa espera ter no mercado em 2019, é responder “à procura de fibras naturais para atividades de ‘outdoor’ mas sem esquecer a necessidade de encontrar soluções ecológicas e inovadoras”.

Segundo Rui Martins, o novo fio do portefólio da empresa famalicense “alia uma tendência para desporto e práticas ao ar livre com um conceito muito forte de sustentabilidade ao usar ma fibra que se está a posicionar para substituir as fibras plásticas, como o poliéster, porque é um biopolímero, ou seja, biodegradável”.

No novo produto, a Inovafil usa uma fibra de PLA (poliácido lático): “É biodegradável, é de produção sustentável, tem como base o milho, uma fonte renovável, pelo que requer menos energia e emite menos dióxido de carbono para a atmosfera que outros polímeros. Em condições ideais de compostagem (condições adequadas de luz, humidade, temperatura), degrada-se em meses, ao contrário de outros plásticos, como o poliéster, que demoram anos a decompor-se”, salientou.

Sobre a escolha do pelo do iaque, “uma espécie de búfalo originário dos Himalaias”, Rui Martins explicou que “aparece associada à perceção de que as marcas estão atentas a novos conceitos, há procura de algum exotismo, mas também porque o pelo daquele animal que vive naquelas condições atmosféricas tem propriedades térmicas de regulação de temperaturas que podem ser úteis ao homem”.

Esta solução foi desenvolvida pela equipa interna da Inovafil dedicada à Investigação e ao Desenvolvimento (I&D) em parceria com a empresa congénere Lurdes Sampaio.

Empresa do universo Mundifios, a Inovafil nasceu em 2015 vocacionada para fazer fios especiais, contando com 120 trabalhadores e um volume de negócios de 18 milhões de euros, com uma quota de exportações diretas a “rondar os 30%” e uma capacidade produtiva de 160 toneladas de fio por mês.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Famalicão

Bombeiros resgatam cão a sete metros de profundidade em Famalicão

Animal está em perfeitas condições de saúde.

Publicado

 a

Foto: Divulgação

Os Bombeiros Voluntários de Famalicão resgataram esta sexta-feira, em S. Simão de Novais, um cão que se encontrava dentro de uma mina com cerca de sete metros de profundidade.

Segundo os bombeiros, a operação foi delicada, mas concluída com sucesso, tendo o animal sido resgatado vivo e em perfeitas condições de saúde.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares