Seguir o O MINHO

Braga

Encontros da Imagem regressam a Braga em setembro com o tema “Genesis”

14 selecionados para Prémio Descoberta

em

Foto: DR

A 30.ª edição dos Encontros da Imagem, Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais, de Braga, que decorre de 11 de setembro a 31 de outubro sob o tema Genesis, selecionou já 14 projetos fotográficos, entre os 259 candidatos de 37 países, ao Prémio Descoberta (Discovery Awards).


Os finalistas “terão direito à produção dos seus trabalhos, à realização de exposições individuais e à publicação de fotografias no catálogo do evento”

O júri do Discovery Awards 2020 integrou Alexa Becker (responsável de aquisições e editora de fotografia e livros na Kehrer Verlag – Frankfurt, Alemanha), Carlos Fontes (diretor dos Encontros da Imagem), Carlos Lobo (fotógrafo e professor), Kate Edwards (editora de fotografia na Guardian Weekend Magazine – Londres, Inglaterra) e Pedro Leão Neto (investigador e editor na Scopio Editions).

A O MINHO, o curador do evento, Carlos Fontes, adiantou que o Festival terá 36 exposições individuais e coletivas, distribuídas por 20 espaços, a maior parte das quais em Braga, “e muitas delas na rua devido à pandemia”. Haverá, também, uma extensão a Guimarães, Barcelos e Porto.

Face à crise sanitária, a organização aplicou o seu plano B ao evento, “para salvaguarda dos contactos de proximidade e distanciamento social”, realizando, por isso, algumas das atividades, por videoconferência, caso da Leitura Crítica de Portefólios.

Assim, o fim de semana de inaugurações, que incluía um circuito pelas exposições, será substituído por uma sessão solene de abertura. Os meios eletrónicos servirão, ainda, para as sessões de Projeção Pública de Projetos Fotográficos.

O Festival mantém, contudo, as outras atividades habituais: Concursos, Prémios Internacionais (Descoberta, Emergentes e Livro de Autor); Leitura de Portfólios (videoconferência); Conferências temáticas online; Edição de Catálogo(s) – em princípio dois (um geral e outro sobre as Memórias de Braga); Serviço Educativo Online, e Ciclo de Cinema.

“Ponderamos disponibilizar algumas exposições do nosso acervo para plataformas online, nomeadamente as que estejam ligadas à Universidade do Minho, e à Câmara de Braga”, revelou.

Na introdução ao tema do evento, Carlos Fontes escreve: “Genesis é tudo isso: a origem ou criação e, como em todas as criações e também na arte, a génese sucede à destruição. Com cada criação surgem novos significados, outros juízos de valor, outras teorias científicas, novos mitos novos algoritmos e, insidiosamente, velhos erros e revivalismos que atrasam os significados desta comunidade do futuro que, com o seu desleixo e as suas utopias de felicidade não as quis e não as quer perder”.

Anúncio

Braga

Casal ferido após colisão com capotamento em Braga

Acidente

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Um homem e uma mulher sofreram ferimentos na sequência de uma colisão entre duas viaturas, ao início da tarde deste domingo, em Palmeira, concelho de Braga.

Pelo que foi possível apurar, a colisão deu-se na Avenida do Cávado, junto ao posto de combustível da Cepsa, em Palmeira.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Para o local foram acionados os Bombeiros Sapadores de Braga com quatro viaturas, assim como a VMER de Braga e a GNR.

Uma das viaturas acabou por capotar, levando a que uma das vítimas ficasse encarcerada.

Numa primeira avaliação da equipa médica da VMER, os ferimentos foram considerados ligeiros.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

‘Top model’ Sara Sampaio rendida às cascatas do Gerês

Turismo

em

Foto: Facebook de Sara Sampaio

A super modelo portuguesa Sara Sampaio esteve por estes dias à ‘redescoberta’ de Portugal em período de férias, passando pela zona do Gerês, mais precisamente nas cascatas da Várzea, mais conhecidas como Tahiti.

Em linha do que tem acontecido ao longo destes meses de férias, o recanto minhoto tem sido bastante procurado pelos famosos de Portugal, como foi o caso dos humoristas Eduardo Madeira e Nilton, das apresentadores Rita Pereira e Cristina Ferreira, do jornalista Daniel Oliveira e do futebolista Adrien Silva.

angel da Victória’s Secret fez-se acompanhar por uma amiga portuguesa e por uma colega modelo internacional durante alguns dias que se dividiram pela zona Norte, com passagens por Vila Real e pela zona do Douro.

Com mais de 7,5 milhões de seguidores na rede social Instagram, a modelo portuguesa é uma das mais reconhecidas a nível internacional e uma das personalidades portuguesas mais seguidas nas redes sociais, a par de Cristiano Ronaldo.

De acordo com Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, a região do Minho e Trás-os-montes tem registado um aumento da procura de turismo da natureza, cm contra-ciclo com a procura nas grades cidades de Porto e Lisboa e ainda das ilhas e do Algarve.

Continuar a ler

Braga

Explosivo de Beirute era para empresa da Póvoa de Lanhoso

Nitrato de amónio

em

Foto: DR / Nicolas Tawk

As 2.750 toneladas de nitrato de amónio que explodiram, na passada terça-feira, no porto de Beirute destinavam-se à Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM), que é propriedade da empresa portuguesa Moura & Silva, da Póvoa de Lanhoso.

A notícia é avançada, este sábado, pelo jornal Público, a quem um porta-voz da empresa garante, no entanto, que aquela carga ainda não era sua – foi feita a encomenda, mas apenas seria paga quando chegasse ao seu destino, a cidade da Beira, no Norte de Moçambique.

“Esta foi uma encomenda normal, de uma matéria que a empresa utiliza na sua atividade comercial, cumprindo sempre de forma escrupulosa todos os requisitos legais e melhores práticas internacionais”, assegurou.

Segundo o Público, o nitrato de amónio apreendido na capital libanesa poderia ter como finalidade, provavelmente, ser usado nas minas do Norte de Moçambique.

Os químicos que provocaram a explosão no porto de Beirute chegaram à capital libanesa há sete anos, a bordo de um navio de carga alugado pela Rússia e nunca deviam ter parado naquele local.

Em 2013, o navio “Rhosus”, com bandeira da Moldávia e proveniente da Geórgia, fez uma escala não planeada em Beirute, a caminho de Moçambique.

O dono do navio ordenou uma paragem não planeada para receber carga adicional. Mas o navio acabou por não sair de Beirute, envolvido numa disputa legal sobre taxas portuárias.

Como ninguém a reclamou e o dono do navio foi acusado de abandono, a carga acabou por ser descarregada e colocada num armazém do porto de Beirute, onde esteve até terça-feira.

As explosões fizeram pelo menos 154 mortos, número que poderá ainda aumentar, tendo em conta as pessoas que continuam desaparecidas. Há cerca de 5 mil feridos.

Continuar a ler

Populares