Seguir o O MINHO

Alto Minho

Encerramento de fronteiras seria “duro golpe para a economia transfronteiriça”

Covid-19

em

Foto: CM Cerveira (Arquivo)

O diretor do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) do Rio Minho defendeu hoje que um novo encerramento de fronteiras entre Portugal e Espanha “não resolve” a propagação do novo coronavírus e representaria “um duro golpe para a economia transfronteiriça”.


Em declarações à agência Lusa, a propósito de uma eventual nova limitação à mobilidade entre os dois países, no âmbito da avaliação à evolução da covid-19 que os governos dos dois países vão fazer nos próximos dias, Fernando Nogueira adiantou que “há outras formas mais eficazes para conter e suster a propagação do novo coronavírus”.

“A confirmar-se um novo encerramento de fronteiras, será um duro golpe para a economia de fronteira e mais um contratempo nas relações transfronteiriças”, disse o também presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira.

Constituído em fevereiro de 2018 e com sede em Valença, o AECT Rio Minho abrange um total de 26 concelhos: os 10 municípios do distrito de Viana do Castelo que compõe a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra.

Em junho, o AECT do Rio Minho liderou vários protestos realizados nas pontes internacionais que ligam os municípios do Norte de Portugal e da Galiza exigindo a reabertura total das fronteiras entre os dois países, repostas entre março e junho.

De acordo com dados recentes do Observatório Transfronteiriço Espanha-Portugal, dos 60 pontos existentes entre ambos os países, os de Valença-Tui, Cerveira-Tomiño e Monção-Salvaterra do Minho estão entre os seis com maior fluxo de tráfego transfronteiriço, somando, entre as três, mais do 50% do trânsito de veículos”.

Na terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou que vai abordar a evolução da pandemia de covid-19 em Portugal e Espanha com a homóloga espanhola na sexta-feira, destacando o trabalho “de forma muito coordenada” entre os dois países.

“Eu terei o prazer de receber a minha colega espanhola [Arancha González Laya] na próxima sexta-feira, dia 18. Teremos depois a cimeira bilateral entre os dois países, no dia 02 de outubro, e, naturalmente, essas são oportunidades para nós trocarmos informação sobre o modo como estamos a acompanhar a evolução da pandemia e das medidas que todos estamos a tomar para combatê-la”, disse à Lusa Augusto Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros acrescentou que tem havido um trabalho “de forma muito coordenada com as autoridades espanholas”.

Questionado sobre a necessidade de uma eventual nova limitação à mobilidade entre os dois países, depois de as autoridades espanholas terem anunciado, na segunda-feira, 27.404 novos casos desde sexta-feira, Augusto Santos Silva sublinhou que as decisões recaem sobre os ministros da Administração Interna de Portugal e do Interior de Espanha.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 941.473 mortos e mais de 29,9 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.878 pessoas dos 65.626 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Anúncio

Alto Minho

Morreu um dos feridos da explosão em fábrica de borracha em Melgaço

em

Um homem de 22 anos morreu hoje na sequência de uma explosão numa fábrica de borracha, em Melgaço, e uma mulher de 29 anos em estado grave foi transportada ao hospital, disse à Lusa fonte do INEM.

A fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) explicou que a mulher, que “não corre risco de vida, foi transportada ao hospital de São João, no Porto”.

A mesma fonte adiantou que o alerta foi dado cerca das 15:08, tendo sido deslocadas para o local duas ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV), uma estacionada em Melgaço e outra em Valença, a Viatura de Emergência Médica (VMER) do hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo e uma unidade móvel de intervenção em psicologia de emergência.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo disse que são ainda “desconhecidas as causas da explosão que não originou incêndio”.

O alerta ao CDOS foi dado cerca das 15:04.

No total, compareceram ao local 16 operacionais e cinco viaturas, entre elas dos Bombeiros de Melgaço.

De acordo com o CDOS, a explosão foi comunicada à Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) de Viana do Castelo.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista, disse que a Aflex Portugal-Indústria de Borrachas, instalada na zona industrial de Penso emprega cerca de 100 trabalhadores e “é a maior produtora de tubos de borracha para indústria automóvel do distrito de Viana do Castelo”.

Continuar a ler

Alto Minho

Explosão em fábrica de borrachas faz dois feridos graves em Melgaço

Zona industrial

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Uma explosão numa fábrica de tubos de borracha para a indústria automóvel, na zona industrial de Penso, em Melgaço, provocou hoje ferimentos graves em dois trabalhadores, disse fonte da proteção civil.

ATUALIZAÇÃO:

Morreu um dos feridos da explosão em fábrica de borracha em Melgaço

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, “os dois feridos, uma mulher e um homem, ainda estão a ser avaliados no local”.

Aquela fonte adiantou que “são ainda desconhecidas as causas da explosão que não originou incêndio”.

O alerta foi dado cerca das 15:04.

No local compareceram dez operacionais e cinco viaturas dos bombeiros locais, duas ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV), uma estacionada em Melgaço e outra em Valença, e a Viatura de Emergência Médica (VMER) do hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

A explosão foi comunicada à Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) de Viana do Castelo.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista, disse que a Aflex Portugal-Indústria de Borrachas, emprega cerca de 100 trabalhadores e “é a maior produtora de tubos de borracha para indústria automóvel do distrito de Viana do Castelo”.

Notícia atualizada às 16h31 com mais informação.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Despiste corta A28 em Viana do Castelo

Acidente

em

Foto: Custódio Santos

Um despiste na A28, em Viana do Castelo, levou ao corte do trânsito no sentido Norte / Sul, na tarde desta segunda-feira, disse a O MINHO fonte do CDOS. Do acidente resultou um ferido ligeiro que foi transportado para o Hospital de Viana do Castelo.

A circulação normal já foi entretanto retomada.

O acidente, envolvendo um táxi, deu-se ao quilómetro 78,2, em circunstâncias por apurar.

O alerta foi dado às 14:42.

No local estiveram os Bombeiros Voluntários de Viana e os Bombeiros Sapadores de Viana.

A GNR registou a ocorrência.

Foram mobilizados, no total, 16 operacionais e cinco viaturas.

Continuar a ler

Populares