Empresário de Braga nomeado cônsul do Cazaquistão no Norte

País da Ásia Central é o décimo a ter vacina própria

O governo do Cazaquistão nomeou o empresário Gil Fernando Vieira como Cônsul Honorário do Cazaquistão em Braga com jurisdição sobre os distritos de Braga, Viana do Castelo, Vila Real, Bragança, Porto, Aveiro, Viseu, Guarda e Castelo Branco. Em termos físicos o consulado fica sedeado em Guimarães, onde vai ficar instalado um centro de negócios do país da Ásia Central.

Fonte da Embaixada disse a O MINHO que o novo Cônsul atuará no reforço das relações político-económicas entre os dois países, que começam a ganhar forma. A sua tarefa – diz o documento oficial de nomeação – é a de “estabelecer e aprofundar a cooperação entre os dois países nos setores de comércio, economia e investimentos”.

O consulado honorário agirá, ainda, na proteção dos direitos e interesses das pessoas singulares e coletivas do Cazaquistão em Portugal, e para prestar a assistência aos cidadãos cazaques em situações de emergência, tratando, ainda, de outros assuntos do serviço consular, com exceção dos vistos.

Foto: Governo do Cazaquistão

Cidade de Karaganda vem a Braga

Nesse sentido, e ainda sem data exata, mas no final de maio ou começos de junho, chega a Braga uma comitiva da cidade cazaque de Karaganda, liderada pelo presidente do Município, Bulekpaev Kabdulovich, e que inclui vários empresários do país. O convite foi feito pelo autarca bracarense, Ricardo Rio, no quadro do processo de geminação em curso entre as duas urbes.

O Cazaquistão tem acesso ao mercado comum da União Económica da Eurásia com mais de 180 milhões de consumidores, bem como aos mercados vizinhos com um volume total de 500 milhões de consumidores (países do Mar Cáspio – 150 milhões, mercados da Ásia Central – 50 milhões, China Ocidental – 300 milhões).

Vacina é trunfo do Cazaquistão

Um dos trunfos do país asiático reside no facto de o Instituto de Pesquisa em Biossegurança do Cazaquistão ter acabado de apresentar a vacina QazVac.

As primeiras 50 mil doses da vacina produzida no Cazaquistão estarão disponíveis até o final de abril.

A vacina foi registada pela Organização Mundial da Saúde em 15 de maio de 2020. Os ensaios clínicos de fase I em setembro de 2020 envolveram 44 voluntários , enquanto um ensaio clínico de fase II começou em 17 de outubro com 200 voluntários.

Em 19 de dezembro, o Ministério da Saúde do Cazaquistão concedeu permissão para os ensaios clínicos de fase III. 3.000 pessoas se voluntariaram e foram vacinadas com a vacina QazCovid-in nas cidades de Almaty e Taraz. Não foram relatados efeitos colaterais graves ou queixas.

“A vacina foi desenvolvida pelo nosso instituto. Existem 10 frascos na caixa, que perfazem 10 doses. Cada frasco contém uma dose. O frasco contém meio milimelitro de vacina ou 10 gotas. Mas precisa ser agitado bem antes do uso ”, disse um dos cientista que produziu as vacinas, Lespek Kutumbetov, citado pela Embaixada em Portugal.

O mesmo frasco é usado para injetar o segundo componente 21 dias depois.

“O frasco é armazenado num frigorífico doméstico normal, a dois a oito graus Celsius. Não pode ser congelada e pode ser armazenada por um ano ”, disse Kutumbetov.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Cerca de uma centena em Viana saiu à rua no 1º de Maio com manifestação da CGTP

Próximo Artigo

"Queríamos vencer, mas o resultado é justo"

Artigos Relacionados
x