Seguir o O MINHO

Braga

Empresa de Braga avança com central solar no Ribatejo para abastecer 35 mil casas

Energia renovável

em

Foto: DR

A Rosseti Engenharia, empresa do ramo das energias renováveis sediada em Braga, assegurou a construção e instalação de um parque fotovoltaico no Mexeeiro, distrito de Santarém, iniciando-se esta terça-feira, 24 de março, os trabalhos, foi hoje anunciado.


Trata-se de uma “marcante obra no âmbito das cada vez mais importantes energias renováveis com uma capacidade instalada de 30 MW”, escreve a empresa, em comunicado enviado a O MINHO.

“Esta central solar será executada para o cliente Generg – um player com um portfolio considerável na área das energias renováveis -, e tem lugar no Município de Salvaterra de Magos, no Ribatejo”, acrescenta a empresa.

A Central Solar do Mexeeiro será constituída por um total de 80 mil painéis solares fotovoltaicos em estruturas do tipo seguidor, equivalente à capacidade de 30 MW. Este projeto produzirá mais de 45 GWh de energia por ano, exclusivamente proveniente da luz e do calor do sol, o que permitirá abastecer mais de 35 mil pessoas, segundo dados recolhidos junto da empresa bracarense.

Conjuntamente com a instalação dos 80 mil painéis solares que constituirão a Central Solar do Mexeeiro, a Rosseti Engenharia vai construir uma subestação elevadora e respetivo edifício de comando permitindo a injeção de energia na rede de distribuição elétrica.

Pedro Martins, diretor-geral da Rosseti, destaca a importância da realização desta obra por parte da empresa: “A produção de energia solar em Portugal tem crescido de ano para ano, tendo nos últimos cinco simplesmente duplicado. Queremos e seremos certamente uma das empresas que irá contribuir para o aumento desse crescimento”, refere.

O assegurar desta obra constitui um “importante momento de afirmação para a Rosseti Engenharia”, uma empresa com mais de 3125 MW de energia instalados um pouco por todo o mundo, estando já consolidada no mercado português.

Anúncio

Braga

Vieira do Minho repovoa rios com trutas

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Vieira do Minho

Os rios de Vieira do Minho passam a contar com mais trutas, após uma ação de repovoamento levada a cabo pela autarquia local, foi hoje anunciado.

Com o objetivo de preservar a fauna e flora, bem como promover o equilíbrio ecológico, a Câmara de Vieira do Minho e o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas procederam repovoaram os rios com trutas de Fário.

Em comunicado, a autarquia refere que esta é uma fórimla de criar condições que “valorizem os recursos naturais e potenciem a prática de atividades lúdico–ambientais”.

“A iniciativa teve, ainda por objetivo dotar os rios do concelho com esta espécie autóctone, contribuindo para a manutenção dos recursos naturais endógenos, bem como potenciar a prática turística”, acrescenta a mesma nota.

Refira-se ainda que a truta fário é um peixe territorial que vive em águas correntes, bem oxigenadas, límpidas e frescas. Em Portugal podem ser encontradas nos rios do Norte e Centro.

Continuar a ler

Braga

Assaltava pessoas, carros e lojas em Braga com ajuda de dois comparsas

Trio acusado pelo Ministério Público

em

Foto: Ilustrativa

O Ministério Público (MP) acusou três pessoas de, em julho, novembro e dezembro de 2019, roubarem pessoas, lojas comerciais e viaturas em Braga, adiantou hoje a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Um dos arguidos está acusado de quatro crimes de roubo, um na forma tentada, dois de roubo qualificado, um de furto e um de furto qualificado.

A outro está imputada a prática de dois crimes de roubo, um deles tentado, um de roubo qualificado, um de furto qualificado e um de furto e, a um último, a de um crime de roubo.

Segundo a acusação, referida na página da Internet da PGD, um dos arguidos, ora atuando sozinho, ora em comunhão de esforços com os outros dois, assaltou uma pessoa quando esta levantava dinheiro numa caixa multibanco, roubou a carteira a uma outra por esticão e obrigou uma terceira, sob ameaça de um x-ato, a entregar os bens e dinheiro que trazia.

Além disso, furtou dois carros, quebrando o vidro de um deles, o balcão de receção de um hotel e um cabeleireiro.

O MP fala ainda num assalto a um minimercado, fracassado por os seus donos terem oferecido resistência.

Com a prática destes crimes, os arguidos apoderaram-se de bens e dinheiro num montante global de 5.733 euros que o MP requer que sejam condenados a pagar ao Estado, sem prejuízo dos direitos dos lesados, sustentou.

Continuar a ler

Braga

Esgotos escorrem pela rua em Vila Verde. Junta está a apurar origem do problema

Cheiro nauseabundo

em

Foto: DR

Esgotos a escorrer pela estrada provocam um cheiro nauseabundo na zona de Portela das Cabras, da União de Freguesias de Ribeira do Neiva, em Vila Verde.

A Junta adianta O MINHO que está a apurar de onde provêm os resíduos para tentar solucionar o problema.

A situação, exposta ao nosso jornal por um morador, verifica-se na zona junto à igreja, sendo que os resíduos saem por debaixo do alcatrão.

Moradores já terão denunciado o problema à Junta de Freguesia e à Câmara.

Carlos Machado, presidente da União de Freguesias de Ribeira do Neiva, confirmou a O MINHO ter sido alertado para a situação há alguns meses, mas só esta segunda-feira foi possível apurar de onde provinha o mau cheiro, uma vez que a saída dos esgotos naquele local não é constante.

“Um cidadão participou à Junta que havia um cheiro nauseabundo, passámos por lá, eu e um funcionário da Junta, mais do que uma vez e não conseguimos detetar nada, vai há meses. Aquilo não é sempre, de vez em quando é que vem esse cheiro”, conta o presidente da Junta.

Desta vez, já foi possível detetar o problema. “Ontem os nossos funcionários foram [a Portela das Cabras] desentupir uns tubos e passaram por lá e realmente cheirava e conseguiram detetar o sítio. É um tubo que não se sabe de onde vem, de um esgoto, mas tem que ser de uma casa dali, não se sabe qual, vamos apurar a situação”, adianta Carlos Machado.

O local por onde sai os esgotos foi pintado a verde para ser facilmente localizado.

Naquela zona não há saneamento.

No entendimento de Carlos Machado, aqueles tubos “já têm que estar ali há muitos anos” e podem agora ter rebentado, levando a que os esgotos escorram pela rua.

“Vamos apurar, tentar perceber de onde vem e arranjar”, sentencia o presidente da Junta.

Continuar a ler

Populares