Seguir o O MINHO

Região

Empresa de calçado de Famalicão “aposta” na Europa de Leste e aumenta faturação

em

Foto: Divulgação

A ACO Shoes, de Vila Nova de Famalicão, aumentou a faturação graças à “aposta” no mercado da Europa de Leste, tendo atingido em 2017 os 35 milhões de euros de volume de negócios, informou esta quinta-feira aquela empresa de calçado.

Em comunicado, aquela empresa, especializada em calçado de conforto, explica que em 2017 as exportações para os mercados de leste, uma medida para enfrentar a crise nos mercados tradicionais, representou um crescimento de 8% na faturação global da ACO – Fábrica de Calçado, SA.

A produzir 1,5 milhões de pares de sapatos por ano (mais de cinco mil pares por cada dia útil), a empresa está hoje presente em 36 países, empregando cerca de 400 trabalhadores na unidade de Vila Nova de Famalicão.

“Numa época que foi de crise nos mercados tradicionais, o investimento feito pela ACO nos mercados no Leste da Europa foi uma aposta ganha. Conseguimos manter as exportações para os mercados tradicionais e conseguimos subir as nossas vendas na Europa de Leste”, explica no texto Armindo Costa, presidente do conselho de administração da ACO Shoes.

“Cinco anos depois de termos entrado nos mercados do leste da Europa atingimos a consolidação, sendo de salientar as exportações para a Rússia e diversos países da antiga URSS”, explana.

Segundo o responsável pelas vendas internacionais da empresa, Fernando Costa, “países do leste da Europa, como a Letónia, a Eslovénia, a República Checa, a Bielorrússia, a Moldávia ou a Lituânia são mercados em crescimento, onde o poder de compra tem aumentado e cujos consumidores começam a valorizar o conforto e a qualidade do calçado produzido pela ACO”.

A ACO Shoes explica ainda que em 2018 vai ser dada “continuidade ao trabalho permanente de investigação e desenvolvimento”, pelo que estão reservadas para este ano “apostas em novos produtos de alto valor acrescentado”, como a “criação de “um calçado mais técnico”, que se insere numa estratégia virada para o mercado português”.

A ACO foi fundada por Armindo Costa, em 1975, na freguesia de Mogege, concelho de Vila Nova de Famalicão, tendo duas unidades de apoio à produção suas participadas, a ECCO Conforto, no município de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo, e a ICCO, na ilha de S. Vicente, em Cabo Verde, que contam com 150 e 260 trabalhadores, respetivamente

Além de estar disponível em Portugal, o calçado da ACO é vendido em 35 países de cinco continentes (Europa, Ásia, África, Oceânia e América do Norte).

Assim, os sapatos produzidos em Vila Nova de Famalicão podem ser encontrados na África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Áustria, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Emiratos Árabes Unidos, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estados Unidos da América, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Inglaterra, Irlanda, Israel, Japão, Letónia, Lituânia, Noruega, Polónia, Quirguistão, República Checa, Roménia, Rússia, Suécia, Suíça, Turquia e Ucrânia.

Anúncio

Braga

Motociclista ferido após acidente em Braga

Em Crespos

em

Foto: O MINHO

Um homem, de 64 anos, sofreu ferimentos na sequência de uma colisão com um automóvel, a meio da tarde deste domingo, em Crespos, concelho de Braga.

A vítima seguia na EN 205 quando se deu a colisão, por circunstâncias ainda não apuradas.

No local estiveram os Bombeiros Sapadores e a equipa médica da VMER de Braga.

O acidentado foi transportado para o hospital local com ferimentos num braço, sendo considerado “ferido ligeiro”, disse fonte do CDOS.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Região

Pandemia pode ‘disparar’ número de turistas no Parque Nacional Peneda-Gerês

Turismo

em

Foto: Gonçalo Barros

A diretora regional do Norte do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) afirmou hoje esperar um “maior número de visitantes” nas áreas protegidas e no Parque Nacional da Peneda-Gerês durante a época de verão.

“Temos a consciência de que vamos ter um maior número de visitantes, porque se percebe que este ano não haverá tantas saídas para o estrangeiro, portanto, é natural que as nossas áreas protegidas sejam alvo de maior procura”, afirmou Sandra Sarmento.

Em declarações à agência Lusa, no seguimento de uma visita promovida pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), por vários locais de interesse da região, a diretora regional do Norte do ICNF salientou que, face ao “aumento significativo” de visitantes, foi reforçado o acompanhamento da visitação.

“Hoje, temos três equipas neste trajeto que é o mais visitado e uma zona muito sensível do nosso parque que é a mata de Albergaria, sendo que no parque todo temos 19 vigilantes”, esclareceu.

Além do Parque Nacional da Peneda-Gerês, o Parque Natural do Montesinho, o Parque Natural do Litoral Norte, o Parque Natural do Alvão e o Parque Natural do Douro Internacional integram a Rede Nacional de Áreas Protegidas.

Segundo Sandra Sarmento, no último ano, foram contabilizadas perto de 100 mil visitantes no Parque Nacional da Peneda-Gerês, sendo que este número é apenas representativo daqueles que se dirigem aos “centros interpretativos do parque e portas de entrada das áreas protegidas”.

O controlo das entradas das áreas protegidas, que impede a paragem no troço da mata da Albergaria e tem um custo de 1,5 euros, começa esta segunda-feira e vai decorrer até ao dia 30 de setembro.

No âmbito desta iniciativa, os vigilantes da natureza, além de acautelarem os visitantes para a proteção dos ‘habitats’, vão distribuir “panfletos sobre os cuidados de higiene e segurança a ter na visitação do parque” relativamente à covid-19.

“Estamos obviamente empenhados para que as coisas corram bem e tudo faremos para que isso aconteça no que estiver dentro do nosso alcance e, naturalmente, das nossas responsabilidades”, garantiu.

Também o presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro, Manuel Tibo, salientou a necessidade de se continuar a “preservar” o Parque Nacional da Peneda-Gerês, um património que considerou ser “de todos”.

No âmbito desta visita à região, o presidente do TPNP, Luís Pedro Martins já tinha defendido que esta fase de desconfinamento é a “grande oportunidade” para os quatro “subdestinos” da região mostrarem aquilo que têm de melhor aos turistas nacionais.

Em Portugal, morreram 1.410 pessoas das 32.500 confirmadas como infetadas, e há 19.409 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Colisão com dois feridos graves corta estrada Barcelos-Viana

Acidente

em

Foto: DR

Uma colisão rodoviária provocou o corte total da EN 103, entre Alvarães e São Romão do Neiva, concelho de Viana do Castelo.

Há registo de dois homens com ferimentos graves, com idades compreendidas entre os 66 e os 70 anos.

No local estiveram os Bombeiros Sapadores de Viana, a Cruz Vermelha de Neiva, a VMER de Barcelos e a GNR.

O alerta foi dado cerca das 17:30.

Continuar a ler

Populares