Seguir o O MINHO

Alto Minho

Emparcelamento agrícola reclamado há décadas incluído no “maior” orçamento de sempre em Monção

em

Foto: DR/Arquivo

O emparcelamento de Monção, reclamado há décadas pelos agricultores locais, é um dos projetos incluídos no “maior” orçamento de sempre do concelho, no valor de 23,3 milhões de euros, destacou hoje à Lusa pelo presidente da Câmara.

“O emparcelamento agrícola nas freguesias de Moreira, Barroças e Taias, reclamado há muitos anos, vai finalmente avançar. O dinheiro está aprovado e o projeto a ser ultimado. O concurso público poderá ser lançado antes do final do ano para que os trabalhos, no terreno, possam começar em 2019”, afirmou o social-democrata António Barbosa.

Reunião de Câmara. Foto: Facebook de Município de Monção

Segundo o autarca social-democrata, o investimento naquele projeto, aprovado em Conselho de Ministros em novembro de 2016, é superior a 4,3 milhões de euros.

“Os principais objetivos a concretizar com este emparcelamento são a introdução de fatores de racionalização, valorização e competitividade agrícola, tendo como objetivo a promoção do ordenamento do espaço rural, com o intuito de melhor aproveitar as potencialidades e recursos, com vista à valorização da agricultura no espaço rural”, referiu, na altura, o Conselho de Ministros.

Em causa está um projeto para a reestruturação e modernização, nomeadamente da produção de vinho Alvarinho, atividade que envolve 2.000 produtores, com 67 empresas e 112 marcas diferentes.

O projeto de ordenamento fundiário “envolve terrenos nas freguesias de Moreira e Barroças e Taias, abrange 529 hectares, dos quais 127 de reconversão de vinha, 616 proprietários e 892 lotes”, sendo considerado “estruturante” para a reconversão agrícola e vinícola daquele concelho.

António Barbosa destacou ainda o investimento superior a três milhões de euros na reabilitação urbana do casco histórico de Monção e os mais de cinco milhões de euros previstos para cinco projetos de saneamento básico e um de abastecimento de água a várias freguesias do concelho.

O autarca referiu que o orçamento para 2019, no valor global de 23.336 milhões de euros, “é o maior de sempre no concelho”.

“É um documento realista, rigoroso e estruturante, focado no desenvolvimento económico, criação de riqueza e bem-estar de todos os monçanenses”, reforçou António Barbosa, adiantando que o orçamento para o próximo ano, apresentado “em Powerpoint, algo inédito no concelho”, e aprovado em reunião camarária realizada na última semana, prevê um “investimento total próximo de dez milhões de euros”.

O documento, que será submetido à apreciação e votação da Assembleia Municipal na sexta-feira, pelas 21:00, foi rejeitado pelos vereadores do PS na autarquia, Augusto Domingues, Paulo Esteves e Nídia Além.

Em comunicado enviado à imprensa, a bancada socialista justificou o sentido de voto com “o imposto da derrama municipal e os valores transferidos para freguesias”.

“O voto contra explica-se por diferentes fatores. Antes de mais, é preciso sublinhar o aumento das despesas com pessoal, fruto do crescimento exponencial das assessorias. Este voto contra prende-se ainda com a continuidade da derrama municipal e com o congelamento do valor das transferências de capital para as Freguesias de Monção e Troviscoso e Mazedo e Côrtes”, sustentam os três vereadores socialistas.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Prisão preventiva para suspeito de traficar droga em Viana

Megaoperação da GNR, desencadeada no último sábado, envolveu mais de 50 militares

em

Um juiz de instrução criminal do tribunal de Viana do Castelo decretou hoje a prisão preventiva para um homem suspeito de traficar de droga, detido na sequência de uma operação da GNR desencadeada no sábado, informou aquela força policial.

O homem, de 29 anos, com antecedentes criminais pela prática de tráfico de droga, ficou “detido em cela”, até ser presente hoje ao tribunal, “por ter mais de 45 gramas de cocaína na sua posse”.

No decurso da operação policial, realizada no último sábado, que envolveu mais de 50 militares da GNR, foram ainda detidos outros dois homens, um de 29 anos por posse de droga e outro, de 57 anos, por posse de arma proibida, entretanto constituídos arguidos e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência.

Anteriormente à Lusa, o oficial de Comunicação e Relações Públicas do Comando Territorial de Viana do Castelo, João Viana, explicou que aquela operação deu cumprimento a 16 mandados de busca, designadamente a nove habitações e sete automóveis.

Durante as buscas, a GNR apreendeu um total de 237 doses individuais de cocaína, 110 doses de haxixe, uma balança de precisão, duas facas utilizadas para cortar o produto estupefaciente, duas caçadeiras, duas carabinas, 45 munições de diversos calibres, três aerossóis de defesa (gás pimenta), uma besta, uma mira telescópica, dez telemóveis e um ‘tablet’ e 460 euros em numerário.

Na mesma operação policial foram ainda constituídos arguidos três outros indivíduos, com idades entre os 24 e 28 anos.

A operação, realizada no concelho de Viana do Castelo, mobilizou militares da investigação criminal, do destacamento de intervenção e ainda um pelotão do grupo de intervenção e ordem pública.

Esta ação, para além do Núcleo de Investigação Criminal de Viana do Castelo, contou ainda com o empenhamento da estrutura de Investigação Criminal dos Comandos Territoriais de Braga e Porto, do Destacamento de Intervenção de Viana do Castelo, do Grupo de Intervenção de Ordem Pública da Unidade de Intervenção e o apoio da PSP.

Continuar a ler

Valença

Apreendidas quase duas toneladas de amêijoa-japonesa em Valença

Com o valor presumível de 17.100 euros

em

Foto: GNR

A Unidade de Controlo Costeiro, através do Destacamento de Controlo Costeiro de Matosinhos, apreendeu esta segunda-feira 1 900 quilos de amêijoa-japonesa, com o valor presumível de 17.100 euros, anunciou a GNR.

Em comunicado enviado a O MINHO, aquela força de segurança explica que a apreensão foi efetuada no âmbito de uma operação destinada ao controlo do cumprimento das normas que regem o transporte e a comercialização de moluscos bivalves.

“No decurso da fiscalização os militares detetaram no interior de uma viatura, oriunda da zona de Lisboa e que se deslocava em direção à fronteira com Espanha, a existência de amêijoa imatura, com tamanho inferior ao legalmente estabelecido de 4 centímetros, a qual foi apreendida”, pode ler-se.

Além da apreensão foi identificado o condutor da viatura que efetuava o transporte, um homem de 57 anos, e elaborados dois autos de notícia por contraordenação, uma vez que os apanhadores têm de possuir um documento que garanta a rastreabilidade dos bivalves, por questões de saúde pública, assim como o mesmo não se fazia acompanhar da respetiva guia de transporte, previsto no regime de bens em circulação.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Fábrica de plásticos de Viana investe 4,5 milhões em nova nave industrial

Na zona industrial de Neiva

em

Foto: O MINHO (via Google Maps) - 2015

A empresa Vianaplásticos, que produz peças plásticas para a indústria automóvel e ferramentas, está a investir 4,5 milhões de euros na ampliação da unidade situada na zona Industrial de Neiva, em Viana do Castelo, informou hoje a câmara local.

Contactada pela Lusa, fonte autárquica afirmou que a ampliação, que estará concluída dentro de cinco meses, criará uma nave industrial, com dois mil metros quadrados de área, e cinco novos postos de trabalho.

Atualmente, a Vianaplásticos, tem 30 trabalhadores.

Segundo a Câmara de Viana do Castelo, a empresa “iniciou, em 2014, um plano de investimentos com a aquisição de novos equipamentos, aumentando assim o seu parque de máquinas e capacidade produtiva”.

Com aquele aumento, “surgiu a necessidade de ampliar as instalações existentes com a construção de uma nova nave de dois mil metros quadrados”.

O contrato de investimento foi assinado, entre o presidente José Maria Costa e os responsáveis da fábrica, ao abrigo do Regime de Incentivos ao Acolhimento Empresarial e Turístico e à Regeneração Urbana.

A Vianaplásticos foi fundada em 1992, como sucursal da empresa brasileira Ferplast. Atualmente, de acordo com informação que consta no sítio da empresa na Internet, “a principal área de negócio é a produção de peças plásticas técnicas para a indústria automóvel”.

O regime de incentivos para 2019 “prevê reduções e isenções de taxas para investidores de empreendimentos turísticos e acolhimento empresarial, atividades económicas relacionadas com as fileiras da agricultura e floresta de base regional e do mar, regeneração urbana, entre outros, em especial para o setor tecnológico, serviços partilhados e indústrias e atividades criativas, onde estão a ser criados 280 postos de trabalho altamente qualificados”.

Continuar a ler

Populares