Seguir o O MINHO

Braga

Eis Marc Ribot, o músico de todos os estilos e fusões

Concerto, hoje, 17:30 no GNRation

em

Com mais de 20 discos em nome próprio, ao longo quase quatro décadas de carreira, Ribot gravou e colaborou com dezenas e dezenas de nomes históricos da música contemporânea.

De Tom Waits a Caetano Veloso, de Soloman Burke a John Zorn, de Chuck Berry a Laurie Anderson, entre muitos outros, a lista com quem o norte-americano trabalhou é invejável.

Hoje, dá um concerto, às 17:30, no GNRation em Braga com bilhetes a 12,50 euros.

O seu trabalho difundiu-se em diversos estilos – do jazz à música cubana, da música experimental ao avant-garde – deixando uma pegada sonora inigualável.

Entre as frequentes digressões que realiza com Marc Ribot Trio, grupo free-jazz com o lendário baixista Henry Grimes e baterista Chad Taylor, Ribot consegue ainda revezar-se em composições para a sétima arte ou num curioso projeto de arranjos funk para a música de John Cage, ao lado do mago Bernie Worrell (Parliament-Funkadelic).

Em Ceramic Dog, projeto mais recente de Marc Ribot, partilha palco com dois músicos de excelência: Ches Smith, exímio baterista norte-americano conhecido pelas suas colaborações com Mr. Bungle, Secret Chiefs 3, John Zorn, Xiu Xiu ou Carla Bozulich, e Shahzad Ismaily, multi-instrumentista que colaborou com John Zorn, Secret Chiefs 3, Laurie Anderson, Lou Reed, Colin Stetson ou Bonnie Prince Billy.

Anúncio

Braga

SEF de Braga recorre de decisão que anulou expulsão de mulher detida na Cairense

Não se provou que lá trabalhava

em

Imagem via Google maps

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras recorreu para o Tribunal Administrativo e Fiscal do Norte da decisão do Administrativo de Braga que suspendeu a expulsão de uma cidadã brasileira, a qual não chegou a sair de Portugal, devido à interposição de uma providência cautelar. A imigrante havia sido detida, em dezembro, com outras sete mulheres, numa operação policial na Residencial Cairense em Braga.

O Administrativo de Braga considerou, na sua sentença, não ter ficado provado que a mulher trabalhasse no alterne ou na prostituição.

O juiz deu razão à providência cautelar da cidadã, ordenando, ainda, ao SEF que se abstenha de colocar, ainda que provisoriamente, o nome da imigrante, quer na lista nacional de pessoas impedidas de entrar em Portugal, por um período de três anos, quer no SIS- Serviço de Informações e Segurança.

Exige o mesmo no que toca à interdição de entrada no Espaço Schengen, sendo que – diz a sentença -, no caso de o já o ter feito, tem de “eliminar o seu nome da lista de impedidos de entrar no Espaço Schengen”.

O SEF expulsou já para o Brasil duas outras mulheres encontradas na mesma noite na Residencial. Medida que foi alvo de recurso feito para o «Administrativo» pela jurista Carla Freitas, do escritório de João Magalhães.

SEF discorda

Para os juristas do SEF,” a decisão de afastamento coercivo e de interdição de entrada foi proferida no termo de um procedimento administrativo que se rege por normas especiais, plasmadas na Lei 23/2007, e a que foi dado cumprimento integral”.

“Uma vez que não sendo a imigrante titular de um qualquer direito de permanência no país, não é possível antecipar a produção, na sua esfera jurídica, de quaisquer efeitos, e, consequentemente, de quaisquer prejuízos”, contrapõe o SEF, reiterando, que o ato de expulsão traduz o exercício de um poder vinculado e foi praticado em estrita observância da legislação que o enforma, estando fundamentada de facto e de direito e não padecendo de qualquer vício”.

Defesa contra-alega

A advogada de defesa da brasileira, Carla Freitas do escritório de João Magalhães, contra-alegou considerando infundado o recurso, desde logo porque a sua constituinte “foi detida sem se encontrar em permanência irregular em Território Nacional, uma vez que, à data da sua detenção, ainda tinha na sua posse o visto de turismo válido”.

“ Tal facto, que não carece de alegação nem de prova, demonstra, claramente, e a todas as luzes, que o Ato Administrativo de Afastamento coercivo padece de nulidade, na medida em que, ofende, manifestamente, o conteúdo essencial de um Direito Fundamental”, afirma

Procura trabalho

Já na providência cautelar, aquela advogada afirmava que a cidadã se encontra em território nacional, “dado que, no seu país de origem, não encontra trabalho “.

Sustenta que, “com a decisão do SEF de abandono do território nacional no prazo de 10 dias, a cidadã não poderia regressar a Portugal, para encontrar trabalho – que estava a procurar – , e estabilizar a sua vida profissional. E passaria a não ter qualquer meio de subsistência”.

Continuar a ler

Braga

845 já recuperaram da covid em Braga e não morre ninguém do vírus há cinco dias

Covid-19

em

Arco-íris sobre Braga. Foto: Redes sociais

Mais duas pessoas estão infetadas com covid-19 no concelho de Braga subindo para 1.354 os casos confirmados. O número de óbitos mantém-se nos 63 desde a passada sexta-feira.

Depois de na segunda-feira não se ter registado nenhum caso novo de infeção por covid-19 em Braga, hoje, os serviços sanitários registaram mais dois, sendo, agora, 1.354 as pessoas portadoras do vírus.

O número de óbitos mantém-se estável, sendo 63 as pessoas falecidas com o coronavírus no concelho.

Fonte do setor local da saúde disse a O MINHO que o número de cidadãos curados é, agora, de 845.

A mesma fonte precisou que estão agora sob vigilância ativa da autoridade local de saúde 67 pessoas, o que significa que são contactadas com frequência pelos técnicos para se saber o seu estado sanitário, já que estiveram em contacto com alguém que contraiu o coronavírus.

Continuar a ler

Braga

Delegado de saúde de Braga alerta para onda de calor: “Pode matar”

Saúde pública

em

Foto: Ilustrativa / DR

Face ao alerta amarelo e às temperaturas elevadas esperadas até final do fim de semana, o delegado de saúde dos agrupamentos de saúde Cávado I (Braga) João Manuel Cruz elaborou alguma informação, á qual O MINHO se associa, de forma a divulgar os riscos a evitar durante este período.

QUAIS OS RISCOS DO CALOR ?

A exposição a calor intenso é uma agressão para o organismo, podendo conduzir a desidratação, ou agravamento de doenças crónicas, a um esgotamento ou a um golpe de calor.

Deve ter em atenção certos sintomas associados a um esgotamento por calor, tais como cãibras musculares, cansaço, fraqueza, desmaio, náuseas e vómitos, respiração rápida e superficial, grande transpiração, palidez, pele fria e húmida, pulso fraco e rápido e dor de cabeça.

O RISCO MAIS GRAVE

O golpe de calor é a situação mais grave e pode provocar danos irreversíveis à saúde e até levar à morte. Os principais sintomas são febre alta, dores de cabeça, tonturas, pulso rápido e forte, náuseas, confusão, perda de consciência, contracções musculares e pele vermelha, quente e seca, sem suor.

São mais vulneráveis ao calor:
• Crianças nos primeiros anos de vida
• Idosos
• Portadores de doenças crónicas (cardiovasculares, respiratórias, renais, diabetes e alcoolismo)
• Obesos
• Acamados
• Pessoas com problemas de saúde mental
• Pessoas que tomam medicamentos, tais como, anti-hipertensores, antiarrítmicos, diuréticos, antidepressivos, neurolépticos, entre outros.

Proteja-se do Sol e do calor

• Evite a exposição directa ao Sol, em especial, entre as 11 e as 16 horas
• Na praia, mesmo debaixo do chapéu de sol não está protegido. A água do mar também reflecte os raios solares podendo provocar queimaduras solares
• Sempre que se expuser ao Sol ou andar ao ar livre, use protector solar (índice>30)
• Use chapéu e óculos escuros (especialmente para pessoas de pele clara). Proteja a cabeça das crianças com chapéu de abas
• Use roupa solta, de preferência de algodão e aplique sempre protector solar
• Nos dias de grande calor, os bebés e os idosos não deverão ir à praia
• Diminua os esforços físicos e repouse frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados

Beba e faça uma alimentação equilibrada

• Aumente a ingestão de água ou de sumos de fruta naturais, sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede
• Evite bebidas alcoólicas e com elevados teores de açúcar
• Faça refeições leves, pouco condimentadas e mais frequentes

Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes podem não sentir sede. Ofereça- lhes água!

Refresque-se

• Permaneça 2 a 3 horas por dia num ambiente fresco. Se isso não for possível em sua casa, visite centros comerciais, museus, cinemas ou outros locais com ar condicionado.
• No período de maior calor tomar um banho de água tépida. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura.

Em casa

• Evite que o calor entre. Corra as persianas ou portadas e mantenha o ar a circular
• Abra as janelas durante a noite
• Use menos roupa na cama, sobretudo, dos bebés e doentes acamados.

Em viagem

• Se o carro não tiver ar condicionado não feche completamente as janelas
• Leve água ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar
• Sempre que possível viaje de noite
• Evite a permanência em viaturas expostas ao Sol, em especial, de crianças, doentes ou idosos

PROCURE E DÊ AJUDA

• Não hesite em pedir ajuda a um familiar ou vizinho no caso de se sentir mal com o calor
• Informe-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas ou com dependência que vivam perto de si e ajude-as a protegerem-se do calor

No caso de

• Sofrer doença crónica ou estiver a fazer uma dieta com pouco sal ou restrição de líquidos
• Estar a tomar medicamentos
• Ter sintomas pouco habituais

Consulte o seu médico ou contacte a SAÚDE 24 (808 24 24 24).

Uma vítima de um golpe de calor corre risco de morte. São indispensáveis cuidados médicos de emergência. LIGUE 112.

Continuar a ler

Populares