Seguir o O MINHO

País

EDP recebe na sexta-feira 50 ventiladores e 200 monitores para doar aos hospitais

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

Cinquenta ventiladores, 200 monitores e outros equipamentos de apoio médico adquiridos pela EDP para serem oferecidos aos hospitais portugueses chegam a Lisboa na próxima sexta-feira, anunciou fonte oficial da empresa.


Os equipamentos foram adquiridos pela EDP e a pela sua principal acionista, a China Three Gorges (CTG), que previam fazer a sua entrega ao Ministério da Saúde no final do mês.

Num comunicado divulgado no passado dia 19, as duas empresas indicavam ter que adquirido, em coordenação com o Ministério da Saúde e com o apoio da Embaixada de Portugal em Pequim, “50 ventiladores e 200 monitores médicos, bem como respetivos consumíveis e equipamentos de suporte associados, num total de cerca de 4 milhões de euros”.

“Estes equipamentos médicos – já homologados pelo Ministério da Saúde – poderão mostrar-se decisivos para todos aqueles que sejam afetados de modo mais crítico pela Covid-19, sobretudo numa altura em que os ‘stocks’ mundiais se têm mostrado insuficientes para a elevada procura”, sublinha a EDP e a CTG no comunicado.

Com esta iniciativa, “a EDP e a CTG juntam-se ao esforço coletivo das equipas médicas no terreno na luta contra esta epidemia”, realçam.

A esta ação juntam-se “cerca de duas mil pessoas” que estão no terreno, centros de despacho e centros produtores “para garantir que a energia chega a casa de todos os portugueses”, lê-se no comunicado.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000.

Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes, mais 19 do que na véspera (+19%), e registaram-se 5.962 casos de infeções confirmadas, mais 792 casos em relação a sábado (+15,3%).

Anúncio

País

Novas empresas caem para metade e insolvências aumentam em maio

Economia

em

Foto: DR

O número de novas empresas caiu 54,1% em maio, face a igual período de 2019, e as insolvências aumentaram 16%, segundo uma análise da Crédito y Caución, empresa especializada em seguros de crédito à exportação na Península Ibérica.


As insolvências aumentaram 15,96% em maio, face ao período homólogo do ano passado, com 603 empresas insolventes, sendo o valor acumulado 4,2% superior ao de 2019, com um total de 2.281 empresas insolventes.

Porto e Lisboa registaram os valores absolutos mais elevados, 572 e 472, respetivamente, seguindo-se Braga, com 266 insolvências e um aumento de 5,1% face ao período homólogo anterior.

Doze distritos tiveram aumentos nas insolvências, destacando-se as subidas de Angra do Heroísmo (+114,3%), Portalegre (+66,7%), Faro (+50,6%), Castelo Branco e Santarém (ambos com um aumento de 41,7%), Viana do Castelo (+33,3%), Beja (+25%), Évora (+20%).

Decréscimos registaram-se em dez distritos: Horta (-33,3%), Coimbra (-31,7%), Guarda (-31,3%), Bragança (-10%), Aveiro (-8,6%), Vila Real (-5,9%), Setúbal (-5,4%), Viseu (-3.9%), Madeira (-3,7%) e Leiria (-3,3%).

Os setores com maior diminuição nas insolvências foram a indústria extrativa (-33,3%), telecomunicações (-33,3%) e construção e obras públicas (-9,2%), e os com maior aumento foram as atividades de eletricidade, gás e água (33,3%), agricultura, caça e pesca (27,8%) e hotelaria e restauração (13,9%), e comércio a retalho (10,8%).

Menos 2.326 empresas foram constituídas em maio, passando de 4.298 em 2019 para 1.972 em 2020, em termos homólogos (-54,1%), e em termos acumulados regista-se uma diminuição de 37,4%, com menos 9.083 empresas do que em igual período de 2019.

O total de 2020 situa-se nas 15.226 constituições de empresas, segundo a análise da Crédito y Caución.

Lisboa registou o maior número de constituições, 4.901 novas empresas, mas menos 37,2% do que em 2019.

O distrito do Porto registou a criação de 2.780 empresas, menos 37,3% do que no ano passado.

“Todos os distritos apresentam diminuições nas novas empresas constituídas”, lê-se no documento, sendo as maiores descidas em Aveiro (-58,7%), Setúbal (-41,5%), Leiria (-41,4%), Coimbra (-40,9%), Beja (-40,8%), Bragança (-40%), Évora (-39,3%), Madeira (-39%), Guarda (-38,6%), Angra do Heroísmo (-37%), Viana do Castelo (-37,6%), Braga (-36%), Horta (-35,9%), Vila Real (-35,6%), Viseu (-34,3%), Santarém (-32,4%), Ponta Delgada (-31,7%), Castelo Branco (-31,4%) e Portalegre (-11,4%).

Os setores com maior número de constituições são outros serviços, com 6.642 novas empresas, construção e obras públicas (1.722), hotelaria/restauração (1.500), comércio a retalho (1.243) e transportes (1.172).

Continuar a ler

País

Portugal foi o primeiro país europeu a receber o selo ‘Safe Travels’

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Braga

Portugal foi o primeiro país europeu a receber o selo “Safe Travels”, que reconhece um compromisso com a segurança, informou esta quinta-feira o Governo.


A distinção, atribuída pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), pretende certificar destinos que cumprem regras de higiene e segurança e visa dar confiança a quem viajar após as restrições para evitar a propagação da covid-19.

“Este selo visa reconhecer destinos que cumprem protocolos de saúde e higiene alinhados com os Protocolos de Viagens Seguras emanados pelo WTTC, ajudando, sobretudo, a instigar a confiança nos consumidores, de modo a que estes sintam que podem viajar em segurança assim que as restrições forem levantadas”, explica o Ministério de Estado, da Economia e Transição Digital, em comunicado.

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, considera que a atribuição do selo vem premiar o esforço feito no país.

“Portugal foi pioneiro no lançamento do selo Clean&Safe. Este selo do WTTC vem premiar o esforço que foi feito por todos. O melhor destino do mundo é também entendido como o mais seguro a nível mundial”, disse a governante.

O WTTC publicou também orientações para outros setores, como a restauração, comércio de rua, aviação, aeroportos, centros de congressos, de reuniões e eventos.

O selo pode ser obtido através da página na Internet do World Travel & Tourism Council.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 385 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.455 pessoas das 33.592 confirmadas como infetadas, e há 20.323 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais 10 mortes, 377 infetados e 203 recuperados no país

em

Portugal regista hoje 1.465 mortes relacionadas com a covid-19, mais dez do que na quinta-feira, e 33.969 infetados, mais 377, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Há 20.526 recuperados, mais 244.


(em atualização)

Continuar a ler

Populares