Seguir o O MINHO

Opinião

“…E mesmo nas nossas Escolas Públicas, os meninos não são todos iguais…”

em

Artigo de Vânia Mesquita Machado

Pediatra e escritora. Autora dos livros “Microcosmos Humanos” e “Humana Seja a Nossa Dor”. Mãe de 3. De Braga.

…E mesmo nas nossas Escolas Públicas, os meninos não são todos iguais…

…O menino ia ficar ali sentado, sozinho, encostado às grades ao lado do portão fechado da sua escola, à espera da hora em que o portão se abria e podia entrar para o recreio, quinze minutos antes de tocar para começarem as aulas.

Eu não tinha compreendido imediatamente qual o motivo da fuga discreta do meu loirinho sardento ao abraço apertado que lhe dava à porta da escola nessa manhã. Retribuía sempre todo contente, antes de correr sorridente para a salinha da ATL (Atividade de Tempo Livre). Os abraços dos meus três filhos seguiam comigo depois no carro, atenuando o stress diário do trânsito matinal antes de chegar ao hospital, todos os dias às 08:30.
Olhei para ele e percebi, pelo olhar de relance para o amigo que se aproximava sem contar.

O meu filho a encher o peito como um homenzinho e a cumprimentar o amigo, de ar encabulado por ter sido apanhado no abraço da mamã, porque os rapazes da 4ª classe já são crescidos e desenrascados, não são nenhuns bebés de colo, e apesar de adorarem esses abraços e não prescindirem dos mimos ao serão e à noite exigirem o aconchego dos lençóis pela mamã, em frente aos amigos já são tesos e rijos, a voz fica mais grossa, jogam futebol e esfolam os joelhos sem chorar.

– Olha o teu amigo já chegou, João! – Disse eu, largando o meu filho que cumprimentava o amigo.

– Fogo! Ainda por cima hoje cheguei uma hora mais cedo… Agora vou ter de esperar este tempo todo aqui fora!» – Desabafou o menino, enquanto se sentava e pousava a mochila.

Instintivamente baixei os olhos sem conseguir dizer mais nada, enquanto o meu filho descia a rampa da escola a correr, olhando para trás a acenar antes de entrar na salinha de ATL, como habitualmente.

E eu entrei no carro a remoer o sentimento de revolta pela injustiça, a tentar afastar de mim o pensamento mas sem conseguir porque esse pensamento gerou muitos outros, sucessivamente.

“Ensino Público” implicaria, por definição, igualdade de direitos e oportunidades para todos os meninos…
… Obviamente que esse conceito era à partida uma utopia.

Os meninos para além das suas mochilas às costas, carregavam também um fardo pesado de desigualdades conforme a sua sorte ou azar – as discussões entre os pais em casa abafadas por quatro paredes, o pai triste por ter perdido o emprego, a mãe sozinha e cansada porque o pai tinha emigrado, a falta de um bom jantar, o estômago vazio de pequeno-almoço, o material escolar insuficiente, uma doença que o fazia sofrer e faltar, entre tantas outras coisas que se repercutiam depois na sua capacidade de se concentrar nas aulas, amontoando-se depois os diagnósticos de meninos hiperativos, afetando incomodamente o tão importante ranking das escolas (meninos desconcentrados em grande parte também pelo desajustamento dos programas pedagógicos à sua forma de ser, claro está, mas esses programas são (estranhamente) iguais para todos; os meninos é que são, e ainda bem, diferentes uns dos outros).

Mas a flagrante diferença entre os meninos nas Escolas Públicas expressa-se também nestas aparentemente insignificantes nuances, que todos acabamos por esquecer no meio de tantas outras preocupações mais relevantes das nossas vidas diárias, como são os compartimentados horários escolares, que necessariamente exigem um complemento após o período letivo.

Quantos são os Pais que trabalham e se podem dar ao luxo de deixar os seus Filhos nas escolas às 08:45, ou ir busca-los às 17:30?

Devem contar-se pelos dedos das mãos, em cada Agrupamento Escolar.

O facto é que o horário escolar no 1º ciclo do Ensino Básico, entre as 09:00 e as 17:30 (incluindo as AECs (Atividades Extra-Curriculares), as quais são facultativas mas gratuitas) é totalmente desajustado aos horários laborais dos Pais.

E para frequentarem as ATLs, é necessário pagar um valor extra mensal que não é acessível a todas as bolsas (não vou divagar aqui sobre a não gratuitidade das refeições escolares. Não sou economista e se o que contribuo mensalmente com os meus impostos não é suficiente, será certamente porque o erário público é indispensável para outras despesas prioritárias. Pertencendo eu à “classe média”, sou privilegiada porque não integro nenhum “escalão de subsídios escolares”* (*leia-se: valores irrisórios dados a famílias indubitavelmente carenciadas)).

E os meninos entre os 6 e os 9 anos, não existindo Auxiliares de Ação Educativa suficientes para cuidarem deles no recreio enquanto as aulas não começam ou quando terminam e os pais não saíram dos empregos, se os seus Pais não tiverem possibilidade de pagar as ATLs, ficam à espera do lado de fora das escolas sentados no muro encostados às grades, durante longos minutos, faça sol ou faça chuva. Sozinhos.

E o portão encerrado durante esses longos minutos, a estabelecer a necessária barreira entre o recinto escolar e o exterior, é simbolicamente representativo da falsa igualdade de oportunidades entre todos os meninos que frequentam as Escolas Públicas no nosso País.

Populares