Seguir o O MINHO

Braga

Braga: DST construiu laboratórios da EDP em Lisboa

Economia

em

Foto: Divulgação / DST

A DST, de Braga, construiu o novo edifício de laboratórios da EDP, em Lisboa, para a modernização das infraestruturas de investigação que se destinam aos laboratórios de ambiente, de metais, de materiais isolantes, de redes inteligentes e armazenamento de energia (SmartLab) e de prototipagem (Fablab).

Em comunicado, a empresa assinala que “os novos laboratórios estão dotados de equipamentos pouco comuns e de grande especificidade, cujos sistemas e equipamentos foram concebidos para dotar a Labelec com níveis ultra fiáveis de investigação, com recurso a tecnologia de ponta, e em segurança”.

“A complexidade técnica e tecnológica agregada à projeção e construção de um laboratório desta natureza para a EDP implica uma coordenação grande entre as empresas do grupo” explica José Teixeira, presidente do Grupo DST, citado no comunicado. “Ao longo dos anos investimos em I&D e crescemos em conhecimento e tecnologia, especializando e criando empresas específicas para os aspetos vitais da construção. Assim conseguimos dar respostas integradas com níveis de inovação, coordenação e integração, que garantem ótimos resultados.”, conclui.

Foram implementados sistemas AVAC e de extração de gases, redes elétricas independentes e redundantes, e sistemas de climatização independentes entre laboratórios, com gestão técnica centralizada.

Foi também instalada uma rede com cerca de 11 gases laboratoriais e ar comprimido para garantir todas as necessidades por parte da LABELEC. A rede de distribuição de água tratada foi concebida para funcionar em anel, com produção de dois tipos de água pura, para aplicações industriais, sendo o tipo I completamente adequado a consumo humano. Também foi construída uma Estação de Neutralização de Esgoto Químico, para tratamento de resíduos, que garante o cumprimento de parâmetros exigidos para as águas residuais.

O elevado nível freático levou à necessidade de inovar, para avançar com a execução de três tanques enterrados. Para respeitar as condições técnicas necessárias utilizaram uma prática construtiva recente que promove a impermeabilização do betão através do processo químico de “cristalização”, que utiliza as partículas não hidratadas de cimento e restantes minerais existentes. Para conseguir promover estas caraterísticas foi utilizado um adjuvante, misturado previamente à betonagem.

Para a execução deste projeto, o Grupo DST contou com o envolvimento integrado das suas empresas, especializadas em diversas áreas: a dst, responsável pelo projeto de conceção e execução; a tagregados, pela movimentação de terras; a tgeotecnia, nas fundações; a dte, na rede de AVAC) e a bim+ na coordenação de projeto, compatibilização de especialidades e acompanhamento da obra através dos Modelos Digitais e trabalho colaborativo entre todos os intervenientes. A arquitetura ficou a cargo do AT.93 Atelier de Arquitetura e Urbanismo.

Além deste projeto, a dst está também a construir a nova sede da EDP, em Lisboa, um projeto no valor de 45 milhões de euros, desenhado pelo arquiteto chileno Alejandro Aravena, vencedor do Pritzker 2016, em colaboração com o arquiteto Carrilho da Graça.

­ ­

Populares