Seguir o O MINHO

Braga

Patrick regressa da guerra a valorizar o número de vezes que uma criança sorri

em

Patrick Dias, de 24 anos, completou mais de 70 horas de confronto armado com um grupo armado na República Centro-Africana (RCA), durante uma missão especial de seis meses naquele país que está em guerra civil.

Natural do Canadá, mas a residir desde os quatro anos em Campo Abades – uma pequena aldeia em Terras de Bouro com pouco mais de 100 habitantes -, o 1.º cabo do segundo batalhão de paraquedistas sediado em São Jacinto, Aveiro, trouxe da missão na RCA – onde foi condutor, apontador e comandante de equipa -, várias lições “para a vida”, como é o caso de valorizar um duche, um copo de água ou uma noite de sono.

E confirmou com as crianças daquele país que a felicidade não está nos bens materiais, mas sim na quantidade de vezes em que sorrimos.

O MINHO foi a Campo Abades falar com o militar que termina o contrato com aquele regimento no final do próximo mês de setembro, depois de seis anos a servir a pátria, que culminou com a missão em Bambari, a segunda cidade mais populosa da RCA. Mas já lá vamos.

Habituado à paz da freguesia minhota e do próprio concelho de Terras de Bouro, onde estudou até aos 18 anos, resolveu alistar-se no exército português como voluntário após várias “histórias” ouvidas na primeira pessoa, contadas por pai, avós e tios, que também foram militares.

Patrick conta que a ideia já estava vincada desde criança: “Inscrevi-me como voluntário para o corpo de tropas paraquedistas e fui chamado para Tancos, onde fiz a formação [recruta+curso], durante 7 meses”.

Patrick vive em Campo Abades (Terras de Bouro). Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Foram meses “intensos e exigentes”, numa “tropa especial”, onde os “dias complicados a pensar desistir” estiveram presentes, mas nunca levaram de vencida a determinação do “guerreiro” com coração do Minho. “Muitas vezes questionei o que estaria ali a fazer mas graças à ajuda dos meus pais e da minha irmã, consegui aguentar”, recorda.

Seguiu-se a transferência para o segundo batalhão de paraquedistas em São Jacinto, Aveiro, depois de ter sido um dos quinze melhores da formação [eram 70 no total]. Lá, aprendeu a valorizar a camaradagem, a lealdade e o espírito de equipa, algo que transpôs não só para o cenário real de conflito como também para a vida.

Patrick sabia que a qualquer momento poderia ser chamado para uma missão em cenário de guerra e a formação que foi tendo ao longo dos últimos anos incidiu nisso mesmo, com treino para saber reagir em emboscadas ou para entrar em compartimentos preenchidos com grupos armados. E foi mesmo isso que encontrou depois de 6 de setembro de 2018, quando o avião em que seguia com os restantes 180 “camaradas” aterrou em Bangui, na RCA.

Aeroporto de Bangui com campo de refugiados ao redor. Foto: DR

Confronto direto com grupos armados

“Caiu na unidade de Aveiro uma missão na RCA, que passava por proteger civis e restabelecer a paz no país. Foi-me perguntado se eu queria ir, e não hesitei. Queria mesmo ir. Já tinha avisado os meus pais e a minha irmã que ia, mesmo sabendo que era uma missão de risco que envolvia confronto direto com elementos armados”.

Para essa missão, houve “um ano em aprontamento”, devido à complexidade do cenário que acabaram por encontrar. Mas o impacto inicial ao sair do avião foi indiscritível. “Era um aeroporto pequeno e a primeira coisa que notámos foi o clima extremamente quente. As temperaturas chegavam a atingir os 45 graus”, recorda.

Devido ao clima, o grupo em missão teve direito a um mês de adaptação, onde não intervieram em nenhum conflito. Mas, ao segundo mês na RCA, foram deslocados para Bambari, onde um grupo armado [UPC] estava a aterrorizar aquela cidade.

“O objetivo passava por tentar repelir o grupo daquela zona porque o que faziam era ameaçar as pessoas, extorquir, violar. Fechavam ruas para cobrar dinheiro para passar, faziam massacres”, aponta. E o início da experiência in situ não poderia começar de forma mais aterrorizadora. “No primeiro encontro com o grupo armado tivemos logo um ferido. Um camarada levou um tiro no braço direito, mas acabou por recuperar”, conta.

Patrick não esquece o primeiro impacto frente a frente a guerrilheiros armados com AK’s [metralhadoras] e RPG’s [lança-misseis de ombro]. “Aquilo era um contexto urbano, eles refugiavam-se dentro de edifícios e iam disparando. Lembro-me de olhar para o ar e ver ‘chumbada’ por todos os lados. Lembro-me também das explosões que nos passavam ao lado. Deu para sentir tudo a tremer”, recorda.

“Foi um momento complicado de gerir, a primeira vez que entro em contacto com o grupo armado, vejo logo um camarada atingido, que me deixou a pensar: o que é isto? Lembro-me de meter mais munições na mochila e preparar-me para o pior.  Mas depois passou e atingimos sucesso nessa operação, sem mais nenhum ferido”.

Paraquedistas em ação em Bambari Foto: Exército Português

Depois, conta Patrick, ficou mais calmo até ao fim do mês de outubro. A viver em tendas, naquela cidade, sem grandes condições, regressaram á capital do país para “regeneração”, regressando ao coração do conflito no mês de janeiro.

“Fomos novamente chamados para expulsar mais um grupo armado. Efetuámos várias operações em vários dias seguidos de combate”. Patrick e os companheiros atingiram um total de 70 horas de conflito direto durante aquele mês, desde confrontos na rua como entrada em compartimentos onde se alojavam os grupos. Uma vez lá dentro, apreendiam-lhes o armamento e eram depois expulsos para a zona reservada àquele tipo de grupos, longa da cidade.

Patrick Dias em missão na RCA. Foto: DR

“Existem 15 grupos armados na RCA e o que estávamos a combater era UPC, sigla que é um apelo à paz, mas é cómico porque eles queriam tudo menos a paz”, sublinha.

Sítio mais perigoso em guerra atualmente

A RCA é um dos países onde, atualmente, o conflito armado é mais intenso. Os próprios “grandes nomes do exército português” salientam esse facto, destacando o “risco” da missão por ser feito à base de confronto direto.

“Atingimos um nível muito bom porque as operações em janeiro foram consecutivas e pensávamos que poderia dar para o torto mas voltámos todos direitos. Não voltou ninguém torto”, brinca. Dos 180 “convocados”, apenas 90 é que eram da componente operacional. O restante número era composto por mecânicos, cozinheiros ou elementos que faziam parte dos serviços. “Sem eles não fazíamos nada”, aduz Patrick.

Do Minho, não era só o residente em Campo Abades. “Havia um camarada de Terras de Bouro, um da Póvoa de Lanhoso, um de Melgaço e alguns de Braga”, recorda.

População local gritava por Portugal

Patrick explica que o grupo especial do exército português contava com o apoio da população local. “Os grupos massacravam as pessoas e elas acabavam por não os apoiar, porque não era aquilo que queriam. Em cada operação que efetuávamos, as pessoas vinham apoiar-nos. Quando terminávamos, vinham ao pé do campo bater palmas e gritar por Portugal. Fomos sempre bem recebidos pela população local”, vinca.

Foto: DR

“Estar em contacto com aquelas pessoas, sobretudo as crianças, foi muito enriquecedor. “Infelizmente é um país que não tem quase nada e onde sobrevivem dia a dia com fruta da época e farinha mandioca. Custa perceber que há países que ainda estão nesse estado, de muita pobreza, e muitas vezes dávamos da nossa própria comida e era impressionante a alegria deles.

Como é que eles conseguem ser felizes?

“A alegria deles é contagiante. Não têm rigorosamente nada, mas mostram felicidade, sobretudo as crianças, que estavam sempre a rir. Acho que só demonstra que bens materiais não trazem felicidade. Lá, deram-me uma resposta para a vida: o que conta é a quantidade de vezes que nós sorrimos”.

Foto: DR

Futuro

Com o contrato a terminar no final de setembro de 2019, Patrick vai concorrer para a Polícia de Segurança Pública. “Gosto de comunicar, falar com as pessoas e vejo-me nessa área no futuro. GNR também pode ser, mas estou mais vocacionado para a PSP”, revela, enquanto vai passando alguns dias em Campo Abades, onde a principal companhia é Tommy, um dos cães de estimação.

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Mensagem para quem se quiser alistar no exército

“Se não tiverem ideias para o futuro, o exército é uma boa solução e vai ensinar a ver a vida de uma forma diferente. Se quiserem ir para os paraquedistas, sem duvida que é uma tropa bonita, onde saltamos de aeronave que é um momento de adrenalina inesquecível.

Na RCA não houve saltos, mas Patrick salienta que o voo do paraquedista é “um sentimento de liberdade” destacando que só os paraquedistas sabem “o porquê dos pássaros cantarem… porque a voar são felizes”.

Anúncio

Braga

Autocarro larga gasóleo ao longo de vários quilómetros em Braga

Entre a Rodovia e Gualtar

em

Foto: O MINHO

Os Bombeiros Sapadores de Braga foram acionados, ao final da tarde deste sábado, para a limpeza de várias artérias na cidade de Braga, depois de um autocarro ter largado óleo ao longo de vários quilómetros.

Foto: O MINHO

A situação ocorreu entre a Rotunda das Piscinas e a freguesia de Gualtar, com as operações de limpeza a decorrerem até ao princípio da noite.

AAvenida João de XXI, Avenida de João Paulo II, rotundas que dão acesso ao Campus de Gualtar da Universidade do Minho, e estrada municipal que liga Gualtar a Adaúfe, foram as vias afetadas.

Foto: O MINHO

Não há registo de acidentes.

A PSP e GNR registaram a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Tribunal agenda julgamento de gangue que assaltou banco em Braga e vivendas no Minho

Santander paga 100 mil euros a cada um dos lesados de assalto a cofres

em

Foto: O MINHO / Arquivo

O Tribunal de Braga junta, na próxima sexta-feira, para marcar as datas de julgamento, os advogados que intervirão nas audiências do processo que envolve um gangue de Braga suspeito de ter assaltado o banco Santander, em Braga, e várias vivendas na região do Minho.

O advogado João Ferreira Araújo, de Braga, que defende um dos arguidos, disse a O MINHO que o coletivo de juízes da Vara Mista, vai agendar várias datas, de comum acordo com os juristas, de forma a que o julgamento, possa começar em março, o mais tardar.

Entretanto, e conforme O MINHO noticiou, os lesados do assalto ao Santander tiveram uma boa prenda de Natal! O banco indemnizou a maioria dos 43 donos de cofres que foram assaltados, numa dependência em Braga, em junho de 2018.

Alguns, cerca de meia dúzia, que reclamam valores superiores a 100 mil, não aceitaram e prosseguem como assistentes no processo.

Fonte oficial do gabinete de comunicação do Santander adiantou que já houve acordo com cerca de 30 clientes, 75 por cento dos lesados, para o pagamento de até 100 mil euros a cada um.

A entidade bancária aceita como boa a lista que lhe foi entregue pelos clientes que tinham bens, dinheiro, jóias, ou relógios valiosos, em cofres na dependência da Avenida Central.

Dez arguidos

No fim de junho, o Ministério Público de Guimarães acusou dez arguidos, um deles agente da PSP, membros de um gangue que fez uma dezena de assaltos a residências em Braga e no Minho e ao banco Santander, furtando dinheiro e bens que o Ministério Público avalia em 4,7 milhões de euros.

Entre os lesados estão, também, o empresário Domingos Névoa, o cantor limiano Delfim Júnior, e o médico e antigo atleta do SC Braga, Romeu Maia.

Continuar a ler

Braga

Feira dos Vinte, na vila de Prado: Trocar e vender gado desde o século 14

Vila Verde

em

Foto: Divulgação

É já este sábado que arranca a Feira dos Vinte, em Prado, Vila Verde, com duração até dia 20, segunda-feira, dia de São Sebastião.

O destaque desta feira, cujas raízes remontam ao reinado de D. Dinis, no século XIV, assenta na troca e venda de gado cavalar e bovino.

Apresenta-se nos dias de hoje com um programa diversificado que inclui música, gastronomia, espetáculo equestre, concurso pecuário.

Uma diversidade que se estende também ao comércio, com máquinas agrícolas, artigos para o lar, vestuário, calçado, coudelaria, hortícolas, doçaria e diversões para todos os gostos, entre muitos outros.

Este ano, para dar início às festividades, a 18 de janeiro é assinalado o dia das Associações da Freguesia, com animação musical, ‘comes e bebes’ e convívio, na tenda gigante colocada no Largo de S. Sebastião.

Paralelamente, a Confraria Gastronómica das Provas da Feira dos Vinte promove o seu ‘II Capítulo Solene e de Entronização’ de novos confrades.

No domingo, 19 de janeiro, a animação começa pelas 15:00, com o Festival de Folclore, seguido do espetáculo equestre às 17:00.

Às 20:30, tem lugar o Encontro de Reis e a festa continua pela noite dentro com after party a cargo do animador Tosttas.

Nesta noite, decorrem ainda as habituais provas nas tasquinhas e restaurantes locais.

As Papas à Moda dos Vinte estarão disponíveis durante todo o mês de janeiro na Vila de Prado, nos restaurantes aderentes.

O programa para o dia principal, 20 de janeiro, é a feira de gado e o concurso pecuário, com o largo da vila a receber produtores que fazem trocas ou vendas de gado. Durante a manhã, terá ainda lugar a missa e bênção do gado. Há batismo de cavalo e passeios em charrete.

Em Dia de S. Sebastião, várias pessoas aproveitam também para rumar à capela localizada nas imediações do recinto.

Continuar a ler

Populares