Seguir o O MINHO

Desporto

Dirigentes de clubes da I Liga acreditam no “bom senso dos árbitros”

em

Foto: DR/Arquivo

 Os responsáveis de SC Braga, Marítimo e Boavista partilharam esta terça-feira a convicção de que os árbitros da primeira categoria não vão falhar a presença nos jogos dos campeonatos profissionais de futebol do próximo fim de semana.


A ideia foi transmitida por António Salvador, Carlos Pereira e Álvaro Braga Júnior, respetivamente, no final de uma reunião de clubes da I Liga, um movimento apelidado G15, que se realizou esta terça-feira na cidade do Porto, sem a presença de qualquer representante dos denominados ‘três grandes’.

“Recebemos essa comunicação, mas não deve haver precipitações nem devemos refletir sobre suposições. Creio que é uma chamada de atenção, mas penso que o bom senso [dos árbitros] vai prevalecer”, disse Carlos Pereira, presidente do Marítimo.

António Salvador, líder do SC Braga, partilhou a opinião do homólogo madeirense, mas lembrou que o clima hostil à arbitragem não tem sido feito pelos clubes ditos mais pequenos, deixando, ainda assim, um desafio aos árbitros.

“A APAF [Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol] já fez ameaças deste género no passado e acabou por prevalecer o bom senso. Mas, se falam de paragem, então que tenham coragem de parar nos jogos com os ‘três grandes’. São eles que têm feito este ambiente”, sublinhou o dirigente minhoto.

Já Álvaro Braga Júnior, dirigente do Boavista, disse “perceber a mágoa de alguns árbitros”, mas realçou que “não será pelas posições manifestadas pelo grupo de clubes [G15] que hoje esteve reunido”.

“Acredito que até ao fim de semana os árbitros vão rever a posição e vai imperar o bom senso. Não creio que tenhamos jornadas paradas, porque isso em nada vai beneficiar o futebol”, considerou o responsável do emblema ‘axadrezado’.

Estas declarações dos três dirigentes surgiram no final de uma reunião, que durou mais mais de quatro horas, entre clubes da I Liga, um movimento apelidado de G15 por não incluir os três ‘grandes’, FC Porto, Benfica e Sporting, e que teve como mote “a apresentação de propostas para a evolução do futebol português”.

No encontro, realizado num hotel da cidade do Porto, no qual apenas não participaram, devido a outros compromissos, representantes do Vitória SC, Vitória de Setúbal, Portimonense e Moreirense, foram já discutidas algumas medidas, que serão consubstanciadas numa próxima reunião, agendada para 29 de novembro, em Vila do Conde.

“Saiu fortalecido o futebol português, porque falámos de muitas coisas e preparámos o futuro com propostas que voltaremos discutir para melhorar a regulamentação”, disse Carlos Pereira.

Apesar de FC Porto, Benfica e Sporting não terem sido convidados para esta reunião, o dirigente do emblema insular destacou que esses clubes “não devem ficar de fora nas medidas para a melhoria do futebol português”, acrescentando que também não é intenção deste movimento “excluir a Federação [Portuguesa de Futebol] ou a Liga”.

António Salvador, presidente do SC Braga, corroborou essa ideia, defendendo que a reunião hoje realizada não foi “contra ninguém, mas sim contra o estado atual do futebol português”, embora deixando uma mensagem aos ditos ‘grandes’.

“É impossível continuar assim, os três ‘grandes’ do futebol português têm de perceber, de uma vez por todas, que sem os restantes 15 clubes não há campeonato. É preciso que seja feito um debate profundo com todos”, afirmou o líder do emblema bracarense.

António Salvador considerou que “o estado do futebol português é preocupante”, reclamando medidas duras para “que as pessoas que envergonham o futebol português sejam, de uma vez por todas, erradicadas do dirigismo”.

Já Álvaro Braga Júnior, presidente da SAD do Boavista, disse ter saído desta reunião do G15 “confortado com a existência de propostas concretas, que serão, posteriormente, alinhavadas, para favorecer o futebol português, a Liga, a Federação e os clubes”.

O dirigente boavisteiro sublinhou, ainda, que “a maioria dos clubes presentes neste encontro tem um bom relacionamento com os três ‘grandes'”, considerando que o diálogo entre todos “acontecerá sempre”.

Anúncio

Futebol

“Temos plantel para jogar em qualquer sistema”

Artur Jorge

em

Foto: SC Braga

Declarações após o jogo SC Braga-Desportivo das Aves (4-0), da 30.ª jornada da I Liga de futebol, disputado no sábado, em Braga.

Artur Jorge (treinador do SC Braga): “Era importante ganhar este jogo, fomos competentes e demos uma grande demonstração de respeito por nós próprios e pelo adversário, pela forma séria com que encarámos o jogo. Vitória bem conseguida, que mostra o valor que esta equipa tem. Quero valorizar a conquista destes três pontos, esse era o foco mais importante hoje [sábado].

Quero realçar a estreia de dois jovens atletas da formação [Fabiano e Sanca], utilizámos cinco atletas formados no Braga, sendo que tínhamos oito na lista de 20. É o momento, proporcionou-se, as oportunidades surgem para quem as merecer e aproveitar. É um processo de continuidade. São dois jogadores em quem acreditamos, o Fabiano teve uma prestação muito boa, o Sanca também tem potencial, são elementos a ter em conta no plantel.

A segunda parte foi melhor, na primeira parte sentimos alguma ansiedade, nos primeiros 15/20 minutos a equipa não se conseguiu ligar na sua plenitude. Ao intervalo, tentei passar mensagem de serenidade e calma, sabíamos que o golo podia aparecer a qualquer momento, importava ter serenidade na tomada de decisão e manter a mesma dinâmica. Com o primeiro golo, as coisas tornaram-se mais simples, era importante não lidar com o lado emocional dos jogadores na adversidade e para isso foi importante não sofrer golos, esse também era um objetivo para hoje [sábado].

É um momento diferente, foi a concretização do trabalho, estou muito satisfeito, sei que temos adeptos que vivem muito o clube e que também estão muito satisfeitos.

Gostei de todos os atletas e da sua participação no jogo. Todos têm um papel importante, ser protagonista depende sempre deles. Temos plantel para jogar em qualquer sistema e hoje [sábado] tivemos uma resposta muito positiva [no formato 4x4x2], que abre boas perspetivas para o que resta da época”.

Nuno Manta Santos (treinador do Desportivo das Aves): “Houve duas partes distintas, na primeira o Aves equilibrou o jogo, embora com maior ascendente do Braga, fomos saindo em transições, que podíamos ter definido melhor, mas a pressão e a ansiedade tiram capacidade nesses momentos.

A segunda parte resume-se logo no primeiro minuto, num lance de bola parada sofremos um golo e depois torna-se muito complicado reagir. Em 10 minutos, estávamos a perder por 2-0 e esta equipa, quando sofre um golo, sente muito, parece que perde energia, os jogadores começam a olhar mais para o relvado do que para o jogo. Por mais que eu motive, tem que haver automotivação. Até ao fim da época quero compromisso, caráter e respeito.

Há muito mais pressão agora do meu ponto de vista para o Aves, porque os jogadores querem mostrar-se, os meios de comunicação social querem ver a reação do Aves, se já atirou a toalha ao chão, se continua a disputar os jogos, há a pressão perante a estrutura. Eu motivo os jogadores com discursos ou frases, mas mais do que isso tem que vir de dentro a motivação”.

Continuar a ler

Futebol

“É bom regressar com os três pontos”

Ivo Vieira

em

Foto: DR

Declarações dos treinadores após o jogo Portimonense-Vitória SC (0-1), da 30.ª jornada da I Liga de futebol, disputado hoje no Estádio Municipal de Portimão:

Ivo Vieira (treinador Vitória SC: “Estivemos mais organizados do ponto defensivo e o Portimonense com mais posse de bola na primeira parte. Corrigimos na segunda e mudámos o jogo numa estratégia que surtiu efeito.

Fizemos um jogo competente, contra uma equipa que vale muito, quer pela forma como é orientada, quer pela forma como joga e está organizada.

Foi um jogo equilibrado, com o Portimonense melhor na primeira parte e o Vitória na segunda. É merecido [o resultado], com um belo golo e após uma viagem tão longa é bom regressar com os três pontos.”

Paulo Sérgio (treinador do Portimonense): “Nunca esperamos perder, trabalhamos sempre para ganhar. É um corte num ciclo muito bom, mas vamos iniciar outro já a seguir. A prestação dos jogadores dá-nos confiança para o que estamos a fazer e vamos continuar a tentar.

Foi um jogo contra uma boa equipa, decidido nos detalhes e foi isso que aconteceu. É um resultado injusto, porque fomos mais fortes na primeira parta e um jogo equilibrado na segunda, mas faltou-nos alguma frescura mental para decidir no último passe e acabámos por dar mais bolas ao Vitória.

Podíamos ter decidido o jogo na primeira parte, não tivemos essa oportunidade, foram eles que fizerem um golo esquisito de fora da área. O Vitória corrigiu a estratégia de jogo e não permitiu as deslocações do Lucas Fernandes e nós não encontrámos um acerto para o fazer.

Não faço contas, porque há um mês colocavam-nos na luta pela manutenção com uma equipa, cujo nome foi mudando ao longo do tempo. As únicas contas que faço é somarmos o máximo número possível de pontos, fazemos a nossa parte, para sairmos desta situação e tenho convicção que vamos conseguir.”

Continuar a ler

Futebol

SC Braga vence de goleada na estreia de Artur Jorge

30.ª jornada

em

Foto: SC Braga

O SC Braga regressou hoje aos triunfos, batendo folgadamente o já despromovido Desportivo das Aves por 4-0, na 30.ª jornada da I Liga de futebol, no jogo de estreia de Artur Jorge como treinador interino.

Depois de uma primeira parte ‘cinzenta’ dos bracarenses, os golos surgiram só no segundo tempo, por Rui Fonte (49 minutos), Ricardo Horta (54), Abel Ruiz (83) e Paulinho (90+3). O Sporting de Braga coloca-se a dois pontos do Sporting, que apenas joga na segunda-feira, fora, com o Moreirense.

Os segundos 45 minutos foram bem melhores por parte dos ‘arsenalistas’, que voltaram às vitórias após o desaire da jornada anterior, em Vila do Conde, diante do Rio Ave (4-3), que ditou a saída de Custódio Castro do comando técnico.

Na estreia como treinador interino, Artur Jorge apresentou a equipa num sistema tático 4x4x2, com a novidade de colocar Rui Fonte ao lado de Paulinho na frente de ataque.

Já o Desportivo das Aves, alinhando num sistema com três defesas, somou a 24.ª derrota no campeonato, tendo este sido o 11.º jogo seguido sem vencer (o último triunfo foi obtido em casa do Marítimo, em 02 de fevereiro).

Os avenses até entraram ‘atrevidos’ e, logo aos seis minutos, estiveram muito perto de inaugurar o marcador: livre de Afonso Figueiredo e cabeceamento de Diakhité ao poste.

Aos 12 minutos, Bruno Morais falhou por pouco o desvio e, na sequência do canto, Diakhité cabeceou ligeiramente por cima.

O Braga foi, lentamente, tomando conta do jogo e, aos 16 minutos, um grande passe de André Horta isolou Rui Fonte, mas Aflalo, com uma rápida mancha, impediu o golo.

Apesar de algumas ameaças, o futebol bracarense era muito ‘mastigado’ e lento, mas, no segundo tempo, já com o jovem Fabiano no lugar de Diogo Viana, o SC Braga subiu muito de produção e chegou cedo ao golo, com um cabeceamento de Rui Fonte, após canto da direita de Trincão.

Cinco minutos depois, numa jogada iniciada por Fabiano, Paulinho assistiu Ricardo Horta que, com um remate rasteiro, de primeira, dilatou a vantagem.

O Desportivo das Aves ‘desapareceu’ no segundo tempo e só respondeu aos 75 minutos, com um remate perigoso de Mohammadi, mas seria o Braga a voltar a marcar, com Abel Ruiz a concluir uma boa jogada de envolvimento, com assistência de calcanhar de Paulinho, que fecharia o marcador, já nos descontos.

Em grande destaque, a ‘sociedade’ Ricardo Horta/Paulinho é responsável por 43 golos (21/22) dos bracarenses esta época, em todas as competições.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Municipal de Braga.

SC Braga – Desportivo das Aves, 4-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Rui Fonte, 49 minutos.

2-0, Ricardo Horta, 54.

3-0, Abel Ruiz, 83.

4-0, Paulinho, 90+3.

Equipas:

– SC Braga: Matheus, Diogo Viana (Fabiano, 46), Bruno Viana, David Carmo (Raul Silva, 74), Pedro Amador, Trincão, Palhinha, André Horta (João Novais, 87), Ricardo Horta (Sanca, 89), Rui Fonte (Abel Ruiz, 74) e Paulinho.

(Suplentes: Tiago Sá, Fabiano, Bruno Wilson, Raul Silva, Samuel, João Novais, Abel Ruiz, Sanca e Galeno).

Treinador: Artur Jorge.

– Desportivo das Aves: Aflalo, Bruno Morais, Diakhité, Mangas, Kevin Yamga (Kelvin Boateng, 84), Mohammadi, Estrela (Macedo, 69), Falcão, Afonso Figueiredo (Banjaqui, 69), Reko e Pedro Soares (Varela, 84).

(Suplentes: Fábio Szymonek, Ruben Oliveira, Jaílson, Kelvin Boateng, Banjaqui, Macedo, Buatu, Varela e Cláudio Tavares).

Treinador: Nuno Manta Santos.

Árbitro: Manuel Mota (Braga).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Mangas (52), Ricardo Horta (78).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Populares