Seguir o O MINHO

Região

Dias vão ficar maiores: domingo chega a hora de verão

em

Foto: DR/Arquivo

Portugal, à semelhança de toda a União Europeia, adianta os relógios na madrugada do próximo domingo, dia 25 de março.


Até final de outubro o sol volta a pôr-se mais tarde e os dias ficam aparentemente maiores. Na madrugada de sábado para domingo, os relógios adiantam 60 minutos, às 01:00, no continente, mantendo-se até 29 de outubro, durante 218 dias, cerca de sete meses.

No domingo, quando for 1:00 da manhã, deve adiantar o relógio 60 minutos.

Portugal passa a estar alinhado com o tempo universal (tempo médio de Greenwich, TMG).

Estar alinhado com o tempo universal significa que está no fuso horário 0 (igual ao do meridiano de Greenwich, que se convencionou usar como marcador para o tempo).

O Observatório Astronómico da Ajuda explica que a mudança da hora, com o objetivo de poupar energia, foi falada pela primeira vez há séculos (na altura para poupar velas) e um dos primeiros que a sugeriu foi o cientista, inventor e político americano Benjamim Franklin (1706-1790).

Em Portugal, em 1992, o Governo, então chefiado por Cavaco Silva, adotou o horário da Europa central, mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, o sol nascia muito tarde e, no verão, era de dia até depois das 22:00. A partir de 1996, o Governo chefiado por António Guterres voltou ao antigo método.

Desde 1996 que a mudança da hora acontece em todos os países da União Europeia, no mesmo momento, mas outros países que não fazem parte do grupo dos “28” escolheram seguir as mesmas normas.

Anúncio

Ave

Vespa construída com extintores usados inaugurada em Guimarães

‘European Vespa Days’

em

Foto: Vespa Clube de Guimarães / Facebook

É a recriação de uma mota Vespa, construída com extintores usados e está desde esta quinta-feira “numa das mais bonitas rotundas da cidade” de Guimarães.

A iniciativa é do Vespa Clube de Guimarães, cuja direção elaborou e concretizou a escultura, assinalando o que “seria um dia importante para o Vespismo nacional e mundial”.

Por estes dias, Guimarães acolheria o evento “European Vespa Days”, cancelado devido à pandemia de covid-19.

“A pandemia não nos deixou celebrar a diversidade, a amizade, a partilha com muitos que sentem uma paixão comum – a sua Vespa. Não podíamos por isso deixar passar esta data em claro”, refere o clube em comunicado, referindo que, este fim de semana, serão concluídas diversas iniciativas como forma de assinalar a data.

Entre outras iniciativas, o Vespa Clube de Guimarães vai inaugurar sua loja social.

Continuar a ler

Alto Minho

Caminha anuncia que festival Vilar de Mouros será transformado em ‘drive-in’

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara Municipal de Caminha anunciou, esta quinta-feira, a programação cultural de verão, que inclui um evento drive-in especial nas mesmas datas em que se realizaria o festival de Vilar de Mouros.

O festival, que contava no seu cartaz com artistas como Placebo ou Iggy Pop, foi cancelado devido à pandemia da Covid-19, à semelhança de muitos outros festivais de verão.

Prometendo mais detalhes para breve, o presidente da Câmara, Miguel Alves, adiantou que esteve evento, que decorrerá de 24 a 29 de agosto, será composto por concertos ao vivo, sessões de DJ, cinema, espetáculos para crianças e stand-up comedy, com horários repartidos pelo “final de tarde, noite e extra noite”.

Segundo a autarquia, o programa de verão apresentado é “arrojado” e adaptado às imposições da DGS, que pretende “resgatar a cultura para o nosso concelho e mostrar que o Concelho de Caminha é um Destino de Confiança.

“É um programa de excelência em tempos de covid. Nós não devemos ficar fechados em casa. Essa não é a solução neste momento. Nós temos de abrir as portas das nossas casas, abrir as portas das nossas lojas, dos nossos hotéis e abrir as nossas ruas. É isso que vamos fazer com a programação cultural. Lançar atividades, promover o nosso território, dar conteúdos às pessoas que vem visitar o nosso território e atrair as pessoas para aqui estarem dentro das condições da DGS”, acrescentou apontou Miguel Alves.

O presidente da Câmara sublinhou que “há eventos típicos do concelho de Caminha que acontecem no verão que são impossíveis de manter, como são os casos do Festival do Espadarte, Festival de Vilar de Mouros e festas e romarias”, acrescentando que “há outros que vão acontecer de forma diferente, o que permitirá manter acesa uma chama que nos levará para as próximas edições, são os casos do Artbeerfest e da Feira Medieval”.

Enfatizou ainda que as festas religiosas como a Romaria de São João d’Arga, Festa de Nossa Senhora da Bonança, Santa Rita de Cássia, São Bento, Nossa Senhora ao Pé da Cruz não se vão realizar com a dinâmica habitual, mas serão apoiadas as celebrações religiosas.

Miguel Alves destacou o dia 8 de julho, dia em que se assinala o 96º aniversário de elevação de Vila Praia de Âncora. O Município vai marcar a data com o espetáculo “Centenário de Amália Rodrigues”, com Pedro Miguel Nunes, Artur Caldeira e Daniel Paredes, que terá lugar no Cineteatro de Vila Praia de Âncora, pelas 21:30.

Outro dos eventos que vai decorrer de forma diferente é a Arte na Leira. Esta edição terá lugar de 20 de julho a 23 de agosto, na Casa do Marco, em Arga de Baixo, num formato mais reduzido.

A Feira Medieval vai ser lembrada no dia 24 de julho, Dia do Foral de Caminha, com a iniciativa Caminha Medieval “A organização do exército do rei em finais da Idade Média – algumas notas sobre o contributo de Caminha”, a cargo de Leandro Ribeiro Ferreira, investigador doutorado na Universidade do Porto e na Fundação para a Ciência e Tecnologia. No dia 25 de julho, Dia de Santiago, terá lugar uma caminhada com o historiador Joel Cleto.

Para além dos eventos acima referidos, o Programa Cultural Verão 2020 é composto por 10 projetos culturais com o mote de “resgatar o nosso quotidiano”.

Continuar a ler

Alto Minho

Meio milhão para apoiar envelhecimento ativo e combater exclusão social em Melgaço

Candidatura aprovada

em

Foto: Divulgação / CM Melgaço

A Câmara de Melgaço anunciou hoje que foi aprovada a candidatura ao Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social, com um financiamento superior a 500 mil euros, para apoio e promoção do envelhecimento ativo e combate à exclusão social.

O programa, que arranca este mês e terá a duração de três anos, tem como Entidade Coordenadora Local da Parceria o Centro Paroquial e Social de Chaviães, responsável pela coordenação administrativa e financeira do projeto.

De acordo com a autarquia, Melgaço foi caracterizado como território envelhecido e território fortemente atingido por calamidades.

O eixo de intervenção direcionado à terceira idade prevê o desenvolvimento de ações socioculturais que promovem o envelhecimento ativo e a autonomia das pessoas idosas, ações de combate à solidão e ao isolamento, bem como o desenvolvimento de projetos de voluntariado vocacionados para o trabalho com populações envelhecidas.

O eixo de intervenção direcionado aos territórios fortemente atingidos por calamidades contempla o desenvolvimento de ações de promoção da auto-organização dos habitantes do território.

Prevê ainda a criação/revitalização de associações, designadamente de moradores, temáticas ou juvenis, através de estímulo aos grupos alvo, de acompanhamento de técnicos facilitadores das iniciativas, e da disponibilização de espaços para guarda de material de desgaste e de apoio e o desenvolvimento de instrumentos facilitadores do acesso das pessoas a serviços públicos de utilidade pública, a nível local, reduzindo o isolamento e a exclusão social.

O programa CLDS-4G tem como objetivo promover a inclusão social de grupos populacionais que revelem maiores níveis de fragilidade social num determinado território, constituindo-se como um instrumento de combate à exclusão social fortemente marcado por uma intervenção de proximidade realizada em parceria.

O CLDS-4G é financiado por fundos estruturais em conformidade com a legislação nacional e europeia aplicável, designadamente pelo Fundo Social Europeu (FSE).

A comparticipação pública da despesa total elegível é repartida pelo Fundo Social Europeu (85%) e pela Contribuição Pública Nacional (15%).

Continuar a ler

Populares