Seguir o O MINHO

Ave

Detido por tráfico de droga em Fafe

Suspeito de 26 anos

em

Foto: Divulgação / GNR

O Comando Territorial de Braga, através do Destacamento Territorial de Fafe, deteve no dia 25 de outubro, um homem de 26 anos, por tráfico de estupefacientes, no concelho de Fafe.

No âmbito de uma operação de combate à criminalidade, consumo e tráfico de estupefacientes, os militares incidiram a fiscalização em zonas de diversão noturna, tendo abordado um grupo de jovens e detetado 20 doses de canábis na posse de um dos indivíduos, que acabou por ser detido. Ainda durante a abordagem, foi constituído arguido, outro homem de 22 anos, suspeito de ter atirado 28 doses da mesma substância para o chão. No decorrer da ação, foram elaborados 19 autos de contraordenação por consumo de droga, destacando-se a apreensão de 382 doses de canábis.

O detido foi constituído arguido e os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão.

Anúncio

Famalicão

Famalicão sem copos de plástico no Carnaval

Uma colaboração da autarquia com a associação comercial e industrial famalicense

em

Foto: DR

A Câmara de Famalicão, em cooperação com a Associação Comercial e Industrial Famalicense, criaram uma iniciativa para redução do uso de copos de plástico por parte dos bares e cafés da cidade, durante a festa de Carnaval que se aproxima, anunciou a página de Facebook do município.

A ter lugar na noite de 24 para 25 de fevereiro, esta noite é uma das mais atrativas de Famalicão onde todos os anos se contam milhares de foliões vindos de vários pontos da zona norte de Portugal.

Este ano, à parte dos disfarces e boa disposição habitual desta data, é esperada uma banda para ajudar as festividades.

Todas as freguesias famalicenses terão um serviço de autocarros, proporcionado pela autarquia, disponível para esta noite.

Continuar a ler

Famalicão

Leica apresenta primeiro produto totalmente desenvolvido e construído em Famalicão

Na unidade sediada em Lousado

em

Foto: Divulgação/CM Famalicão

A Câmara Municipal de Famalicão anunciou esta quarta-feira que, pela primeira vez, a Leica, mítica marca de máquinas fotográficas, vai apresentar o primeiro produto totalmente desenvolvido e construído na unidade sediada em Lousado.

Durante muitos anos a unidade portuguesa da Leica foi exclusivamente um centro produtivo, mas recentemente a administração portuguesa da empresa reuniu argumentos para convencer a casa-mãe alemã a fazer a evolução da unidade sediada em Lousado para um Centro de Competências e Serviços, que representa uma aposta de confiança da administração da Leica no “made In Portugal”.

Este reconhecimento pelo conhecimento e saber-fazer adquirido em Famalicão está também visível na decisão da transferência para Portugal do Centro de Reparação Leica de Produtos da área SPORTOPTICS que, pela primeira vez em 171 anos de existência, sai de território alemão.

Os novos desafios da Leica em Portugal e a apresentação do primeiro produto Leica totalmente desenvolvido e construído em Famalicão são o foco do Roteiro pela Inovação de Vila Nova de Famalicão decorrem esta sexta-feira.

Continuar a ler

Guimarães

Tribunal da Relação de Guimarães reduz pena aplicada a homem que matou jovem em Valpaços

De 25 para 22 anos

em

Foto: DR/Arquivo

O Tribunal da Relação de Guimarães reduziu de 25 para 22 anos de cadeia a pena aplicada a um homem condenado por matar um jovem, em Valpaços, e por mais três tentativas de homicídio.

O tribunal de primeira instância de Vila Real condenou, em maio de 2019, o arguido a 25 anos de cadeia, em cúmulo jurídico, por ter disparado mortalmente contra um estudante de 22 anos, a 15 de abril de 2018, e ainda por mais três crimes de homicídio na forma tentada, detenção de arma proibida e dano.

Após recurso, o Tribunal da Relação de Guimarães julgou “parcialmente procedente o recurso interposto pelo arguido e alterou a qualificação jurídica dos factos de crimes de homicídio qualificado (um na forma consumada e três na forma tentada) para crimes de homicídio simples”.

Segundo nota publicada na página da internet da Procuradoria-Geral Distrital do Porto, em consequência “dessa alteração da qualificação jurídica, as penas concretas aplicadas aos crimes foram diminuídas”.

Assim, em cúmulo jurídico o Tribunal da Relação condenou o arguido a uma pena única de 22 anos de prisão.

O homem não apresentou recurso pelas penas aplicadas pela prática de um crime de detenção de arma proibida e dois crimes de dano.

O arguido, de 28 anos, foi condenado por, na madrugada do dia 15 de abril de 2018, num bar em Valpaços e nas suas imediações, na sequência de uma altercação, ter efetuado disparos com uma pistola na direção de quatro pessoas, atingindo três delas, tendo uma vindo a morrer por causa dos ferimentos sofridos.

O arguido disparou ainda contra um automóvel e montras de estabelecimentos comerciais.

Na primeira sessão do julgamento, no dia 10 de dezembro de 2018, o arguido disse ao coletivo de juízes de Vila Real que os disparos que mataram o jovem “não foram intencionais” e ocorreram durante “uma tentativa de recuperar a arma”.

Na leitura do acórdão, na primeira instância, o presidente do coletivo de juízes considerou que o que se passou foi “arrepiantemente chocante” e que, por isso, o tribunal tem que dar o exemplo.

Na sua opinião, o que o arguido fez naquela noite é “intolerável” e “inaceitável”, porque agiu “sem motivo”.

O magistrado considerou que a atitude da vítima mortal, que ainda chegou a desarmar o arguido, “foi heroica”.

Depois do crime, o arguido pôs-se em fuga e foi detido cerca de um mês depois, na Figueira da Foz, pela Polícia Judiciária (PJ) de Vila Real.

Continuar a ler

Populares