Seguir o O MINHO

Alto Minho

Detido pela PJ jovem suspeito de atear dois incêndios em Ponte de Lima

Em Vilar das Almas

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um jovem por suspeita de ter ateado dois incêndios florestais na semana passada em Vilar das Almas, concelho de Ponte de Lima, anunciou hoje aquela força policial.

O detido, de 24 anos, “desempregado e residente numa freguesia vizinha do local onde ocorreu o incêndio, terá atuado com recurso a isqueiro e será hoje presente à autoridade judiciária competente, para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas”, refere a PJ, em comunicado.

A PJ de Braga adiantou que “os dois incêndios florestais, ocorridos no dia 18, cerca das 20:30, consumiram uma área florestal constituída por eucaliptos, pinheiros e mato”.

Segundo aquela força policial, o fogo “não atingiu outras proporções devido à pronta intervenção dos bombeiros e de elementos da GNR de São Julião de Freixo, que extinguiram o incêndio e evitaram a propagação”.

Anúncio

Alto Minho

Branda em Monção vai ter plano de salvaguarda de Santo dentro de sete meses

Santo António de Vale de Poldros

em

Foto: DR

Preservar o património “ancestral” da branda de Santo António de Vale de Poldros, em Riba de Mouro, Monção, é o objetivo do Plano de Pormenor de Salvaguarda a concluir nos próximos sete meses, informou hoje a Câmara local.

Uma branda ou inverneira é constituída por cardenhas, construções rudimentares feitas em granito e xisto que formam um conjunto ímpar não só pela sua tipicidade, como também por serem de fácil acesso.

EXECUTIVO APROVA ELABORAÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE SALVAGUARDA DE SANTO ANTÓNIO DE VALE DE POLDROSSanto António de…

Publicado por Município de Monção em Terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

As cardenhas eram os abrigos dos brandeiros, pastores e agricultores que cumpriam a chamada transumância. Permaneciam naquelas casas rústicas de abril a setembro, para retirar partido de melhores pastos. Regressavam à aldeia quando as chuvas e ventos agrestes prenunciavam o fim de mais um ciclo.

A branda de Santo António de Vale de Poldros, situada na aldeia de Riba de Mouro, no concelho de Monção, distrito de Viana do Castelo, está localizada a cerca de 1.200 metros de altitude, na serra da Peneda, à entrada do Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG).

Em comunicado, hoje, a Câmara de Monção explicou que o plano de salvaguarda a elaborar para aquela área, irá “obedecer a nove etapas de desenvolvimento nos próximos sete meses, e pretende preservar os valores patrimoniais e culturais daquela área, maximizando as sinergias e potencialidades e minimizando os impactos negativos”.

O documento, cuja elaboração foi aprovada na última reunião descentralizada do executivo de maioria social-democrata, realizada na freguesia de Parada, “preconiza a conservação e valorização de todos os edifícios e espaços públicos, visando a preservação da área intervencionada”.

O documento visa ainda “definir as condicionantes formais e funcionais dos futuros projetos urbanísticos naquela zona protegida, cuja extensão abrange 16 hectares”.

“Santo António de Vale de Poldros é um espaço de memória com enorme potencial cultural e turístico. O plano de pormenor vai criar um conjunto de regras precisas, cujo objetivo incide na preservação e valorização deste habitat natural com uma beleza estonteante”, afirmou o presidente da Câmara, António Barbosa, citado naquela nota.

Segundo o autarca social-democrata, “nos últimos anos, o local tem conhecido algumas intervenções ao nível dos caminhos e sinalética”.

Com o novo documento, “estarão criadas as condições para prevenir eventuais impactos negativos e projetar uma estratégia equilibrada e sustentada”, reforçou.

A branda de Santo António de Vale de Poldros, está “ergue-se sobranceira ao rio Vez, proporcionando fantásticas panorâmicas sobre toda a região”.

Além da sua importância do conjunto arquitetónico o património cultural e social é outra das apostas do plano de salvaguarda daquela zona que “desempenha um papel relevante como motor de desenvolvimento económico e turístico”.

Em Vale do Poldros, lugar de Riba de Mouro, venera-se, em meados de junho, o Santo António. Nesta data, centenas de peregrinos sobem às brandas para venerar o padroeiro.

Além da componente religiosa, o programa da romaria incluiu encontro de tocadores de concertina, encontro de rusgas, corridas de cavalos entre outros números.

A festividade é muito participada pela população local e dos concelhos vizinhos de Melgaço e Arcos de Valdevez. Os “habitantes mais antigos de Riba de Mouro contam que, noutros tempos, quem não arranjasse namorado/a na festa, ficaria sem namorar durante todo o verão”.

Continuar a ler

Alto Minho

Quintas de Melgaço Alvarinho 2019 premiado com “medalha de ouro” no Japão

Sakura Japan Women’s Wine Awards

em

Foto: Divulgação / Ilustrativa

O vinho Quintas de Melgaço Alvarinho 2019 foi distinguido com Medalha de Ouro na sétima edição do concurso Sakura Japan Women’s Wine Awards, no Japão, competição vínica que tem a particularidade de o júri ser composto exclusivamente por mulheres especialistas.

Na prova cega, que decorreu em janeiro, em Tóquio, foram avaliados mais de quatro mil vinhos, provenientes de 29 países.

Imagem: Facebook de Quintas de Melgaço

Para além daquele vinho alvarinho de Melgaço, foram premiados outros 36 produtores portugueses.

Cerca de metade dos vinhos participantes recebeu distinções, tendo sido atribuídas 256 medalhas de duplo ouro, 957 de ouro e 836 de prata.

Os vinhos premiados estarão em exposição na feira Foodex Japan, certame no qual serão entregues aos premiados, a 10 de março, as respetivas medalhas.

 

 

 

 

Continuar a ler

Alto Minho

Pensão centenária no centro de Viana transformada em apartamentos

Casa Guerreiro abriu portas em 1922. Está fechada há mais de dez

em

Foto: Blogue "Olhar Viana do Castelo" / Arquivo (redimensionada)

Uma pensão centenária no centro de Viana do Castelo, encerrada há mais de uma década, vai ser reabilitada e transformada em nove apartamentos no âmbito de um investimento privado, disse hoje o presidente da Câmara.

A Casa Guerreiro abriu portas em 1922, na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, a principal artéria de Viana do Castelo construída entre 1917 e 1920.

A antiga pensão ocupa os dois pisos superiores do imóvel. Já no rés-do-chão estão instalados uma loja de produtos regionais e o Café Guerreiro, com alvará atribuído em 1943.

Contactado pela agência Lusa, o autarca socialista, José Maria Costa, disse tratar-se de um edifício que faz parte da “memória coletiva” da cidade, mas destacou “o projeto de reabilitação, num investimento de mais de meio milhão de euros”.

“A parte superior do edifício não tinha utilização há muito tempo. Com este projeto vai ganhar uma função residencial que valorizará o centro histórico”, disse o autarca socialista.

Segundo José Maria Costa, o novo projeto “vai ao encontro da estratégia de reabilitação urbana do centro histórico que o município tem vindo a desenvolver”.

O autarca realçou “a oferta habitacional que criará no centro histórico”, acrescentando que “a falta de alojamento destinado a jovens casais ou estudantes é uma das carências” do centro histórico da capital do Alto Minho.

“Há muito dificuldade (…) e, nesse sentido, é muito importante a função residencial que o edifício irá ganhar com este projeto. É um imóvel que faz parte da memória coletiva e que esta requalificação valorizará o centro histórico”, referiu.

À Lusa, o vereador do Planeamento, Gestão Urbanística, Desenvolvimento Económico, Mobilidade e Coesão Territorial, Luís Nobre, adiantou que o processo de licenciamento que deu entrada na autarquia está relacionado com a reabilitação do edifício e a sua transformação em 12 unidades funcionais”.

Ao nível do rés-do-chão, “o projeto prevê um estabelecimento de restauração e bebidas, duas unidades de comércio ou serviços”.

Na parte superior do imóvel “serão criadas nove unidades habitacionais de diferentes tipologias (dois T0, quatro T1, dois T2 e um T3)”.

Luís Nobre adiantou que o alvará de construção atribuído à sociedade Jomafema – Imobiliária é válido até novembro de 2023.

Os promotores “já têm licença de obras que deverão arrancar a breve prazo”, concluiu o vereador.

O início da intervenção marca o encerramento do Café Guerreiro a funcionar há 77 anos na principal rua da capital do Alto Minho.

Samuel Matos começou a trabalhar no café como empregado, em 1970, tinha 15 anos. Hoje, aos 65 anos, não escondeu a “amargura de deixar os clientes que tem como amigos de toda uma vida”.

“É com muita amargura que tenho de os deixar. Tinha aqui uma família. São mais de 14 horas por dia aqui, há 50 anos. São mil e uma recordações, muitas histórias de alegrias e tristezas”, disse o empresário em declarações à agência Lusa.

Em 1984, o espaço ficou com passe do estabelecimento conhecido “em todo o lado” pela sangria “especial”, receita “com 36 anos” que não divulga. As tostas à Guerreiro, os cachorros, as bifanas ou as moelas são outros dos pratos fortes do café.

Há dois anos, Samuel foi abordado pelo promotor do novo projeto e hoje não poupou críticas à forma como foi conduzido o processo de saída.

“Só me deram metade do valor das obras que fiz no café. Gastei aqui 75 mil euros. Além disso dão-me o valor de dois anos de rendas. É inadmissível. A lei do arrendamento não é justa porque não protege os inquilinos da mesma forma que os senhorios. Põe-me na rua com uma mão à frente e outra atrás”, lamentou.

O Café Guerreiro vai fechar portas na quinta-feira. Nas redes sociais os clientes mobilizam-se para uma festa de despedida que Samuel Matos não tem dúvidas que terá “muitas lágrimas”.

Continuar a ler

Populares