Descobertas ferramentas com mais de 250 mil anos em Esposende

No Canal Intercetor
Foto: CM Esposende

Artefactos líticos talhados (ferramentas de pedra lascada), atribuídos ao denominado tecno-complexo Acheulense, têm sido descobertos, durante as escavações arqueológicas em curso no Canal Intercetor de Esposende, fazendo recuar a ocupação humana no território de Esposende a 250/300 mil anos, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a autarquia salienta que “estes trabalhos dão continuidade à investigação iniciada em 2022, com sondagens que continuaram em 2023 e que encerram grande relevância científica, por reportarem a uma etapa da nossa história evolutiva que ainda estava pouco documentada, não só na área do concelho, como também nas regiões adjacentes”.

Deste modo, salienta a Câmara, “tudo aponta para que a jazida paleolítica do Canal Intercetor de Esposende possa ser considerada uma das mais relevantes do Litoral Norte do País”.

De acordo com a mesma fonte, os dados obtidos sugerem que os artefactos terão sido produzidos numa antiga praia, que se encontra a cerca de um quilómetro da atual linha da costa e a 13 metros acima do nível do mar. “Tal facto testemunha os sucessivos avanços e recuos do oceano e a impercetível subida do continente, durante uma época da história da Terra denominada Pleistocénico (de 2,6 milhões de anos a 10 mil anos)”, vinca o comunicado.

Os trabalhos arqueológicos, realizados com o apoio das equipas técnicas do Serviço de Património Cultural e de Topografia do Município de Esposende (codirigidos pela arqueóloga da Autarquia), são coordenados por Sérgio Monteiro-Rodrigues, do Departamento de Ciências e Técnicas do Património, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e contam com a participação de estudantes de licenciatura e de mestrado desta mesma instituição.

A colaboração científica estende-se igualmente a Alberto Gomes (Geomorfologia – FLUP) e a Ricardo Carvalhido (Geólogo – IPVC e Coordenador Científico do Geoparque Litoral Viana do Castelo).

Nos dias 05 e 24 de julho, o Centro Interpretativo de S. Lourenço promove a iniciativa “Let’s Rock no Canal!”, um workshop de talhe lítico, sob orientação de Sérgio Monteiro-Rodrigues, destinado a jovens com idade superior a 12 anos, cuja participação é gratuita, mas com inscrição obrigatória.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Mulher detida em Famalicão por explorar máquinas de jogo só permitidas em casinos

Próximo Artigo

Esta freguesia de Braga quer ser vila

Artigos Relacionados
x