Seguir o O MINHO

Ave

Descarga de ETAR de Famalicão ‘mancha’ rio Ave. Empresa justifica com fraco caudal

Tratave garante que cumpre todas as obrigações

em

Um vídeo partilhado nas redes sociais mostra uma descarga da ETAR de Agra, em Fradelos, Famalicão, para o rio Ave, que ‘mancha’ o leito de uma cor acastanhada e cria espuma na água.

Segundo relato de um utilizador que partilhou o vídeo, filmado no passado sábado, também se sentia cheiro de águas residuais naquela zona e aquele cenário repete-se nas últimas semanas.

Questionado por O MINHO, a Tratave, entidade gestora do Sistema Integrado de Despoluição do Vale do Ave, garante que a água tratada cumpre todos os requisitos e que a situação verifica-se devido “às características das águas” tratadas naquela ETAR e ao facto de o caudal estar reduzido, o que não permite a melhor diluição da água tratada no rio.

A Tratave explica que a ETAR de Agra “foi concebida para tratar águas residuais provenientes de uma área com forte implantação industrial e veio resolver um problema ambiental grave associado a descargas de efluentes não tratados que anteriormente se verificavam no rio Ave. Trata-se de uma instalação de referência nacional, com um esquema de tratamento que utiliza as tecnologias mais recentes e que possui um elevado desempenho”.

Posto isto, a empresa garante que “a água tratada cumpre integralmente, e em permanência, o Título de Utilização de Recursos Hídricos emitido pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente”.

“O acompanhamento do desempenho da ETAR é efetuado através da monitorização contínua da qualidade da água tratada que é descarregada no meio hídrico recetor – rio Ave”, acrescenta.

Relativamente à descarga filmada, a Tratave explica que a situação se deve “principalmente às características das águas residuais que são tratadas nesta ETAR e, simultaneamente, ao facto de o rio Ave possuir atualmente um caudal muito reduzido, não sendo assim possível uma melhor diluição da água tratada no meio recetor de modo a evitar a coloração da água”.

Questionado por O MINHO se esta situação se reveste de gravidade para o ambiente, a Tratave responde que “não, dado que a ETAR de Agra cumpre integral e escrupulosamente os valores limite de emissão estabelecidos no Título de Utilização de Recursos Hídricos emitido pela Agência Portuguesa do Ambiente”.

A Tratave é, desde 25 de setembro de 1998, quando foi assinado o “Contrato de Exploração e Gestão do SIDVA”, a TRATAVE – Tratamento de Águas Residuais do Ave, S.A., a entidade gestora do Sistema Integrado de Despoluição do Vale do Ave (SIDVA) por 25 anos.

Ou seja, é a empresa responsável, na “respetiva área de intervenção” – que abrange os municípios de Guimarães, Santo Tirso, Trofa, Vila Nova de Famalicão e Vizela -, pela “exploração e a gestão, em regime de exclusividade, do Serviço Público de drenagem, depuração e destino final das águas residuais materializado pelo SIDVA”.

Populares