Seguir o O MINHO

Futebol

Derrota na Madeira e ‘final’ de campeonato – SC Braga 2018/2019: 4.º classificado

32.ª jornada da I Liga

em

O SC Braga perdeu hoje, por 1-0, no terreno do Marítimo, em jogo da 32.ª jornada da I Liga, e ficou arredado da luta pelo terceiro lugar.


O Marítimo, que jogou com menos um elemento desde os 38 minutos, assegurou hoje definitivamente a manutenção na I Liga de futebol.

A expulsão, por cartão vermelho direto, de Getterson acabou por não ter influência no resultado final, já que Rodrigo Pinho, aos 82, anotou o golo do triunfo da sua equipa, jogador que representou a equipa bracarense nas temporadas de 2015/16 e 2016/17.

Além de ter assegurado em definitivo a permanência, o conjunto de Petit somou a quinta vitória consecutiva em casa, prestação que foi decisiva para a questão da permanência.

Do outro lado, o SC Braga perdeu no terreno do Marítimo por 1-0 pela terceira temporada consecutiva em jogos para o campeonato, tendo somado a quarta derrota nos últimos sete jogos. Os bracarenses ficaram desde já afastados da luta pelo terceiro posto, que mantinham com o Sporting, conjunto que apenas podem igualar e que tem vantagem no confronto direto.

A formação ‘arsenalista’ tomou a iniciativa do jogo, embora com algumas dificuldades na resolução dos lances, o melhor dos quais um remate de Fransérgio, antigo jogador ‘verde rubro’, aos oito minutos.

O Marítimo susteve a pressão inicial e foi crescendo na partida, chegando até a fazer recuar o Braga para o seu meio-campo, mas, num curto de espaço de tempo, sofreu duas contrariedades.

Aos 32 minutos, o capitão Edgar Costa saiu lesionado, com queixas na coxa direita, e, aos 38, Getterson recebeu ordem de expulsão, por entrada faltosa sobre Pablo, lance analisado com videoárbitro, após um cartão amarelo inicial.

Aproveitou o conjunto bracarense, que passou a controlar as ações do encontro, e podia ter chegado ao intervalo em vantagem, com tentativas de Wilson Eduardo (44 minutos) e de Paulinho (45+3), ambas travadas por Charles.

4.º lugar: “É lógico que nos sabe a pouco”

A jogar em superioridade numérica, Abel Ferreira arriscou na segunda parte, ao reforçar o setor mais avançado com as entradas de Murilo e Ricardo Horta, em detrimento dos defesas Marcelo Goiano e Pablo.

Ainda assim, continuaram bem visíveis os problemas na definição do último passe ou no momento da finalização, já que a oportunidade mais flagrante surgiu por acidente, num cruzamento de Sequeira, aos 51 minutos, que esteve à beira de golo, valendo uma grande intervenção de Charles.

O Marítimo foi procurando explorar as costas do adversário, através de lances de contra-ataque, e Nanu teve uma boa oportunidade, mas acabou com um remate fraco, à passagem do minuto 60.

O golo dos insulares surgiu aos 82 minutos. Começou numa interceção de Zainadine, que se transformou num passe para Rodrigo Pinho, que ganhou a disputa com Palhinha, isolou-se e bateu Tiago Sá à saída deste.

No final, jogadores e adeptos maritimistas festejaram a permanência no principal escalão do futebol português.

Ficha de Jogo

Jogo realizado no Estádio do Marítimo, no Funchal.

Marítimo – SC Braga, 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

1-0, Rodrigo Pinho, 82 minutos.

Equipas:

– Marítimo: Charles, Nanu, Zainadine, Douglas Grolli, Fábio China, René Santos, Fabrício (Bebeto, 84), Vukovic, Edgar Costa (Barrera, 32), Getterson e Joel (Rodrigo Pinho, 60).

(Suplentes: Amir, Bebeto, Lucas Áfrico, Jean Cléber, Pelágio, Barrera e Rodrigo Pinho).

Treinador: Petit.

– SC Braga: Tiago Sá, Marcelo Goiano (Ricardo Horta, 64), Bruno Viana, Pablo (Murilo, 57), Sequeira, Claudemir, Palhinha, Fransérgio (João Novais, 78), Wilson Eduardo, Paulinho e Dyego Sousa.

(Suplentes: Matheus, Murilo, Ryller, João Novais, Trincão, Xadas e Ricardo Horta).

Treinador: Abel Ferreira.

Árbitro: Manuel Oliveira (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Fransérgio (75). Cartão vermelho direto para Getterson (38).

Assistência: Cerca de 6.500 espetadores.

 

Notícia atualizada às 18h53.

Anúncio

Futebol

CMVM levanta suspensão das ações da Benfica SAD

Operação ‘saco azul’

em

Foto: DR / Arquivo

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários levantou a suspensão das negociações de ações da Benfica SAD, suspensas desde terça-feira, quando foi divulgado que o presidente do clube e a SAD tinham sido constituídos arguidos por fraude fiscal.

Na nota hoje divulgada no ‘site’, a CMVM explica que decidiu levantar a “suspensão da negociação das ações Sport Lisboa e Benfica – Futebol SAD e outros instrumentos relacionados, na sequência da divulgação de informação relevante”.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República confirmou a constituição de três arguidos, uma pessoa singular e duas coletivas, por fraude fiscal, no âmbito da operação ‘saco azul’, que envolve o Benfica.

Continuar a ler

Futebol

“Neste momento, não olhamos a ‘ses’”

Vítor Oliveira

em

Foto: DR

Declarações após o jogo Gil Vicente-Tondela (3-2), da 32.ª jornada da I Liga de futebol, disputado na terça-feira no Estádio Cidade de Barcelos, em Barcelos.

Vítor Oliveira (treinador do Gil Vicente): “A vitória foi justa, difícil e até podíamos ter sido penalizados no final. Tivemos 60 minutos de muita qualidade, mas depois esquecemo-nos de um aspeto fundamental: o futebol é um jogo coletivo.

Quando começámos a individualizar e a pensar mais com o umbigo do que com a cabeça, pusemo-nos a jeito. O mais importante era a seriedade que tinha de haver nestes jogos, porque está muita coisa envolvida para as equipas que lutam pela manutenção.

Nos últimos 25 minutos, não encarámos o jogo com a seriedade que seria exigida à nossa equipa, que chegou onde chegou porque mostrou sempre um grande sentido coletivo. Quando isso não aconteceu, demos barraca e mostrámos que somos fracos.

Vamos conversar sobre isso. Depois de 70 minutos de muito bom nível, em que fizemos três golos e até podíamos ter feito mais, acabámos com o credo na mão. Não nos entendemos, corremos disparatadamente sem nexo e o Tondela podia ter empatado.

Neste momento, não olhamos a ‘ses’. As coisas têm de ser como são e ganha quem marca mais golos. O Tondela entrou pressionado pela posição que ocupa na tabela, cometeu muitos erros, mas, se viesse cá tranquilo, também os cometeria”.

Gil Vicente volta a vencer e sobe ao nono lugar

Natxo González (treinador do Tondela): “Se demos uma hora de avanço? É verdade. O Gil Vicente foi muito superior no primeiro tempo. Mostrou ser uma equipa tranquila, feliz com o seu próprio jogo, com dinâmicas muito boas e sem qualquer responsabilidade.

O Tondela tinha muita necessidade de pontuar e não geriu isso muito bem. Pelo contrário, esteve com medo e o jogo desenrolou-se nesta toada até ao 3-0. Depois, veio ao de cima o orgulho, mas que não pode servir de consolo. Estamos todos muito dececionados.

Quando sentes que está tudo perdido e estás com o orgulho ferido, adotas outra atitude e arriscas mais nos duelos. Só que tínhamos de fazer isto desde o início e não apenas quando estávamos a perder. Precisamos de somar pontos e desta forma é impossível.

Esta situação é inquietante, mas, vendo a evolução da equipa, não me surpreende. Temos um objetivo difícil e estimulante pela frente. Há dois jogos decisivos e temos de somar pontos. Temos de pensar positivo, ainda que seja melhor não dizer o que sinto por dentro.

[Estreias absolutas de Jota e Telmo Arcanjo] É um prémio. Do que estava a ver no relvado, pior não iam fazer do que outros companheiros com maior trajetória no futebol. É um bom exemplo, pode ser decisivo para encarar o futuro e tenho de felicitá-los”.

Continuar a ler

Futebol

“O Vitória fez o suficiente para fazer um ou dois golos”

31.ª jornada

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações dos treinadores após o jogo Benfica – Vitória SC (2-0), da 32.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

Ivo Vieira (treinador do Vitória SC): “Aquilo que o Vitória fez na primeira parte, as oportunidades que teve… Tivemos dois golos e o Benfica marcou um. Na segunda parte, o Benfica entrou a controlar, nos primeiros 15 ou 20 minutos, depois conseguimos equilibrar. O Benfica voltou a ser eficaz. O Vitória fez o suficiente para fazer um ou dois golos.

O jogo tem vários momentos. Gosto que a minha equipa tenha mais bola, mas muitas vezes, consoante o adversário, temos de jogar em transição e, noutros momentos, o ataque organizado. Jogar em contra-ataque, como o Benfica nos obrigou a recuar as linhas, foi uma das coisas que tivemos de fazer hoje.

Há sempre uma réstia de esperança, mas temos de ser conscientes. É muito difícil conseguirmos o quinto lugar [acesso à Liga Europa]. É um objetivo que não conseguimos. Assumo essa responsabilidade. Outro que falhámos foi a Taça de Portugal. Mas conseguimos chegar à ‘final-four’ da Taça da Liga e fizemos uma boa campanha na Liga Europa”.

Nelson Veríssimo (treinador do Benfica): “Foi um jogo difícil. Como estávamos à espera. Sabíamos que em alguns momentos iria ser um jogo equilibrado, onde sentimos dificuldades em algumas saídas. Em alguns momentos da segunda parte, estivemos em cima do jogo. Acabámos por fazer um bom jogo mais pela segunda parte. A primeira foi mais dividida.

Temos um plantel recheado de bons jogadores, muito competitivo. Hoje, Florentino teve a oportunidade de entrar. Todos os jogadores estão à procura de entrar. Houve outros jogadores que ficaram no banco e que também têm qualidade.

O trabalho psicológico é muito simples. É olhar para o que falta do campeonato e estabelecer objetivos. Não vi no passado e agora necessidade em motivá-los. Eles sabem o clube que representam e o que isso significa. Sinceramente, não sinto os jogadores desgastados. Sinto, sim, a falta dos nossos adeptos tanto em casa como fora.

Foi necessário tirar o Weigl fruto do momento do jogo. Senti que era necessário sair. Temos jogadores que têm qualidade para entrar e dar uma resposta positiva. Foi isso que aconteceu.

Hoje estava a torcer para ganhar a Vitória de Guimarães. Amanhã [hoje] vou ver o jogo [FC Porto – Sporting] pelo jogo, como alguém que gosta de futebol e o resultado será o que for.

Enquanto matematicamente for possível, acreditamos que seja possível ser campeão. A única coisa que podemos controlar é o nosso jogo. E o resto não depende de nós. É no jogo que tem de estar o nosso foco.

Quero dedicar esta vitória ao nosso presidente e nome de todo o grupo de trabalho”.

Continuar a ler

Populares