Seguir o O MINHO

Braga

Daniela, a profissional em busca de história no Bombeiro de Elite em Braga

Aos 21 anos, bombeira é uma das duas primeiras mulheres a integrar os Sapadores de Braga, em 220 anos de história. É uma dos 800 participantes que vão subir os 566 degraus do escadório do Bom Jesus, já este sábado

em

Foto: DR

O pai de Daniela Viana é bombeiro há 30 anos nos Voluntários de Braga. A pequena Daniela absorveu o gosto pela profissão nas viagens que fazia ao quartel. Agora, aos 21 anos, tornou-se numa das duas primeiras mulheres a integrar o corpo de Sapadores Bombeiros de Braga em 220 anos de história (ambas a 8 de junho passado, o juramento de bandeira e o aniversário da companhia), depois de um ano de recruta. Este sábado, vai perseguir mais um pedaço de história na 3.ª edição do Bombeiro de Elite, a subida cronometrada dos 566 degraus do escadório do Bom Jesus que se tornou numa das maiores provas internacionais. São 800 participantes, o dobro de 2018 e quase oito vezes mais do que no ano de estreia.


“Sempre gostei de competições e entrei em algumas de provas de corta-mato”, diz a O MINHO Daniela Viana, natural de Braga. “Tenho a oportunidade de representar a minha companhia e é um orgulho estar entre as 100 e tal mulheres que vão disputar o Bombeiro de Elite”, apregoa.

O Bombeiro de Elite é uma das quatro provas que se realizam em Portugal.

Foto: Divulgação

“Há o Bombeiro de Ferro, que já vai em seis ou sete edições, que conta com cerca de 120 participantes da Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto. O Firefighter – Tower Run, na torre da RTP em Vila Nova de Gaia, o Monte da Virgem, que não costuma ter 100 inscritos. E o Superbombeiro, organizado em Sete Rios, Lisboa, mas que não se realizou em 2018 e este ano”, explica o organizador, e também participante, Ricardo Fernandes, que é profissional na Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga e secretário regional do Norte da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais.

“Braga tinha um diamante por lapidar, porque não havia nenhuma prova em ambiente natural. Em 2017, lancei o evento em mês e meio. Igualámos o Bombeiro de Ferro em número de participantes no primeiro ano e, em 2018, crescemos para 468 atletas. Este ano, tivemos de fechar as inscrições a 30 de Agosto, porque decidimos que 800 é o número que faz sentido nesta fase do Bombeiro de Elite. Queremos crescer de forma sustentada e com qualidade”, contextualiza o participante – simbolicamente – número 800 do Bombeiro de Elite 2019. A grande novidade deste ano é que, pela primeira vez em Portugal neste tipo de provas, os concorrentes usarão um chip que controlará electronicamente os tempos, garantindo maior transparência numa competição em que cada segundo pode ser fundamental – o recorde pertence a Paulo Santos, campeão absoluto nas duas edições anteriores e com o recorde de 5m44s estabelecido o ano passado, dez segundos mais rápido do que o então 2.º classificado, o polaco Mateusz Drozda.

Presidente envia representante

A terceira edição conquistou o interesse de mais bombeiros e de mais países. “Vêm de muitos países, como Espanha, França, Croácia, Ucrânia ou Brasil. Mais de 120 são mulheres e a dias da competição continuamos a receber pedidos de inscrição. Estamos muito orgulhosos do que conseguimos, sabendo que podemos ainda fazer mais e melhor. E sem pedir um cêntimo ao município, que nos ajuda logisticamente, como com o transporte dos participantes”, acrescenta Ricardo Fernandes.

Foto: O MINHO (2018)

O bombeiro e atleta sublinha que com um orçamento de cerca de 15 mil euros suportado exclusivamente por patrocinadores, o Bombeiro de Elite gera impacto na economia de Braga e da região.

“Mais de 100 participantes vêm instalar-se na hotelaria, o que rende milhares de euros, além do dinheiro que deixarão noutras actividades, uma vez que alguns deles estão cá cinco a seis dias. A importância deste evento foi reconhecida pelo Presidente da República que, não podendo estar presente por se encontrar nas Nações Unidas, enviará uma mensagem através de um representante da Presidência, que estará no evento”, traduz o organizador.

Contra o tempo, pelos bombeiros

Daniela Viana participa pela segunda vez, mas a primeira como bombeira profissional – em 2018 era recruta e ficou em 2.º lugar no escalão feminino de menos de 25 anos, com 9m48s, atrás da polaca Kinga Kula (8m47s, não muito longe do recorde feminino de 8m24s na posse da compatriota Sylwia Herman, obtido em 2018 no escalão B – 25 aos 29 anos).

“Fiz os escadórios em maio. Na altura consegui 9 minutos e tal. O objectivo é melhorar o tempo e principalmente acabar a prova, que é muito dura. Ter de levar todo o equipamento às costas, cerca de 30 quilos, e subir 566 degraus por entre turistas é muito exigente”, analisa a mulher que para ser bombeira teve de interromper os estudos – “tive de interromper, fiquei no 2.º ano de Desporto e Lazer, que frequentava na Escola Superior de Desporto e Lazer, em Melgaço”.

Além do instinto competitivo, Daniela salienta que a participação de bombeiros em provas físicas é uma mais-valia para a classe. E para os cidadãos. “Somos 800 a participar na maior prova europeia, o que dá mais confiança e segurança porque as pessoas veem que estamos em forma e somos capazes de prestar um socorro mais eficaz”, comenta.

E o treino? “Tenho ido muito ao ginásio e tenho feito muito trabalho de pernas e cardiovascular”, informa. Numa prova em que é preciso subir 566 degraus em 615 metros com um desnível de 116 metros no menor tempo possível, a capacidade cardiorrespiratória é decisiva.

Por isso, Daniela lembra os incêndios florestais ocorridos este mês no Sameiro. “Exigiu muito esforço físico, sempre a subir e a descer montes. A arrastar mangueiras, a enrolar mangueiras”, recorda. “Mas como se faz em equipa, não custa”, junta.

Sobre a curta carreira de bombeira profissional, nota que “as pessoas parece que têm mais à vontade com mulheres”. “Sobretudo em casos específicos como na assistência ao parto”, exemplifica.

Ambição da última a sair

O futuro vai trazer muitos desafios à bombeira profissional Daniela Viana. Como a da ambição: “Nunca pensei nisso, mas claro que quero evoluir na minha carreira. Vou ser a última a sair de lá”, ri-se Daniela, a mais jovem bombeira da Companhia de Sapadores Bombeiros de Braga. “A Ana Sofia [a outra pioneira] tem 25”, regista.

Foto: DR

“Entrei com salário que achava que ia ter para o resto da vida e, entretanto, as coisas já evoluíram [com a entrada em vigor a 2 de Julho do Estatuto de Bombeiro Profissional, acabou a distinção entre municipais e sapadores, com os primeiros a deixarem de auferir o salário mínimo sendo incluídos na carreira única de sapador/profissional]. Temos equipamento individual e vamos receber ambulância nova em breve. Estamos bem preparados e seguros”, comentou a jovem de 21 anos, que por lei só se pode reformar aos 60 anos.

Até lá, a par da carreira e das competições, continuará a ter uma vida pessoal muito ligada aos bombeiros. Se o pai, de 48 anos, já é bombeiro voluntário há 30, não tardará muito a que um novo membro da família Viana se junte à causa.

“O meu pai levava-me para o quartel e apresentava-me àquela realidade. Mostrava-me o material, a mim e ao meu irmão. Como é uma paixão dele, tentava-nos transmiti-la”, conta Daniela. E se a paixão do pai já fez uma nova bombeira, outro se seguirá. “O meu irmão vai pelo mesmo caminho. Fez 16 este ano e tenciona vir a ser bombeiro”, remata Daniela Viana.

Este sábado, sigam o dorsal 638. Daniela Viana, aos 21 anos, é o presente, mas estará intimamente ligada ao futuro dos bombeiros. De Braga e de Portugal.

Anúncio

Braga

Feira do Livro virtual de Braga regista cinco mil visitas

Cultura

em

Foto: Divulgação

A Feira do Livro de Braga, que arrancou virtualmente na sexta feira, dia 03, contou já com a visita de mais de cinco mil pessoas. A este número juntam-se ainda 500 pessoas que assistiram, nestes primeiros seis dias, às várias sessões do programa cultural promovido pelo Município e pelo mecenas do evento, o dstgroup.

Fonte da empresa municipal InvestBraga adiantou, hoje, que a programação cultural da 29.ª edição conta com várias “Conversas em streaming” com autores nacionais e estrangeiros, passatempos, ofertas de livros e também iniciativas da responsabilidade do patrocinador principal, há mais de 25 anos, o dstgroup, dirigido por José Teixeira.

Nesta edição digital, e para o mundo, é possível visitar entre livrarias, editoras e alfarrabistas, 20 expositores presentes na feira através de um Virtual Tour, e adquirir diversos os produtos a partir da plataforma de vendas online, Dott, que conta com mais de cinco mil livros.

A viagem virtual pela feira inicia-se numa «street view» das avenidas onde a feira tinha usualmente lugar e é nesse espaço que é possível entrar em cada um dos stands dos diferentes expositores para consultar os seus catálogos de livros. Nessa fase, os  visitantes são direcionados para a loja online da Feira, onde podem efetuar todo o processo de compra dos produtos escolhidos. A entrega das encomendas fica, por sua vez, a cargo dos CTT.

De referir que a Feira do Livro é uma organização do Município de Braga e da InvestBraga em estreita colaboração com a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, com a The Book Company | Booktailors, os CTT e a DOTT e com o mecenato da dst group.

A feira virtual está disponível desde o dia 3 e prolonga-se até ao dia 03 de setembro de 2020.

Continuar a ler

Braga

Advogados querem que brasileira detida na Cairense deixe de se apresentar na PSP

Provas de que se prostituía são “meras conjeturas”

em

Imagem via Google Maps

O Tribunal Central Administrativo do Norte rejeitou um recurso do SEF e confirmou a decisão do Administrativo de Braga de suspender a expulsão de uma cidadã brasileira, a qual não chegou a sair de Portugal, devido à interposição de uma providência cautelar.

A imigrante havia sido detida, em dezembro, com outras sete mulheres, numa operação policial na Residencial Cairense em Braga. Agora, o seu advogado de defesa, João Magalhães que representa, ainda, outra cidadã brasileira detida na mesma noite na Cairense, pediu à juíza que anule a obrigatoriedade de as duas se apresentarem semanalmente na PSP.

‘Rusga’ em ‘casa de alterne’ de Braga termina com identificação de 28 mulheres e 50 clientes

No requerimento, o jurista lembra que, e conforme o MINHO noticiou, o Administrativo de Braga já considerara, na sua sentença, não ter ficado provado que a mulher trabalhasse no alterne ou na prostituição já que foi encontrada a tomar café naquela unidade hoteleira.

O Tribunal do Norte, a segunda instância, confirmou esta versão e diz que o SEF a expulsou com base em “meras conjeturas, não demonstradas e apenas com provas indiciárias”.

Embora o advogado não o especifique, a verdade é que, se a medida de coação de apresentações semanais na Polícia não for revogada, as duas imigrantes terão de ali se deslocar ao longo de vários anos, já que, como é sabido e não se prevê que tenha alteração a breve prazo, um processo no Tribual Administrativo de Braga pode durar seis a dez anos a ser decidido, por falta de juízes e de salas.

“É inaceitável e inconcebível que o Estado Português e o Tribunal continue a tratar a aqui Requerente , como uma prostituta. Quando, na verdade, a mesma, tem uma Sentença do Tribunal Administrativo Fiscal de Braga e um Acórdão do Tribunal Central Administrativo do Norte, que prova, inegavelmente, que a mesma não se encontra em território português a prostituir-se. Encontrando-se sim, à procura de emprego, na tentativa de se estabilizar profissional e economicamente”, lê-se no requerimento.

Continuar a ler

Braga

Braga prevê investir 11 milhões na requalificação do parque escolar

Investimento público

em

Foto: DR

O município de Braga prevê investir, até ao final do próximo ano letivo, cerca de 11 milhões de euros em obras de requalificação do parque escolar concelhio, entre as quais seis “grandes intervenções de fundo”, disse hoje o presidente da câmara à Lusa.

Ricardo Rio adiantou que, naquelas seis escolas, serão investidos oito milhões de euros.

Hoje, foi publicado, em Diário da República, o concurso público para a requalificação da Escola Básica de Figueiredo, pelo preço-base de 1,4 milhões de euros. Os interessados têm 30 dias para apresentação de propostas, sendo o prazo de execução de um ano.

Entretanto, os alunos terão aulas em contentores. “São contentores com todas as condições”, acentuou Ricardo Rio.

Igualmente em concurso está a requalificação da Escola Básica de São Pedro de Este, pelo valor de 1,2 milhões de euros.

Para breve, está previsto o lançamento dos concursos para obras “igualmente de fundo” nas escolas de Nogueira, S. Vicente, Ponte Pedrinha e Bairro Económico.

Segundo Ricardo Rio, estão igualmente previstas intervenções de “menor monta” noutras escolas, que, no total, poderão ascender a perto de três milhões de euros. É o caso da escola de Sequeira, já em concurso público por 177 mil euros.

Continuar a ler

Populares