Redes Sociais

Braga

“Cultura do Norte” diz que museu que acolheu moedas romanas não esgota a sua ação em Braga

 a

Foto: O MINHO

A Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) disse hoje que o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, que acolheu as moedas romanas resgatadas em Espanha, tem um “caráter regional” e “não esgota a sua ação” em Braga.

Depois de resgatadas pela Polícia Judiciária (PJ) em Espanha, dez moedas romanas foram entregues ao Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga.

Em Vila Real, os deputados do PS já reivindicaram a guarda “deste tesouro” num museu da região e foi lançada também uma petição em defesa da ida das moedas romanas para o território, mais próximas do concelho de Alijó, onde foram achadas em 1958.

Questionada pela agência Lusa, a DRCN afirmou que o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa “tem um caráter regional, pelo que não esgota a sua ação na cidade de Braga”.

A direção regional, com sede em Vila Real, explicou que, através do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, recebeu, no dia 22 de janeiro, um conjunto de dez moedas romanas resgatadas em Espanha pela Polícia Judiciária.

“Dada a importância histórica do referido conjunto, nesse mesmo dia se iniciou o registo, inventário e entrada no laboratório de restauro do museu”, sublinhou.

A DRCN elencou ainda a “especialização temática e a necessária capacidade técnica para conservar e restaurar materiais arqueológicos” e sublinhou que este museu D. Diogo de Sousa “é uma reserva nacional de material arqueológico, com características específicas para a sua monitorização, salvaguarda e monitorização”.

No esclarecimento pedido pela agência Lusa, acrescentou que “não só está disponível para integrar o conjunto das dez moedas romanas na coleção” daquele museu, como se encontra “a estudar uma proposta de exposição permanente e fruição integral pelo público que, em devido tempo, será apresentada ao Ministério da Cultura”.

Em 1958, um trabalho agrícola trouxe à luz do dia um pote de barro com 63 moedas romanas junto ao santuário duriense da Nossa Senhora da Piedade, localizado em Sanfins do Douro, concelho de Alijó.

As moedas foram roubadas deste santuário em 1985. Entre elas encontrava-se uma peça única no mundo, um denário do Imperador Galba, que terá sido feita no ano 68 depois de Cristo e que estava a ser leiloada, em Espanha, quando foi resgatado pela PJ.

Os deputados do PS eleitos pelo distrito de Vila Real defenderam que a moeda deve ficar à guarda de uma unidade museológica do distrito de Vila Real, como o Museu de Numismática ou o Museu do Douro, localizados mais próximo de Alijó onde foi achada em 1958.

Através do Parlamento, Ascenso Simões e Francisco Rocha questionaram o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, sobre “os motivos e fundamentos” que levaram à escolha do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa para albergar o denário do Imperador Galba.

“Como é óbvio, são muitas as vozes, que de forma pública têm manifestado incompreensão por esta opção, uma vez que afasta o achado do seu local de origem’”, sustentaram os parlamentares, em comunicado.

Foi também lançada uma petição pública ‘online’, dirigida ao ministro, que reivindica o “depósito do tesouro” do santuário de Nossa Senhora da Piedade no Museu do Douro, “ficando assim na região de origem do achado, promovendo-se uma relação de proximidade entre a população local e o seu património”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Um hotel “pet friendly” em Braga

Anunciou o grupo Hotis Hotéis, proprietário da unidade hoteleira

Publicado

 a

Foto: Divulgação

O Meliá Braga é um dos hóteis do Grupo Hoti Hóteis onde os animais de estimação passam a poder ficar alojados com os seus donos, recebendo, à chegada, um kit especial, o “PET KIT”, anunciou esta quarta-feira a empresa hoteleira.

Este kit destinado “aos melhores amigos dos hóspedes” é composto por “duas tacinhas dobráveis (óptimas para transportar nas viagens), uma manta com uma bolsa para guardar os objectos e um identificador de mala com a frase “don´t forget your best friend!” e algumas delícias”, é referido numa nota divulgada à comunicação social.

O alojamento terá, contudo, um valor adicional

A opção também está disponível noutros hotéis de marca própria do grupo, como os Star inn (Lisboa, Porto e Peniche), Meliá Setúbal e TRYP (Lisboa, Caparica Mar, Lisboa Aeroporto e Lisboa Oriente).

O Meliá Braga Hotel & Spa fica situado na Avenida General Carrilho da Silva Pinto.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Braga

Clube Automóvel do Minho, meio século a “ousar amar” o desporto automóvel

No dia 25 de outubro de 1968 um grupo de “ousados amantes do desporto automóvel” fundou o CAM.

Publicado

 a

O Clube Automóvel do Minho (CAM) comemora esta quinta-feira, 25 de outubro, 50 anos.

Foto: Arquivo CAM / DR

Fundado a 25 de outubro de 1968, por um grupo de “ousados amantes do desporto automóvel“, a sua primeira sede social foi na “Casa dos Castelos” localizada no monte do Bom Jesus, em Braga, tendo Óscar Ferreira Gomes sido eleito primeiro presidente do CAM.

Em 1970, o Automóvel Clube de Portugal concede ao CAM o título oficial de Organizador de Provas Desportivas, começando assim o seu legado na história da competição motorizada.

Foto: Arquivo CAM / DR

Em 1976, o Clube assumiu a organização da Rampa da Falperra, primeiro com automobilistas nacionais e depois tornando-a numa prova internacional. Durante este período, organiza, ainda, concentrações turísticas, ralis de 1ª categoria, pop-cross e auto-cross.

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

Em 1986, a Presidência do Conselho de Ministros concede-lhe o diploma de Pessoa Colectiva de Utilidade Pública.

Foto: Arquivo CAM / DR

No ano seguinte, em 1987, o CAM organiza a primeira Super-Especial da história do Rally de Portugal, e, também nesse ano, surge a equipa desportiva “Team CAM”, permitindo ao clube uma participação ativa no nacional de ralis e na velocidade, onde arrecadou vários títulos para os seus pilotos, inicialmente constituído por David Rodrigues, Rui Lages, Adriano Barbosa e António Vasconcelos, na direção de Alfredo Barros. Posteriormente, em 1991, juntou-se Pedro Azeredo e Rogério Peixoto.

Kartódromo da Palmeira. Foto: DR

Em 1992, constitui a sociedade Karting Investimentos de Braga, S.A., com a finalidade da construção de um kartódromo, devido à “necessidade de expandir horizontes na organização de provas de desporto motorizado”. Nessa altura, surge a ideia de traçar uma pista de velocidade circundante ao aeródromo de Braga.

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

Desde este período e passando por sete direções diferentes, o CAM organizou uma média de 24 eventos por ano, incluindo finais mundiais do Campeonato do Mundo de Karting (Fórmula A), Campeonato Europeu de Viaturas de Turismo (FIA – ETCC), Ralis – como em Vila Verde e Barcelos -, campeonatos nacionais de velocidade de motociclismo e trial, provas inovadoras como nestes dois últimos anos resistências de BTT em Braga, provas citadinas de karting, festivais de ralis com traçados de duas pistas (velocidade e karting) ao estilo de Monza.

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

O CAM criou, ainda, uma academia de karting, tendo formado alguns dos atuais vencedores da modalidade.

Foto: Arquivo CAM / DR

Foto: Arquivo CAM / DR

Ao longo dos anos foram criadas algumas parcerias com outros clubes organizadores, mobilizando equipas dos vários comissários para eventos como o Circuito da Boavista, no Porto, o Circuito de Vila Real e o Rally de Portugal.

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

No presente, sob a direção de Rogério Peixoto, o CAM foi designado promotor do Campeonato de Portugal de Drift, que, até à data, já passou por vários pontos do país de norte a sul.

Foto: Arquivo CAM / DR

Além do núcleo desportivo do clube, foram realizadas atividades paralelas pelas secções existentes – clássicos, rádio-modelismo e minimodelos.

Foto: Arquivo CAM / DR

Para assinalar a importante marca de meio-século de vida, o Clube Automóvel do Minho irá organizar um jantar comemorativo, marcado para o próximo dia 24 de novembro, na Quinta das Rosas, em Vila Nova de Famalicão.

Rogério Peixoto, atual presidente do CAM. Foto: Arquivo CAM / DR

Com uma agenda preenchida para o ano de 2019, o Clube promete continuar a investir na inovação e preencher o calendário de eventos motorizados – “e não só -, tanto na região de Braga como no resto do país.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Braga

Incêndios: Alerta especial amarelo prolongado no Minho

Publicado

 a

Foto: O MINHO/Arquivo

Os distritos de Braga e Viana do Castelo estão com alerta especial amarelo de incêndio, o terceiro mais grave, até às 23:59 desta terça-feira.

Este nível de alerta especial é estendido, informa a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) em comunicado, justificando o procedimento com a “persistência de tempo muito quente e seco”, favorável à deflagração e propagação de incêndios.

A Proteção Civil prolongou até terça-feira o estado de alerta especial vermelho, o mais grave, relativo aos meios de combate a incêndios florestais, para os distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda e Portalegre, anunciou hoje.

O estado de alerta especial fica laranja, o segundo mais grave, nos distritos de Coimbra, Leiria, Lisboa, Santarém, Setúbal e Viseu e amarelo, o terceiro mais grave, em Aveiro, Porto e Vila Real, para além dos distritos do Minho.

O estado de alerta especial faz parte do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro, que define a “prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro em conformidade com os riscos associados”.

De acordo com o comunicado da ANPC, entre as 00:00 e as 19:00 de hoje houve 58 incêndios rurais, envolvendo no combate 1.660 operacionais, auxiliados por 429 viaturas e 12 aeronaves.

O fogo que lavra desde sexta-feira em Monchique, no Algarve, tinha, pelas 19:00 de hoje, 1.108 operacionais, apoiados por 341 veículos e 13 aeronaves.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares