Seguir o O MINHO

Guimarães

Cristina Reis recebeu o Prémio Carreira da Bienal de Ilustração de Guimarães

Entrega teve lugar no Centro Internacional das Artes José de Guimarães, onde está também patente a exposição “Cristina Reis – Uma vida no palco”

em

Foto:Divulgação / CM Guimarães

Cristina Reis recebeu o Prémio Carreira da 3a Edição da BIG – Bienal de Ilustração de Guimarães, numa cerimónia que teve lugar na manhã deste sábado, no CIAJG – Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

Paulo Lopes Silva referiu que o Prémio Carreira pretende fazer jus à missão da BIG, uma vez que o certame se destina a premiar e a dignificar os artistas nos campos das Artes Visuais e da Ilustração. O vereador da Cultura vê as artes visuais não apenas como uma disciplina, mas como uma área abrangente que promove diversas leituras do mundo e ligações com as várias vertentes do pensamento a atividade humanas. Paulo Lopes Silva destacou o grande trabalho realizado por Cristina Reis, durante 40 anos, no Teatro da Cornucópia. “Todo o trabalho que Cristina fez na Cornucópia é inestimável”, referiu.

Já antes, Tiago Manuel, diretor artístico da BIG, referia-se à artista comparando-a com a Penélope, uma alusão à sua fidelidade ao Teatro da Cornucópia, enaltecendo a generosidade do seu trabalho artístico como coreógrafa e a sua vocação para o silêncio e anonimato. “Em Catarina Reis há uma austeridade, um desapego. Ela é uma artista em contramão”, disse.

Cristina Reis, reconhecidamente, soube manter a sua humildade quando disse não existirem provas nenhumas do que fez para merecer o prémio. Talvez uma alusão ao caráter efémero dos seus cenários que, como referiu, “faz com que o que reste seja quase uma espécie de memória”. A artista agradeceu ainda a distinção que lhe foi atribuída.

O curador da exposição “Cristina Reis – Uma vida no palco”, Jorge Silva, adjetivou a obra de Cristina Reis como peculiar, dizendo que a artista fez praticamente sempre tudo que quis. “Não tinha propriamente um cliente que lhe dissesse que não queria uma cor, ou um determinado pormenor gráfico”, disse. Segundo Jorge Silva, Cristina Reis repetiu para inovar, fruto da sua persistência e talento, criando uma gramática de autor e cultivando a qualidade extraordinária da modéstia.

Cristina Reis nasceu em Lisboa em 1945. Com o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, iniciou, em 1960, a sua formação em design no ateliê de Daciano Costa, onde trabalhou até 1966 em design de interiores. Entre 1966 e 1970, estudou no Ravensborne College of Art and Design, na Inglaterra. Regressou a Portugal para a realização da 1a Exposição de Design Português produzida pelo Instituto Nacional de Investigação Industrial – INII, onde trabalhou até 1974. Em 1975 iniciou a atividade de cenógrafa e figurinista no Teatro da Cornucópia, com Jorge Silva Melo e Luís Miguel Cintra. Desde então, foi responsável pelos cenários e figurinos da quase totalidade dos espetáculos aí realizados, até à extinção da Cornucópia em 2016.

O Prémio Carreira é sugerido pela direção artística da Bienal e pela Câmara Municipal de Guimarães e pretende reconhecer a grande qualidade e coerência artísticas, a criatividade e a inovação nos domínios mais amplos da ilustração. O prémio tem um valor pecuniário de 10.000€ e os artistas premiados terão os seus trabalhos mais representativos expostos durante o certame.

A BIG – Bienal de Ilustração de Guimarães é uma iniciativa da Câmara Municipal de Guimarães e da MOTOR – Produção Cultural, Cooperativa de Responsabilidade Limitada, CRL., com o objetivo de dignificar o papel dos ilustradores no desenvolvimento cultural, no campo da edição, livros, revistas, jornais, cartazes, suportes clássicos de comunicação de massas e no domínio das novas tecnologias, aliado à referência de Guimarães, como território de reconhecido interesse nacional e internacional, no movimento de fomento de massa critica e na criação na área da ilustração.

Populares