Seguir o O MINHO

Actual

Covid-19: Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

*** Paulo Alves Nogueira da Agência Lusa

Um especialista australiano descobriu num texto português do século 16 uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 mil mortos.

O texto português “é um registo antigo de uma doença que passa de animais para humanos, e mostra que a quarentena pode ser eficaz para a travar”, disse à agência Lusa Sanjaya Senanayake, professor de doenças infecciosas na Universidade Nacional da Austrália (ANU), em Camberra.

Sanjaya Senanayake. Foto: Divulgação / ANU

Senanayake referia-se a uma passagem do “Tratado das ilhas Maluco e dos costumes índios e de tudo o mais”, de autor desconhecido, mas geralmente atribuído a António Galvão (c. 1490-1557).

Apelidado de “apóstolo das Molucas”, António Galvão governou a partir de Ternate as chamadas ilhas das Especiarias, na atual Indonésia, entre 1536 e 1540, tendo iniciado o seu mandato 15 anos depois da passagem pela região da expedição de Fernão de Magalhães, já comandada por Juan Sebastián Elcano.

O texto manuscrito foi encontrado no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha, e publicado em inglês (“A Treatsie on the Moluccas”, Hubert Jacobs, Jesuit Historical Institute, 1971) e em português contemporâneo (“Tratado das ilhas Molucas”, Luís de Albuquerque e Maria da Graça Pericão, Publicações Alfa, 1989).

A obra versa sobre o governo de António Galvão nas Molucas e nela se narra um surto de uma doença no final de abril de 1539, que primeiro matou galinhas e depois humanos.

“Com os ventos sul, veio esta enfermidade a Bachão [Bacan]; logo se espalhou por todas as ilhas, começando nas galinhas (…), que de António Galvão se acharam mais de cinquenta ou sessenta mortas, que se empolavam sãs e gordas; e depois lhe adoeceram passante de cento e dez pessoas, entre criados e escravos, que só um não ficou e a mor parte lhe faleceu, afora os portugueses e filhos deles”, lê-se no texto.

“E por toda a terra era este mal tão geral que os não podiam enterrar e o mar era coalhado dos mortos e muitos lugares despovoados; andavam os homens e mulheres como pasmados, dizendo que nunca tal viram nem ouviram aos antepassados”, conta ainda o narrador.

Em dezembro de 2007, Sanjaya Senanayake e o historiador Brett Baker publicaram um artigo na revista científica The Medical Journal of Australia sobre o texto histórico, numa altura em que o mundo enfrentava a pandemia de gripe A, inicialmente designada como gripe suína.

“A epidemia do século 16 provavelmente não se espalhou devido ao isolamento das ilhas do resto do mundo por causa de padrões comerciais determinados pelo clima [monção]. Isto reforça o valor da quarentena (mesmo não intencional) ou do isolamento como medida de saúde pública. Dada a facilidade de circulação global de pessoas, animais e cargas na era moderna, a sua aplicação será agora um desafio muito maior”, concluíram Senanayake e Baker.

Sanjaya Senanayake admitiu à Lusa, num contacto telefónico em Camberra, que o estudo do texto português “não ajudou necessariamente a combater a gripe suína”.

Mas mostrou que o isolamento intencional das ilhas próximas de Ternate por não haver navegação do comércio das especiarias devido à ausência de vento terá evitado a disseminação de uma infeção que passou de animais para humanos.

A conclusão mantém-se atual, e Sanjaya Senanayake não tem dúvidas sobre a aplicação da quarentena para combater a covid-19, uma doença que se tornou global devido às viagens.

“As três coisas que usamos para combater a pandemia são quarentena, vacinas e medicamentos. São as três grandes ferramentas que temos para a covid-19”, disse Sanjaya Senanayake.

O especialista australiano admitiu que uma vacina para a covid-19 demorará “10 ou 12 meses” e que é impossível saber se haverá medicamentos eficazes em quantidade suficiente para tratar “milhões, dezenas de milhões ou centenas de milhões de pessoas”.

“Mas a quarentena é uma boa maneira de parar ou, pelo menos, de retardar um surto. E foi o que vimos neste texto português: a quarentena não intencional por causa das estações climáticas e a difícil acessibilidade mostram que a quarentena pode ser eficaz”, concluiu.

Sobre a atual pandemia, Sanjaya Senanayake é enfático ao dizer que “ninguém realmente sabe” quando é que poderá ser controlada.

“O surto pode desaparecer ou pode piorar. (…) Até pode ser como a gripe espanhola em 1918, em que houve uma primeira onda que não foi tão má e, pouco tempo depois, houve uma segunda onda que foi muito, muito má”, lembrou, referindo-se à pandemia que matou mais de 50 milhões de pessoas.

“É absolutamente imprevisível. (…) Esperemos que não dure muito”, acrescentou.

Anúncio

Actual

Reino Unido decreta confinamento de seis semanas

Covid-19

Foto: DR / Arquivo

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje um confinamento de seis semanas para conter a aceleração da pandemia de covid-19 em Inglaterra, incluindo o encerramento das escolas até pelo menos 05 de fevereiro.

Boris Jonson disse que o país está num “momento crítico” e que são necessárias medidas “fortes o suficiente” para travar o avanço da nova variante do coronavírus, considerada mais infeciosa.

“O governo está a dar instruções novamente para ficarem em casa. Só podem sair de casa por motivos restritos previstos na lei, como comprar bens essenciais, trabalhar se não o puder fazer de casa, fazer exercício, ter assistência médica, ou escapar a violência doméstica”, anunciou numa comunicação televisiva.

O Reino Unido registou 58.784 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, um novo máximo diário e o sétimo dia consecutivo em que o número diário de casos ultrapassou 50.000, e 407 mortes, para um total de 75.431 mortes desde o início da pandemia.

Nos últimos dias a média diária de casos aumentou 50% e de mortes 21% comparando com os sete dias anteriores.

O Parlamento foi convocado para se reunir extraordinariamente na quarta-feira e aprovar as medidas a nível nacional.

Devido ao agravamento da situação epidémica, o governo britânico já tinha determinado um recomeço faseado das aulas em Inglaterra, mas tem estado sob pressa opara manter as escolas fechadas por questões de segurança.

Uma sondagem da empresa YouGov divulgada hoje à tarde indicava que cerca de 79% das pessoas apoiavam fortemente (51%) ou de alguma forma (28%) a hipótese de confinamento e apenas 16% são fortemente (7%) ou um pouco (9%) contra.

Por outro lado, 69% dos britânicos pensam que o governo do Reino Unido está a fazer um péssimo trabalho relativamente às escolas, ao ter anunciado que as aulas iriam ser retomadas esta semana e dias depois recuar na medida.

Antes do anúncio, o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, já tinha dito à BBC que o encerramento das escolas era “inevitável” e que o primeiro-ministro deve acelerar o programa de vacinação e assumir uma meta de quatro milhões de vacinas por semana até fevereiro.

“O vírus está fora de controlo. O sistema de níveis [de restrições] claramente não está a funcionar e todos nós sabemos que são necessárias medidas mais rígidas. (…) Se vamos pedir ao povo britânico que se sujeite a restrições nacionais duras – e pedimos porque isso precisa de acontecer imediatamente -, então o contrato precisa ser que o programa de vacinas seja avance o mais rápido possível”.

Starmer quer que comecem a ser administradas duas milhões de doses por semana em janeiro e o dobro em fevereiro.

Continuar a ler

Actual

Morreu MF DOOM, um dos mais respeitados nomes do hip hop mundial

Rapper do Reino Unido

O rapper e produtor britânico MF DOOM, um dos mais respeitados nomes do hip hop, morreu em outubro aos 49 anos, mas a informação só foi revelada na quinta-feira pela família.

Numa mensagem publicada nas redes sociais, a mulher, Jasmine, revelou que o músico morreu a 31 de outubro com 49 anos, mas não foi divulgada a causa da morte.

A revista Rolling Stone descreve-o como o “esquivo e misterioso bardo do hip hop”, autor de “rimas impossivelmente intrincadas” e um dos mais respeitados nomes da cultura hip hop, onde entrou em finais dos anos 1980.

MF Doom é o alter ego do músico Daniel Dumile, nascido em Londres em 1971, criado em Nova Iorque e cujo percurso no hip hop se dá com o irmão, DJ Subroc, através do trio KMD, no qual assinava ainda como Zev Love X.

O projeto só duraria até 1993, ano em que morreu o irmão e que levou também Daniel Dumile a desaparecer do espaço público.

Só regressaria em finais dessa década, com uma máscara a tapar o rosto, semelhante à do vilão Doctor Doom, de histórias de BD da Marvel, e com o álbum “Operation: Doomsday” (1999).

No obituário, tanto a Rolling Stone como o jornal The Guardian recordam que o período mais prolífico do músico foi na viragem do século, entre 2003 e 2005, usando outros pseudónimos, entre os os King Geedorah e Viktor Vaughn, justificados por uma vontade artística dinâmica de ter várias personagens.

Da produção musical de MF DOOM, a crítica destaca o álbum “Madvillainy”, lançado em 2004, feito com o produtor Madlib, e considerado um dos melhores dessa década.

A lista de colaborações atesta ainda a relação de MF Doom dentro e fora do hip hop, juntanto trabalho com nomes como Danger Mouse, o rapper Ghostface Killah (Wu-Tang Clan), Flying Lotus, The Avalanches, e ainda Thom Yorke e Jonny Greenwood, dos Radiohead.

O sexto e último álbum do rapper saiu em 2009 com o título “Born like this” e com o pseudónimo DOOM.

Continuar a ler

Actual

Sá Pinto de saída do Vasco da Gama

Futebol

Foto: DR / Arquivo

O treinador português Ricardo Sá Pinto deixa o Vasco da Gama, pouco mais de dois meses depois ter assumido o comando técnico da equipa do Rio de Janeiro, indica hoje a imprensa brasileira.

A saída de Sá Pinto é avançada como certa pelo jornal Globo Esporte e outros órgãos de informação brasileiros, segundo os quais o ex-jogador já não treina hoje a equipa vascaína, com a sessão a ser reagendada para a parte da tarde.

Sá Pinto chegou ao Vasco da Gama em 14 de outubro, para substituir o técnico Ramon Menezes, com a equipa ligeiramente acima da linha de descida, zona para a qual acabou por cair, ocupando o 17.º lugar.

No domingo, a equipa foi derrotada em casa do Athlético Paranaense, 11.º classificado, por 3-0, e já em dezembro Sá Pinto foi confrontado por um grupo de adeptos, que entrou no centro de treinos do clube.

Sá Pinto deixa o Vasco da Gama um ano depois de também ter sido afastado do SC Braga.

Como treinador, Sá Pinto, de 48 anos, já esteve à frente do Légia Varsóvia, Standard Liège, Atromitos, Belenenses, OFI Creta, Estrela Vermelha e Sporting.

Continuar a ler

Populares