Seguir o O MINHO

País

Covid-19: Máscaras não funcionam à chuva

Covid-19

em

foto: DR / Arquivo

A chuva é inimiga das máscaras cirúrgicas. A conclusão é de um grupo de investigadores sediado no Reino Unido e já recebeu apoio da Organização Mundial da Saúde, que veio aconselhar a trocar de máscara caso esta fique molhada.


De acordo com os especialistas, que enviaram uma recomendação ao governo britânico sobre esta matéria, a água tapa o fluxo de ar e reduz a filtragem do vírus, podendo mesmo tornar as máscaras ineficazes para aquilo a que se propunham – filtrar a covid-19.

Em declarações ao jornal The Times, o antigo membro da OMS, Karol Sikora, afirma que “a humidade torna as máscaras porosas” fazendo com que se “tornem vulneráveis em climas húmidos”.

“Acho que o público não tem qualquer conhecimento sobre o assunto. Devem receber conselhos claros das autoridades, especialmente devido ao período atual de chuvas fortes”, advertiu.

“É importante que saibamos que temos que trocar a nossa máscara se ela ficar húmida e que as máscaras mais caras não têm regras diferentes”, acrescentou o especialista.

Em França, já existe uma norma que apela às pessoas para andarem com mais do que uma máscara guardada, para o caso de molharem a que estão a utilizar na via pública.

Anúncio

País

Vacina contra a covid-19 aprovada “ainda este mês ou no próximo”

Vacina de Oxford

em

Foto: BBC

A vacina contra a covid-19 deverá chegar à América Latina em março ou abril de 2021, depois de ser distribuída pelos Estados Unidos e Europa, segundo o grupo farmacêutico que vai produzir a vacina de Oxford.

Até ao momento, ainda não foi aprovada para comercialização nenhuma das 175 vacinas que estão a ser desenvolvidas no mundo.

No entanto, a aprovação de algumas das vacinas deverá ocorrer em breve, ainda este mês ou no próximo, caso não surjam imprevistos, lembrou Hugo Sigman, fundador e diretor geral do grupo farmacêutico Insud, que irá produzir a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e da AstraZeneca.

As declarações do farmacêutico Hugo Sigman foram feitas hoje durante o seminário online organizado pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) e estão a ser citadas pela agência de notícias espanhola EFE.

Segundo o farmacêutico, ainda não é possível saber quanto tempo irão durar os anticorpos de uma pessoa vacinada, mas prevê-se que seja pelo menos um ano, à semelhança do que acontece com a vacina da gripe.

A vacina da Universidade de Oxford, juntamente com a candidata da Pfizer e da BioNTechque, são atualmente apontadas como as que têm mais hipóteses de serem as primeiras a ser submetidas à aprovação regulatória.

“Todos os países iberoamericanos estão a fazer planos de compras muito importantes”, afirmou o farmacêutico.

Em Portugal, o Governo autorizou a compra de 6,9 milhões de vacinas contra a covid-19, que vão custar 20 milhões de euros, através de um processo que está a ser coordenado entre países da União Europeia (UE).

Sobre as críticas de quem teme que os danos de tomar uma vacina sejam superiores aos benefícios, o farmacêutico garantiu que os mecanismos de segurança são “muito bons” e que “o custo-benefício de se vacinar é superior ao de não se vacinar”.

O objetivo é que pelo menos 70% da população seja vacinada para criar imunidade de grupo.

O farmacêutico lembrou que a covid-19 veio fortalecer o processo de elaboração de um tipo de vacinas que já tinha sido iniciado com a prevenção de outros coronavírus.

Os laboratórios já estavam a trabalhar para combater a SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome, que em português se traduz para Síndrome Respiratória Aguda Grave), que foi identificada pela primeira vez em 2003, assim como a MERS (Síndrome Respiratória do Médio Oriente), que surgiu em 2012.

Hugo Sigman manifestou-se ainda confiante quanto à forma como a pandemia deverá evoluir no próximo ano, uma vez que já serão conhecidas as medidas para o tratamento e prevenção da doença e porque haverá uma maior notificação dos casos assintomáticos, o que poderá diminuir a propagação do vírus.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos em mais de 47,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.694 pessoas dos 156.940 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

País

Rio teme que orçamento fique pior devido a imposições “irrealistas” do PCP

Orçamento do Estado

em

Foto: PSD / Arquivo

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje temer que o Orçamento do Estado para 2021 fique “ainda pior” depois da discussão na especialidade, devido a imposições “irrealistas” do PCP e reivindicações do BE.

Na abertura de um conjunto de sessões online sobre o Orçamento do Estado para 2021 organizadas pela distrital de Lisboa do PSD, Rui Rio voltou a apontar as razões que sustentaram o voto contra dos sociais-democratas na generalidade, e manifestou-se preocupado com o atual processo de especialidade orçamental.

“Não será o mesmo Orçamento do Estado na votação final global, vai ter alterações na especialidade, mas as alterações que vai ter temo que ainda possam ser para pior, porque estamos a falar de imposições do Partido Comunista e revindicações do Bloco de Esquerda”, alertou.

Rio fez questão de distinguir a posição do BE, que votou contra na generalidade e já só pode “reivindicar umas coisitas”, da do PCP – que se absteve -, considerando que os comunistas terão um “poder brutal” nesta fase de discussão da proposta do Governo.

“Esperemos que não imponha o impossível e que não tenhamos aqui uma crise brutal por força das reivindicações irrealistas do PCP”, afirmou.

Continuar a ler

País

Ministro avisa: É melhor fazer as compras de Natal mais cedo

Covid-19

em

Foto: DR

O ministro de Estado e da Economia defendeu que os indicadores demonstram que a experiência de compra em loja “é segura” e apelou aos consumidores para planearem com antecedência as suas compras na época de Natal.

Estas posições foram transmitidas por Pedro Siza Vieira na abertura da sessão de lançamento da iniciativa “Natal 2020, compre cuidando de todos”, que foi encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.

O ministro de Estado e da Economia referiu que Portugal, em consequência da pandemia da covid-19, teve a atividade comercial encerrada ao público mês e meio e que em 04 de maio passado, exatamente há seis meses, se iniciou “o processo de desconfinamento”.

“Desde então, tivemos uma nova experiência de consumo – uma experiência que procurou seguir um conjunto de regras e restrições que estão aptas e adequadas à salvaguarda da saúde da comunidade. E aquilo que estes seis meses demonstram é que a experiência de compra em Portugal é uma experiência segura, em que os consumidores, além de continuarem a contar com o atendimento profissional, também encontram um espaço seguro. Todos observámos como as regras sanitárias estão a ser respeitadas”, sustentou Pedro Siza Vieira.

Na sua breve intervenção, o ministro da Economia apontou depois que os cidadãos começam agora a pensar nas compras de Natal e na forma como se vão organizar no atual contexto de crise sanitária.

“Se queremos conciliar a época de compras de Natal com a segurança coletiva que é exigida, então têm de ser mantidas as precauções e importa planear o processo de compras. Temos de evitar deixar as compras para a última hora e procurar o mais cedo possível frequentar os locais de consumo”, advertiu.

Neste contexto, Pedro Siza Vieira, salientou em particular a possibilidade de o período de trocas dos produtos adquiridos ser alargado até 31 de janeiro, e de também ser alargada a época de promoções, evitando-se assim a concentração de peças nas lojas, sobretudo na semana seguinte ao Natal.

“Após a época de Natal, não teremos de fazer aquela corrida que é frequente aos espaços comerciais para fazer a troca do presente que não tem a cor ou o tamanho certo”, frisou, antes de elogiar o acordo entre associações de defesa dos consumidores, dos centros comerciais ou da distribuição.

“Este entendimento viabiliza a ideia de que a experiência dos consumidores é segura e espalhada no tempo”, acrescentou.

Continuar a ler

Populares