Seguir o O MINHO

País

Covid-19: Mais 3 mortos, 313 infetados e 293 recuperados no país

Boletim diário da DGS

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal regista hoje 1.579 mortes relacionadas com a covid-19, mais três do que na terça-feira, e 42.454 infetados, mais 313, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Há 27.798 casos recuperados, mais 293.


De acordo com o boletim epidemiológico da DGS, o número de mortos relacionadas com a covid-19 ascende hoje a 1.579 pessoas enquanto os casos confirmados desde o início da pandemia totalizam 42.454 infetados.

Em comparação com os dados de terça-feira, constatou-se hoje um aumento de óbitos de 0,19%, crescimento percentual idêntico ao verificado na evolução dos casos de infeção (mais 0,74%).

 Na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado o maior número de surtos, a pandemia de covid-19 atingiu hoje os 19.383 casos, mais 218 do que na terça-feira.

Esta região tem atualmente quase metade dos infetados em todo o país (45,65%).

Houve um aumento de doze pessoas internadas em relação a terça-feira, sendo agora 503, das quais 79 estão em unidades de cuidados intensivos (mais seis do que na contabilização anterior).

Em Portugal continental registou-se um aumento do número de infetados, com o norte a representar a segunda região com maior crescimento. Nesta região, a DGS contabiliza mais 64 pessoas infetadas com o novo coronavírus, atingindo hoje as 17.585.

A região Centro surge na posição seguinte da lista das regiões com maior crescimento do número de infetados, tendo registado mais 11 do que na terça-feira, o que totaliza 4.121 pessoas infetadas com covid-19.

Também no Alentejo foram detetados mais sete infetados, tal como na terça-feira, atingindo agora os 491. No Algarve houve um aumento de 14 novos doentes, chegando aos 632.

Nas ilhas, os números de infetados e mortos mantêm-se inalterados: Nos Açores há registo de 150 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-Cov-2 e 15 mortos, enquanto na Madeira há 92 pessoas infetadas e sem qualquer óbito registado.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a segunda com maior número de óbitos (475), mais dois do que na terça-feira.

O Norte regista hoje mais um morto, totalizando 819. No resto do país, não houve aumento de casos de mortos: O Centro mantém os 248 óbitos, o Algarve com 15 mortos e o Alentejo regista sete mortos.

 Do total de pessoas infetadas em Portugal, 503 estão internadas, mais doze do que na terça-feira, estando 79 em unidades de cuidados intensivos, mais seis do que na contabilização anterior.

Na distribuição dos casos infetados por concelhos, Lisboa é o que regista o maior número de casos, com 3.544 (mais 42 do que na terça-feira), seguido por Sintra, com 2.704 (mais 36).

No terceiro lugar dos concelhos com mais infetados encontra-se Loures, com um total de 1856 (mais 29), seguindo-se a Amadora, com 1.718 (mais 21 infetados do que na terça-feira), e Vila Nova de Gaia, com 1.661 (mais 11).

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, destaca-se ainda Odivelas que subiu para 1.125 infetados, ou seja mais 24 casos do que na terça-feira.

Numa análise de todo o país, surgem outros quatro concelhos com mais de mil casos, mas sem qualquer alteração em relação a terça-feira: Porto manteve os 1.414 casos de infeção, Matosinhos continua com 1.292, Braga soma 1.256 doentes, e Gondomar com 1.093 casos.

Os dados do relatório da DGS indicam que, do total de mortes registadas até hoje, 787 são homens e 792 são mulheres. O que significa que de terça para quarta-feira faleceram um homem e duas mulheres, e todos com 80 ou mais anos.

Por faixa etária, o maior número de mortes regista-se precisamente entre as pessoas com 80 ou mais anos (1.059), mais três do que na terça-feira. Depois surgem 304 vítimas que tinham entre os 70 e os 79 anos.

Entre a população com idades compreendidas entre os 60 e 69 anos há 144 mortes, além de 50 mortes entre as pessoas com idade entre os 50 e os 59 anos.

Entre os 40 e os 49 anos houve 18 mortos, duas entre os 30 e os 39 anos e duas na faixa etária dos 20 aos 29 anos.

Em termos globais, a faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (7.052), mas foi entre os 20 e os 40 anos que se registou um aumento maior de infetados em relação a terça-feira.

Na faixa entre os 30 e os 39 anos há agora 6.789 infetados, ou seja, mais 68 do que no dia anterior. E entre os jovens dos 20 aos 29 registou-se um aumento de 69 casos, havendo agora 6.215 infetados.

Entre as pessoas com idades compreendidas entre os 50 e os 59 anos há 6.654.

Nas faixas etárias mais jovens, entre os 10 e os 19 anos, 1.740, enquanto nas crianças até aos nove anos há 1.243 casos (mais 11 do que na terça-feira).

A DGS contabiliza ainda 4.374 casos na faixa etária dos 60 aos 69 anos, 3.053 entre os 70 e os 79 anos, e 5.300 com mais de 80 anos.

A aguardar resultado laboratorial de testes estão 1.450 pessoas e em vigilância pelas autoridades de saúde estão 31.389.

Desde o dia 01 de janeiro, Portugal registou 382.818 casos suspeitos, segundo adianta o boletim, referindo que 27.798 recuperaram, mais 293 do que na terça-feira.

Anúncio

País

Governo determina à Proteção Civil abertura de inquérito ao fogo no Parque Nacional da Peneda-Gerês

Ministerio da Administração Interna

em

Foto: DR/Arquivo

O Ministério da Administração Interna determinou hoje à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) a abertura de um inquérito ao incêndio que deflagrou no Parque Nacional da Peneda-Gerês, disse à agência Lusa fonte oficial.

A fonte, ligada ao MAI, lembrou que, no combate ao incêndio, ocorreu um acidente com uma aeronave portuguesa de combate ao fogo, que provocou na morte do piloto.

Em relação ao inquérito ao acidente com o ‘Canadair’ despenhado, fonte da investigação disse à Lusa que é da responsabilidade de Espanha.

Devido ao facto de o acidente ter acontecido em território de Espanha, fonte do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) explicou à Lusa que são as autoridades espanholas que têm a responsabilidade e a competência para desenvolver a investigação.

Inicialmente pensava-se que a aeronave tinha caído em território nacional, mas a ANEPC indicou que o acidente “ocorreu em território espanhol, um a dois quilómetros da fronteira portuguesa”.

Espanha investiga queda de avião em incêndio no Parque Nacional da Peneda-Gerês

O GPIAAF explicou que deslocou uma equipa para o local porque, quando recebeu a notificação do acidente, ainda não se sabia que o mesmo tinha acontecido em território espanhol, acrescentando este organismo que está a colaborar com a sua congénere espanhola.

O piloto, de nacionalidade portuguesa, de 65 anos, morreu no local, apesar das tentativas realizadas pelos elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), enquanto o segundo piloto, de nacionalidade espanhola e de 39 anos, foi assistido no local e transportado em “estado grave” para o Hospital de Viana do Castelo.

Governo envia condolências à família do piloto que morreu em Ponte da Barca

Numa nota de imprensa, a ANEPC afirmou tratar-se de um avião anfíbio pesado (Canadair CL215), do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, do Centro de Meios Aéreos de Castelo Branco, que participava nas operações de combate a um incêndio que lavra no Parque Nacional da Peneda Gerês, freguesia de Lindoso, concelho de Ponte da Barca.

O avião despenhou-se num acidente junto à Barragem do Alto do Lindoso, na sequência de uma operação de ‘scooping’ (reabastecimento de depósito de água), acrescentou.

De acordo com a página de Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, pelas 14:25 estavam a combater as chamas 132 operacionais, apoiados por 34 veículos e 11 meios aéreos portugueses e espanhóis.

Continuar a ler

País

Marcelo vai “esperar para ver” resultado das negociações sobre aumento do salário mínimo

Política

em

Marcelo Rebelo de Sousa. Foto: Twitter de António Costa / Arquivo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que vai “esperar para ver” o resultado das negociações, em sede de Concertação Social, sobre o aumento do salário mínimo nacional.

“É uma questão que envolve vários parceiros e, portanto, é prematuro estar a comentar aquilo que é um processo em curso”, declarou, na ilha do Porto Santo, arquipélago da Madeira, onde termina hoje um curto período de férias.

Marcelo Rebelo de Sousa comentava, desta forma, uma notícia avançada na edição de hoje pelo semanário Expresso, que aponta para uma “subida de tom” da tensão entre parceiros para o aumento do salário mínimo nacional, que deveria chegar aos 670 euros em 2021 e aos 750 em 2023.

O impacto da pandemia de covid-19 na economia do país levantou, no entanto, a possibilidade de não haver aumento no próximo ano.

“Eu, em relação a essas notícias, acho que o melhor é esperar para ver”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhando que não faz comentários políticos em período de férias.

“Para comentar, o sítio ideal não é em férias no Porto Santo”, declarou, pouco antes de avançar para um mergulho no mar, apesar da chuva que se faz sentir hoje na ilha.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais 4 mortos, 186 infetados e 277 recuperados no país

Boletim diário da DGS

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal regista hoje mais 4 mortes e 186 novos casos de infeção por covid-19, 113 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo, em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 52.537 casos de infeção confirmados e 1.750 mortes.

Há 38.364 casos recuperados, mais 277.

Continuar a ler

Populares