Seguir o O MINHO

Região

Covid-19: Distrito de Braga ultrapassa os 5.000 casos. Guimarães com mais 142

Dados da DGS por concelho

em

Foto: CM Guimarães / Arquivo

Os distritos de Braga e Viana do Castelo somam 379 novas infeções de covid-19 confirmadas, desde a passada segunda-feira, de acordo com os dados divulgados hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).


O Minho totaliza, assim, desde o início da pandemia 5.792 casos confirmados.

O distrito de Braga regista mais 327 novos casos. Segundo o relatório da DGS, o distrito tem um acumulado de 5.018 casos confirmados.

O concelho de Guimarães volta a ser aquele em que há maior aumento de novos casos: são mais 142 numa semana, totalizando 1.173.

Famalicão volta a ser o segundo concelho do Minho com mais novos casos: 56, o que perfaz um total de 755.

Já Braga tem mais 30 casos (total 1.494), Barcelos mais 33 (420) e Vila Verde mais 22 (376).

De resto, quase todos os concelhos do distrito de Braga registam subidas: Vizela tem agora um total de 192 (+4), Fafe 160 (+7), Amares 114 (+8), Póvoa de Lanhoso 120 (+8), Esposende 76 (+7), Terras de Bouro 39 (+8), Vieira do Minho 39 (+1) e Cabeceiras de Basto 28 (+1).

Celorico de Basto com 32 casos não sofre alterações.

No distrito de Viana do Castelo, de acordo com o relatório, existem 52 novos casos, somando agora o Alto Minho um acumulado de 774 infeções desde o início da pandemia.

A maior subida registou-se, mais uma vez, em Valença com 14 novos casos (47 no total), logo seguido por Viana do Castelo com mais 13 (total 287).

Monção tem agora 128 casos (+4), Arcos de Valdevez 84 (+5), Ponte de Lima 64 (+7), Caminha 41 (+4), Ponte da Barca 27 (+3), Cerveira 18 (+1) e Paredes de Coura 10 (+1).

Melgaço mantém o número da semana passada: 68.

Portugal regista hoje mais 8 mortos e 623 novos casos de infeção por covid-19, em relação a domingo, segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 69.200 casos de infeção confirmados e 1.920 mortes.

Há ainda 45.736 recuperados, mais 140 do que ontem.

Anúncio

Ave

Homem em estado grave após atropelamento em Fafe. Condutor em fuga

EN 207

em

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Um homem de 54 anos sofreu ferimentos graves na sequência de um atropelamento ao final da tarde desta sexta-feira, em Fafe, apurou O MINHO junto do CDOS de Braga.

Pelo que foi possível apurar, o acidente ocorreu na Estrada Nacional 207, entre as freguesias de Passos e Travassós, cerca das 19;11, com o homem a ser atropelado quando seguia a pé. O condutor ter-se-à posto em fuga.

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

O homem foi encontrado por condutores que seguiam naquela estrada.

No local estiveram os Bombeiros de Fafe, SIV de Fafe e VMER de Guimarães.

A vítima foi encaminhada para o Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães.

A GNR de Fafe registou a ocorrência.

Continuar a ler

Ave

Professora de Famalicão vence menção honrosa entre os melhores do país

Global Teacher Prize Award

em

Foto: Divulgação / CM Famalicão

Ana Mendes, professora no Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, em Famalicão, venceu hoje uma menção honrosa no prémio Global Teacher Prize Portugal 2020, pela “sustentabilidade social” patente nas suas aulas.

A docente, com 26 anos de serviço educativo, tem a seu cargo as disciplinas de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) e também Educação Ambiental, esta última aplicada a alunos com necessidades especiais.

Em entrevista ao portal Educris, Ana Mendes explica que se fez professora de EMRC depois de ter passado boas experiências com professoras, tanto no ensino primário como no secundário.

Ensinar é uma “missão” para a docente, que quer “ajudar os alunos a refletir sobre o mundo que os rodeia”, sem esquecer o “dado ético-moral com pano de fundo”, de forma a ajudar a formar “cidadãos mais comprometidos com a sociedade e mais fraternos”.

O prémio que agora recebe deve-se ao projeto desenvolvido junto de alunos com necessidades especiais, no agrupamento de escolas de Famalicão.

“Estava na escola e fui-me fazendo próxima das necessidades da comunidade educativa. A Educação ambiental surgiu através do projeto Eco-Escola numa altura em que a própria autarquia permitiu muita formação na área da agricultura biológica, cultura do linho ou a poda”, explicou ao portal Educris.

“Convidámos os pais e os avós a virem à escola para apresentarem o seu conhecimento acerca dos temas e trabalhamos, com os alunos em projetos para que possam ser protagonistas da sua própria aprendizagem. Quando o aluno realiza, quando faz, nunca mais esquece”, assegurou à mesma fonte.

Embora não tenha vencido o principal prémio, Ana Mendes traz reconhecimento deste concurso, que motivou até elogios por parte do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha: “É uma nomeação que enche Famalicão de orgulho e que demonstra o quão inspiradores são os nossos professores”, escreveu o autarca no Facebook.

O Global Teacher Prize Portugal contou com seis finalistas que concorreram a um prémio de 30 mil euros. Consiste em premiar professores “inovadores” e o dinheiro é para aplicar em “projetos pedagógicos”.

A vencedora da edição deste ano foi Sónia Moreira, de Gaia.

Continuar a ler

Alto Minho

Ponte da Barca pede redução de portagens na autoestrada A3

Mobilidade

em

Foto: DR

O presidente da Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho, pediu hoje à ministra da Coesão Territorial que a redução das portagens na autoestrada 3 (A3), entre Braga e Valença, seja incluída no programa de valorização do interior.

“A A3 apresenta-se hoje como a principal via de ligação dos concelhos do Alto Minho à região em quem se encontra, e ao país, assim como se configura como a principal via de acesso à Galiza”, destaca o autarca social-democrata Augusto Marinho, citado num comunicado hoje enviado às redações.

Segundo o autarca de Ponte da Barca, no distrito de Viana do Castelo, aquela autoestrada “é deveras importante para a promoção e divulgação das potencialidades do concelho e do Alto Minho, estratégica para a localização industrial e empresarial, para o turismo e para a atração de investimento”.

Para Augusto Marinho, “à semelhança de outras vias do interior do país onde está prevista a redução das portagens, o Alto Minho enquanto território do interior e de baixa densidade, não pode ser prejudicado”.

“Muito pelo contrário, pois existem mecanismos de financiamento em que a eventual redução do valor das portagens pode encontrar acolhimento como é o caso do programa de valorização do interior, que substituiu o programa nacional para a coesão territorial”, reforça.

Para o autarca sublinha que “o atual executivo definiu o desenvolvimento económico como prioridade de atuação municipal, e que esta medida de boa vontade do Governo, poderá garantir uma maior competitividade e atratividade para as empresas, geradora de emprego e rendimento, bem como poderá garantir a fixação de pessoas”.

Continuar a ler

Populares