Seguir o O MINHO

Região

Covid-19: Cerveira sai de risco elevado e Cabeceiras de Basto sem novos casos

Atualização da DGS

em

Mapa de risco no distrito de Braga. Gráfico: O MINHO

Os 24 concelhos do Minho estão em risco moderado de contágio (menos de 240 casos por 100 mil habitantes), após Cerveira ter descido do patamar de risco elevado (entre 240 e 420 casos por 100 mil habitantes), segundo o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), emitido esta segunda-feira.

Segundo os dados de incidência cumulativa referentes ao período entre 03 e 16 de março, Cabeceiras de Basto junta-se a Terras de Bouro com taxa de incidência zero.

No distrito de Braga, houve ligeiras subidas nos concelhos de Vila Verde, Vizela, Celorico de Basto e Fafe, manteve-se igual em Vieira do Minho e voltou a descer em todos os outros.

Assim, no distrito de Braga as taxas de incidência são as seguintes: Braga (30 por 100 mil habitantes), Guimarães (42), Barcelos (79), Famalicão (94), Vila Verde (58), Amares (17), Póvoa de Lanhoso (9), Vieira do Minho (34), Fafe (44), Esposende (38), Vizela (21), Celorico de Basto (32), Terras de Bouro (0) e Cabeceiras de Basto (0).

Mapa de risco no Alto Minho. Gráfico: O MINHO

No Alto Minho, apenas Viana do Castelo registou um aumento da taxa de incidência (de 113 para 166).

Nos restantes concelhos registam-se as seguintes taxas de incidência por 100 mil habitantes: Cerveira (112), Caminha (50), Ponte da Barca (27), Monção (39), Arcos de Valdevez (81), Melgaço (49), Paredes de Coura (12), Ponte de Lima (61) e Valença (15).

Segundo a nota metodológica do boletim epidemiológico, a incidência cumulativa a 14 dias de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada, por concelho, a 31 de dezembro de 2019, pelo Instituto Nacional de Estatística, IP, expressa em número de casos por 100.000 habitantes.

Portugal tem hoje uma incidência de 81,3 novos casos de infeção com SARS-CoV-2 por 100.000 habitantes e um índice de transmissibilidade (Rt) de 0,89, segundo o boletim conjunto da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do INSA.

De acordo com os dados oficiais, quando analisado apenas o território de Portugal Continental a incidência situa-se nos 70,3 casos por 100.000 habitantes e o Rt em 0,88.

A incidência refere-se ao número de novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Estes indicadores são os critérios definidos pelo Governo para a avaliação contínua do processo de desconfinamento iniciado na passada segunda-feira.

Em 11 de março, na apresentação do plano de desconfinamento, o primeiro-ministro, António Costa, avisou que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapassar os “120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias” ou sempre que o Rt – o número médio de casos secundários que resultam de um caso infetado pelo vírus – ultrapasse 1.

O último relatório sobre estes indicadores, divulgado na sexta-feira, dava conta que Portugal registava 87,2 casos de SARS-CoV-2 por 100.000 habitantes e um índice de transmissibilidade (Rt) de 0,86. Considerando apenas Portugal continental, o índice de transmissibilidade era de 0,84 e a incidência de 75,7 casos.

Portugal registou hoje 16 mortes relacionadas com a covid-19, mais 10 do que no domingo, e 248 novos casos de infeção com o novo coronavírus, menos 202, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o relatório da situação epidemiológica da DGS, o número de doentes internados em enfermaria subiu para 771, mais seis do que no domingo.

Nas unidades de cuidados intensivos (UCI) estão 165 doentes internados, menos cinco face à véspera.

Os dados indicam ainda que 555 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 767.874 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

Os casos ativos em Portugal continuam a registar uma diminuição, com 33.120 contabilizados hoje, menos 323.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.716.035 mortos no mundo, resultantes de mais de 123 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.784 pessoas dos 817.778 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Populares