Seguir o O MINHO

País

Costa exalta-se com homem que o acusou de meter férias nos incêndios de Pedrógão

Último dia de campanha eleitoral

em

O PS juntou hoje muita gente na descida do Chiado, em Lisboa, numa ação marcada por um incidente de António Costa com um homem que o acusou de ter metido férias durante o incêndio de Pedrógão Grande.

O incidente ocorreu já no final da arruada, por baixo das arcadas da Praça do Comércio, quando um homem abordou o secretário-geral do PS para o criticar “por ter gozado merecidas férias enquanto morriam pessoas” nos incêndios.

“No dia 18 de junho eu estava lá. Mentiroso provocador, o senhor não estava lá no dia 18 [de junho de 2017]”, respondeu António Costa, visivelmente exaltado, momentos antes de partir para o Porto, de comboio, onde esta noite encerra a campanha eleitoral do PS.

Já na estação de Santa Apolónia, em declarações aos jornalistas, o líder socialista classificou como “absolutamente lamentável” que se utilizem esse tipo de argumentos em campanha eleitoral – e até invocou em sua defesa a conclusão a que chegou o “Polígrafo”, da SIC, sobre a sua presença em Pedrógão Grandes, durante os dias de incêndio.

“Como toda a gente sabe – e o Polígrafo da SIC demonstrou-se – no dia 17 de junho de 2017 estava em Lisboa e estava em funções. No dia 18 de junho de 2017, estava na Câmara Municipal de Pedrógão Grande a reunir com todos os autarcas e a fazer o levantamento de todas as situações”, declarou.

Segundo o secretário-geral do PS, além do rescaldo dos fogos, começou logo a preparar o processo de reconstrução”.

“Se me perguntam se devia ser mais calmo, claro que sim. Mas foi uma calúnia que me ofendeu. Todos temos o nosso limite em relação àquilo que podemos suportar. Para mim é profundamente insultuoso esta campanha que a direita persiste em fazer”, disse ainda aos jornalistas.

Antes deste incidente, era visível a satisfação dos dirigentes socialistas com a adesão de simpatizantes e militantes do PS à tradicional ação de rua deste partido, entre o Chiado e o Terreiro do Paço.

António Costa fez o percurso pelas ruas do Carmo e Augusta sempre acompanhado pela sua mulher, Fernanda, bem como pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, pelo seu ministro das Finanças, Mário Centeno, e pelo presidente do partido, Carlos César.

Nos contactos que teve de rua, o líder socialista recebeu muitas mensagens de apoio, numa ação em que não houve bombos e banda de música por respeito à morte do antigo ministro, fundador e primeiro líder do CDS, Freitas do Amaral, na quinta-feira.

De registar ainda que, no Largo Camões, após o tradicional almoço socialista na Cervejaria Trindade e antes de iniciar a descida do Chiado, António Costa encontrou-se uma delegação de cerca de 30 elementos dos sociais-democratas suecos que se encontram em Portugal.

O incêndio que deflagrou há dois anos em Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos provocou a morte de 66 pessoas e 253 feridos, sete dos quais graves, e destruiu cerca de meio milhar de casas e 50 empresas.

Mais de dois terços das vítimas mortais (47 pessoas) seguiam em viaturas e ficaram cercadas pelas chamas na Estrada Nacional 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, no interior norte do distrito de Leiria, ou em acessos àquela via.

Anúncio

País

Governo garante aumento de apoios para os produtores florestais

O ministro do Ambiente deixou claro que Portugal precisa mesmo da floresta e garantiu que o país vai ser neutro em carbono no ano 2050

em

Foto: DR / Arquivo

O ministro do Ambiente garantiu hoje que os apoios aos produtores florestais vão aumentar e adiantou que o orçamento do fundo florestal permanente vai contar com mais cinco milhões de euros para apoiar as organizações florestais.

“Sejamos honestos, se 97% da floresta [portuguesa] é de alguém que não o Estado, é evidente que os apoios a esse alguém têm mesmo que aumentar a partir de agora. E posso garantir-vos que no próximo ano, no orçamento do fundo florestal permanente, isso vai ser muito evidente”, afirmou João Matos Fernandes.

O governante, que falava em Castelo Branco, durante a cerimónia de apresentação do 6.º Inventário Florestal Nacional, explicou que há ainda uma parcela, com expressão, do fundo florestal permanente que era dedicada a pagar medidas agroambientais que nada tinham a ver com a floresta.

“Só esse valor são cinco milhões de euros que eu posso garantir-vos que no próximo ano estarão dedicados ao apoio às organizações florestais, com o objetivo de tudo fazerem para aumentar o valor da floresta”, sublinhou.

O ministro deixou claro que Portugal precisa mesmo da floresta e garantiu que o país vai ser neutro em carbono no ano 2050.

“Isto é uma convicção, é um compromisso. Fomos o primeiro país do mundo a dizer que iremos ser neutros em carbono no ano de 2050. Boa parte dos países da Europa acompanha-nos nesta vontade. Mas, temos que ser rigorosos e dizer que a União Europeia ainda não conseguiu assumir este compromisso como um todo”, frisou.

Adiantou ainda que ser neutro em carbono não significa emissões zero, mas implica reduzir em muito as emissões, para terem um valor entre 85 e 90% das 60 megatoneladas de CO2/ano que são o ponto de partida.

“O grande sequestrador de carbono em Portugal é a floresta. E, por isso, a melhor forma de aumentar o sequestro de carbono e mesmo aumentando a área destinada à floresta de revoluções longas. É absolutamente fundamental que isso aconteça. E se 97% da floresta portuguesa é privada só o conseguiremos fazer em parceria com os proprietários florestais”, disse.

Matos Fernandes realçou o trabalho feito nos últimos anos, por parte do Estado, na preservação estrutural contra incêndios.

“[O Estado] Investiu na perspetiva da prevenção estrutural, no caso dos parques naturais o resultado é magnífico. A média dos últimos 10 anos de área ardida nas áreas protegidas e parques naturais era na ordem de mais de 11 mil hectares por ano. No ano passado foi de 1.400 hectares e, este ano, mil hectares”, sustentou.

Explicou ainda que os parques naturais e áreas protegidas situavam-se, sensivelmente, entre os 7 e os 10% da área ardida, sendo que no último ano situaram-se nos 2,5%.

“Temos de facto agido bem naquilo que é a preservação estrutural contra incêndios e na capacidade de os poder combater. E, nos últimos dois anos, temos feito o melhor que conseguimos para gerir a pequena parcela de floresta pública que está connosco”, concluiu.

Continuar a ler

País

Foo Fighters primeira confirmação para o Rock in Rio Lisboa

Nona edição

em

Foto: Wikipedia

Os norte-americanos Foo Fighters vão atuar a 21 de junho no festival Rock in Rio Lisboa, no Parque da Bela Vista, anunciou hoje a organização.

A banda de Dave Grohl é a primeira confirmação do cartaz do festival, cuja nona edição está marcada para os dias 20, 21, 27 e 28 de junho, em Lisboa.

O regresso a Portugal acontecerá numa altura em que a banda estará a celebrar 25 anos de carreira, contando a partir de finais de 1994, quando Dave Grohl, então baterista dos Nirvana, gravou uma série de temas que viriam a fazer parte, um ano depois, do primeiro álbum dos Foo Fighters.

Em setembro passado, Dave Grohl revelou que a banda iria trabalhar num novo álbum, sucessor de “Concrete & Gold”, de 2017, possivelmente para editar em 2020.

A relação dos Foo Fighters com o público português remonta a 1998, quando atuaram na Expo’98, em Lisboa, e no Coliseu do Porto. Tinham então dois álbuns, “Foo Fighters” (1995) e “The colour and the shape” (1997).

Nestas duas décadas, já passaram também pelos festivais de Paredes de Coura e Alive (Oeiras). Em 2004 atuaram na primeira edição do festival Rock in Rio Lisboa.

Para a edição de 2020, o festival promete dois fins de semana com 12 horas de entretenimento diário em 14 espaços, incluindo concertos, dança, jogos, uma roda gigante e uma montanha-russa.

Continuar a ler

País

“Interesses organizados” na comunicação social pública devem ser afastados, diz a ERC

Entidade Reguladora para a Comunicação Social

em

Foto: DR

A vogal da Entidade Reguladora para a Comunicação Social portuguesa (ERC), Fátima Resende, considerou hoje que os poderes públicos devem defender a independência dos órgãos de comunicação social (OCS) públicos em função da população, por oposição a “interesses organizados”.

“Compete aos poderes públicos e ao Governo o dever de defender a independência e a imparcialidade dos órgãos de comunicação social públicos, em particular como agentes ao serviço das sociedades democráticas, por oposição a interesses organizados que prejudiquem o bem público”, defendeu a representante da ERC durante o VIII Encontro da Plataforma das Entidades Reguladoras da Comunicação Social dos Países e Territórios de Língua Portuguesa, que decorreu hoje em Lisboa.

Na conferência, na sede da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, Fátima Resende sublinhou que “não há democracia sem pluralismo” e que a qualidade de uma democracia é “baseada no pluralismo nela praticado”.

“O pluralismo é inseparável da liberdade, da democracia e de um Estado de direito”, vincou a responsável da entidade reguladora portuguesa.

No painel “Democracia e Pluralismo nos Media: desafios da Desinformação”, Fátima Resende abordou ainda a questão das ‘fake news’.

“O tema de desinformação nas redes de comunicação eletrónica assume, hoje em dia, uma grande relevância na Europa, pelas graves implicações que dela podem advir para a sociedade, chegando mesmo a desestabilizar processos democráticos”, acrescentou a responsável da ERC, que considerou que as campanhas eleitorais são “terreno fértil” para o surgimento de notícias falsas.

Fátima Resende advertiu que “alimentar o engano só pode ter consequências nefastas nos regimes democráticos”.

As ‘fake news’, comummente conhecidas por notícias falsificadas, desinformação ou informação propositadamente falsificada com fins políticos ou outros, ganharam importância nas presidenciais dos EUA que elegeram Donald Trump, no referendo sobre o ‘Brexit’ no Reino Unido e nas presidenciais no Brasil, ganhas pelo candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro.

Continuar a ler

Populares