Seguir o O MINHO

Alto Minho

Corpo de coronel de Vila Praia de Âncora esteve 11 horas na rua até ser removido

Óbito

em

Imagens: CMTV

O corpo do falecido coronel João Manuel Taxa Araújo esteve onze horas na via pública até ser removido pelas entidades competentes, depois de um alegado atraso do delegado de saúde de Santarém, onde o antigo oficial perdeu a vida, depois de um ataque fulminante.


Através da rede social Twitter, o filho do antigo comandante da Brigada de Trânsito de Santarém, natural de Vila Praia de Âncora, relata momentos de consternação por ter de esperar onze horas pela remoção do cadáver do pai.

Recorde-se que o antigo comandante da Escola Prática de Cavalaria sentiu-se mal, pediu à esposa para o levar ao hospital, mas quando estava já na rua, a dirigir-se para um automóvel, acabou por sofrer uma paragem cardíaca fulminante.

Taxa Araújo era uma figura estimada por entre a comunidade de Santarém, para onde foi viver há várias décadas. Era visita regular nas festas de Nossa Senhora da Bonança, em Vila Praia de Âncora, onde tentava comparecer de forma anual.

 

Anúncio

Alto Minho

Reabilitação “urgente” em igreja de Paredes de Coura pronta até final do ano

Rubiães

em

Foto: Divulgação / DRCN

As coberturas da igreja e torre de São Pedro de Rubiães, em Paredes de Coura, estão a ser reabilitadas, numa intervenção “urgente” de 50 mil euros a concluir até final do ano, foi hoje divulgado.

Em comunicado, a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) justifica a “urgência” da intervenção no templo, classificado como Monumento Nacional, com “o avançado estado de degradação em que as coberturas da igreja se encontravam, com particular incidência nas águas do telhado voltadas a norte”.

A empreitada, orçada em cerca de 50 mil euros, é financiada pelo Ministério da Cultura, através DRCN, com o apoio da Câmara de Paredes de Coura, no distrito de Viana do Castelo.

“Com a empreitada em curso pretende-se repor o bom desempenho das coberturas da igreja e corpo da sacristia, através da substituição integral do revestimento cerâmico dos telhados por outro idêntico e colocação de novos rufos, bem como a revisão, tratamento e reforço de todos os madeiramentos da estrutura de suporte”.

A intervenção prevê ainda a limpeza das fachadas, da torre e das restantes superfícies em granito, “atendendo à colonização biológica intensa que apresentam”.

A igreja de São Pedro de Rubiães, na freguesia com o mesmo nome, é propriedade do Estado e tem culto regular.

“Trata-se de um dos exemplares mais interessantes do românico do Alto Minho, que se insere ainda numa paisagem envolvente bem conservada. Mantém na fachada principal um portal de arco pleno bem decorado, ao qual acresce um conjunto de cachorros singular, com motivos vegetalistas e antropomórficos a suportar cornija enxaquetada que envolve a nave e capela-mor”, destaca a DRCN.

A igreja “terá sido construída em finais do século 13, integrando na configuração atual do corpo da igreja alterações realizadas já durante o século XVI, sendo que a torre sineira foi introduzida posteriormente, a norte”.

Continuar a ler

Alto Minho

Viana do Castelo faz empréstimo de 2,7 milhões para obras a realizar até 2021

Estradas, equipamentos escolares e desportivos

em

Foto: CM Viana do Castelo (Arquivo)

A Câmara de Viana do Castelo aprovou hoje, com a abstenção do PSD, a contratação de um empréstimo de 2,7 milhões de euros, para financiar investimentos em estradas, equipamentos escolares e desportivos a concluir até 2021.

Na apresentação da proposta, o presidente da câmara, o socialista José Maria Costa, explicou que, com a contratação daquele empréstimo, “não fica colocada em causa a disponibilidade financeira do município”, acrescentando que os 2,7 milhões de euros visam “garantir a componente nacional de candidaturas apresentadas a fundos comunitários e já aprovadas, com taxas a fundo perdido de 85%”.

Daquele montante, a aplicar em 2020 e 2021, cerca de um milhão de euros será investido na requalificação de estradas e caminhos municipais, meio milhão de euros na reabilitação do pavilhão municipal Zé Natário, 900 mil euros na construção de relvados sintéticos e equipamentos desportivos e 300 mil euros, na requalificação da escola EB 2,3 Pintor José de Brito.

A bancada do PSD no executivo municipal justificou a abstenção com o facto de, em fevereiro, a assembleia municipal ter aprovado a contratação de um empréstimo de médio e longo prazo para financiamento de investimento, no valor total de 3.882.500 euros, mas “muitos destes investimentos não foram realizados”.

“A nova proposta para investimentos vem hipotecar a liquidez financeira deste município. Preocupa-nos este facto, não os investimentos, porque os consideramos relevantes para a estratégia de desenvolvimento local. A nossa preocupação prende-se exclusivamente com o não comprometimento financeiro da autarquia, uma vez que nos parece que, neste momento, particularmente devido às contingências atuais de crise, é um risco enveredar por uma estratégia de investimento assente em empréstimos bancários”, sustenta a declaração de voto do PSD.

Na reunião camarária de hoje, foi ainda aprovado, por unanimidade, um investimento de mais de 2,1 milhões de euros em transportes escolares, refeições e auxílios económicos a alunos do concelho, para o ano letivo 2020/2021.

Foi ainda aprovada, por unanimidade, a abertura de um concurso público, no valor de 750 mil euros, para concluir a remoção de coberturas com placas de fibrocimento de cinco escolas do concelho.

De acordo com a proposta, as escolas básicas da Abelheira, Carteado Mena, Pedro Barbosa, Foz do Neiva e Arga e Lima “vão ter as atuais coberturas substituídas por painéis de poliuretano em sistema ‘sandwich'”.

“Este investimento municipal corresponde à última fase da remoção de fibrocimento nos edifícios escolares”, sustenta o município, lembrando que, até 2017, foram investidos mais de meio milhão de euros na substituição das coberturas em fibrocimento de treze equipamentos escolares, designadamente escolas de ensino básico e jardins-de-infância”, refere a proposta aprovada.

Continuar a ler

Alto Minho

Viana do Castelo aprova moção de repúdio à proposta da nova lei das minas

Política

em

Foto: Facebook de Susana Araújo / Grupo "Movimento SOS Serra d'Arga"

A Câmara de Viana do Castelo aprovou hoje por maioria, com a abstenção da CDU, uma moção de repúdio proposta pelo PSD ao projeto de decreto-lei que visa regulamentar a futura lei das minas.

O documento, apresentado hoje pela líder da bancada social-democrata, Cristina Veiga, no período antes da ordem do dia da reunião ordinária do executivo municipal, vai ser enviada para o Ministério do Ambiente e Ação Climática e para a Assembleia da República.

Em causa está o projeto de decreto-lei que regulamenta a denominada lei das minas (Lei 54/2015, de 22 de junho), que esteve em discussão pública entre o dia 16 e 31 de julho.

O documento, hoje aprovado com os votos da maioria socialista, sublinha que aquele projeto de decreto-lei “não serve a estratégia de crescimento e desenvolvimento sustentável do concelho e do distrito de Viana do Castelo”.

“Existem fortes indícios de que será permitido o prosseguimento de procedimentos que podem pôr em causa disposições dos Instrumentos de Gestão Territorial (planos nacionais, regionais, intermunicipais ou municipais de ordenamento do território), refere o texto da moção.

A moção de repúdio destaca ainda que aquele projeto de decreto-lei “afasta a pronúncia e intervenção dos municípios em cujo território se inclua, não os vinculando ao processo”, e “não afasta a possibilidade das áreas protegidas de âmbito nacional de serem incluídas em propostas a submeter a procedimento concursal”.

No distrito de Viana do Castelo, a preocupação de autarquias e movimentos cívicos prende-se com a Serra d’Arga, que abrange uma área de 10 mil hectares, nos concelhos de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura, Viana do Castelo e Ponte de Lima, dos quais 4.280 se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária.

Aqueles cinco municípios têm em curso o projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, liderado pela Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, que visa a classificação da Serra d’Arga como Área de Paisagem Protegida de Interesse Municipal.

O Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio em nove áreas do país.

Devem ser abrangidas as áreas de Serra d’Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira.

Continuar a ler

Populares