Seguir o O MINHO

Região

Conselho Regional: “Norte continua a ser das regiões mais pobres do país”

em

O presidente do Conselho Regional do Norte, Miguel Alves, disse hoje que a região continua a ser das mais pobres do país e até da Europa e que “não basta fazer o mesmo com mais força, é preciso fazer diferente”.

“A região Norte, com toda força que tem, com toda a pujança económica, com a vontade das suas gentes e dos seus autarcas, continua a ser, décadas depois de receber fundos comunitários, uma das regiões mais pobres do país e da Europa”, afirmou.

O responsável que falava à Lusa no final do debate sobre a participação da Região Norte no Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, que decorreu hoje na Comissão de Coordenação Regional do Norte (CCDR-N) e que contou a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, defendeu que “não basta fazer o mesmo com mais força. É preciso fazer diferente, porque os recursos são escassos”.

O presidente do Conselho Regional e também da Câmara de Caminha avisou que, desta vez, o país “não pode voltar a errar” e admitiu a possibilidade de até ao final do ano se poder debater “um documento já não tão extensivo ou tão pormenorizado, mas que elenque as prioridades absolutas da Região Norte”.

Em declarações à Lusa, Miguel Alves disse ainda que esta reunião é também “o reconhecimento de que nem tudo foi sempre bem feito”, o que levou a que, “por uma vez, pela primeira vez talvez, o governo tenha tido a preocupação de ouvir aqueles que estão no território para perceber o que é necessário fazer para alavancar o território”.

“Estamos a falar de grandes investimentos. Para termos uma ideia, o que o governo nos propõe é que possamos identificar investimentos até 75 milhões de euros”, acrescentou, sublinhando que “obviamente haverá investimentos estruturantes que poderão ter este valor ou até valores superiores” que não podem ser vistos de forma isolada.

Segundo o autarca, “os investimentos na ferrovia ou em itinerários complementares, na rede de ferrovia continuada até Espanha, não devem ser vistos de forma isolada, mas inseridos num programa global a aplicar à região Norte”.

O presidente do Conselho Regional do Norte, órgão consultivo da CCDR Norte, considera que “não se pode ficar por uma soma de vontades ou soma de projetos que pode haver em cada território, porque o dinheiro não vai chegar”.

Para Miguel Alves, o aeroporto Francisco Sá Carneiro, os portos de mar, neste caso o de Leixões e o de Viana do Castelo, as infraestruturas rodoviárias e a ferrovia, são questões transversais a toda região e constituem fatores decisivos quer para as empresas, quer para os territórios.

Na abertura deste debate, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse que a região Norte é “a maior plataforma exportadora” do país e que por isso a consistência dos investimentos é “muito importante para a capacidade exportadora do país”.

“É uma das zonas mais dinâmicas do ponto de vista económico do país, é uma das nossas grandes, senão a nossa maior plataforma exportadora e por isso a consistência dos investimentos nos nossos portos, na ferrovia, nas ligações à Galiza, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, estes investimentos são certamente muito importantes para região, mas para a própria capacidade exportadora do país”, afirmou.

Pedro Marques lembrou que “o país já pagou bastante caro pela incapacidade que teve, no passado e ao longo de décadas, de consensualizar os seus principais investimentos”.

Para o governante, os avanços e recuos que aconteceram em investimentos estruturantes para o país, tem feito Portugal “pagar preços demasiado elevados, em algumas circunstâncias, o que é precisamente isto que o governo quer evitar, nesta fase.

O Programa Nacional de Investimentos 2030 define os investimentos estratégicos que o país deverá alcançar na próxima década, estando articulado com os objetivos estratégicos definidos para o Portugal 2030, neste caso nos setores da Mobilidade e Transportes, Ambiente e Energia.

Abrange as infraestruturas de nível nacional localizadas em Portugal continental com projetos ou programas com um investimento superior a 75 milhões de euros.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Região

Três detidos por tráfico de droga em Braga e Guimarães

Durante o fim de semana

em

Foto: DR/Arquivo

O Comando de Braga da PSP deteve, durante o fim de semana, de três suspeitos de tráfico de droga, um dos quais naquela cidade e dois em Guimarães, anunciou hoje aquela força.

Um dos suspeitos, de 17 anos, foi detido no Campo das Hortas, em Guimarães, com haxixe suficiente para 43 doses. Também em Guimarães, foi detido um homem de 58 anos, com haxixe suficiente para 47 doses.

Em Braga, o detido, de 18 anos, tinha haxixe suficiente para 34 doses.

A droga foi apreendida e os detidos foram notificados para comparecerem no Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão.

Continuar a ler

Braga

Homem detido por assalto a estabelecimento comercial em Braga

O suspeito foi apanhado ainda no interior do estabelecimento

em

Foto: DR

A PSP deteve, na madrugada de domingo, um homem de 30 anos por furto num estabelecimento comercial de Braga, anunciou hoje aquela força.

O suspeito foi apanhado ainda no interior do estabelecimento, tendo um outro indivíduo conseguido pôr-se em fuga.

Para acederem ao interior do estabelecimento, arrombaram a fechadura com uma chave de fendas.

O detido vai ser presente no Tribunal Judicial da Comarca de Braga.

Continuar a ler

Braga

Braga recebe em abril primeira Convenção de Dança em Portugal

Evento vai decorrer no Altice Forum Braga

em

Casey Hard vai participar no evento. Foto: DR

A cidade de Braga vai receber a primeira Convenção de Dança em Portugal, a “Viva Dança”, no dia 28 de abril, com a organização a prometer ‘workshops’, competições e a presença de “artistas reconhecidos mundialmente”.

Apresentada hoje em conferência de imprensa, a convenção, que vai decorrer no Fórum Braga, entre as 09:00 e as 18:00, reúne no Minho nomes como Casey Herd, Daniel Cardoso e Francisca Marques, pretendendo “atrair pessoas e bailarinos”.

“Dentro dos ‘workshops’ as pessoas podem esperar artistas reconhecidos mundialmente como Casey Herd, uma das principais figuras do ballet holandês, Daniel Cardoso, diretor artístico do Quorum Ballet, que é uma instituição incrível de Portugal, Francisca Marques, vencedora do programa Let’s Dance. Ainda, Menina Fortunato, dançarina de Beyoncé [e] Britney Spears, entre outros artistas”, destacou o diretor de comunicação do Viva Dança, Bruno Vieira.

Do lado da autarquia, a vereadora do Desporto, Sameiro Araújo, destacou a “muito boa posição” de Braga no mundo da dança, apontando, além do Viva Dança, o facto de a cidade ser também anfitriã das finais do Campeonato do Mundo de Dança, em junho e julho.

Também para o Fórum Braga o evento assume uma “particular importância”, como referiu o administrador executivo daquele equipamento municipal, Carlos Silva: “Queremos que Dança Viva consiga atrair pessoas e bailarinos com vontade de conhecer e recolher formação”, apontou.

Como salientou, “vão estar em Braga alguns dos mais qualificados artistas em algumas áreas e o público poderá também assistir a demonstrações de grandes academias, no palco principal”.

O “Viva Dança” é ainda, disse, “uma oportunidade para as pessoas participarem num grande evento”.

A convenção vai contar ainda com ‘stands’ da área da saúde, venda de produtos ligados à dança e uma competição de dança em grupo.

As inscrições para os ‘workshops’ têm um custo de oito euros e os bilhetes para o “Viva Dança” já estão disponíveis, também com o preço de oito euros.

Continuar a ler

Populares