Seguir o O MINHO

Região

Conselho Regional: “Norte continua a ser das regiões mais pobres do país”

em

O presidente do Conselho Regional do Norte, Miguel Alves, disse hoje que a região continua a ser das mais pobres do país e até da Europa e que “não basta fazer o mesmo com mais força, é preciso fazer diferente”.

“A região Norte, com toda força que tem, com toda a pujança económica, com a vontade das suas gentes e dos seus autarcas, continua a ser, décadas depois de receber fundos comunitários, uma das regiões mais pobres do país e da Europa”, afirmou.

O responsável que falava à Lusa no final do debate sobre a participação da Região Norte no Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, que decorreu hoje na Comissão de Coordenação Regional do Norte (CCDR-N) e que contou a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, defendeu que “não basta fazer o mesmo com mais força. É preciso fazer diferente, porque os recursos são escassos”.

O presidente do Conselho Regional e também da Câmara de Caminha avisou que, desta vez, o país “não pode voltar a errar” e admitiu a possibilidade de até ao final do ano se poder debater “um documento já não tão extensivo ou tão pormenorizado, mas que elenque as prioridades absolutas da Região Norte”.

Em declarações à Lusa, Miguel Alves disse ainda que esta reunião é também “o reconhecimento de que nem tudo foi sempre bem feito”, o que levou a que, “por uma vez, pela primeira vez talvez, o governo tenha tido a preocupação de ouvir aqueles que estão no território para perceber o que é necessário fazer para alavancar o território”.

“Estamos a falar de grandes investimentos. Para termos uma ideia, o que o governo nos propõe é que possamos identificar investimentos até 75 milhões de euros”, acrescentou, sublinhando que “obviamente haverá investimentos estruturantes que poderão ter este valor ou até valores superiores” que não podem ser vistos de forma isolada.

Segundo o autarca, “os investimentos na ferrovia ou em itinerários complementares, na rede de ferrovia continuada até Espanha, não devem ser vistos de forma isolada, mas inseridos num programa global a aplicar à região Norte”.

O presidente do Conselho Regional do Norte, órgão consultivo da CCDR Norte, considera que “não se pode ficar por uma soma de vontades ou soma de projetos que pode haver em cada território, porque o dinheiro não vai chegar”.

Para Miguel Alves, o aeroporto Francisco Sá Carneiro, os portos de mar, neste caso o de Leixões e o de Viana do Castelo, as infraestruturas rodoviárias e a ferrovia, são questões transversais a toda região e constituem fatores decisivos quer para as empresas, quer para os territórios.

Na abertura deste debate, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse que a região Norte é “a maior plataforma exportadora” do país e que por isso a consistência dos investimentos é “muito importante para a capacidade exportadora do país”.

“É uma das zonas mais dinâmicas do ponto de vista económico do país, é uma das nossas grandes, senão a nossa maior plataforma exportadora e por isso a consistência dos investimentos nos nossos portos, na ferrovia, nas ligações à Galiza, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, estes investimentos são certamente muito importantes para região, mas para a própria capacidade exportadora do país”, afirmou.

Pedro Marques lembrou que “o país já pagou bastante caro pela incapacidade que teve, no passado e ao longo de décadas, de consensualizar os seus principais investimentos”.

Para o governante, os avanços e recuos que aconteceram em investimentos estruturantes para o país, tem feito Portugal “pagar preços demasiado elevados, em algumas circunstâncias, o que é precisamente isto que o governo quer evitar, nesta fase.

O Programa Nacional de Investimentos 2030 define os investimentos estratégicos que o país deverá alcançar na próxima década, estando articulado com os objetivos estratégicos definidos para o Portugal 2030, neste caso nos setores da Mobilidade e Transportes, Ambiente e Energia.

Abrange as infraestruturas de nível nacional localizadas em Portugal continental com projetos ou programas com um investimento superior a 75 milhões de euros.

Anúncio

Região

Alunos de Famalicão e Barcelos vencem medalha de bronze nas Olimpíadas Internacionais de Biologia

Os dois do 12.º ano

em

Foto: Divulgação

Um estudante do Colégio do Ave – Famalicão, e um da Escola Básica e Secundária Vale de Tamel – Lijó/Barcelos conquistaram a medalha de bronze nas Olimpíadas Internacionais de Biologia em Szeged, na Hungria, anunciou hoje a Ordem dos Biólogos.

“Portugal voltou a ter um fortíssimo destaque mundial na Olimpíada Internacional de Biologia ao ganhar, pelo sexto ano consecutivo, importantes distinções que muito honram o nosso país”, afirma a Ordem dos Biólogos em comunicado.

A XXX Edição das Olimpíadas Internacionais de Biologia decorreu em Szeged, entre 14 e 21 de julho, e contou com a presença de quase 300 participantes, em representação de 78 países.

Portugal teve em sua representação os estudantes Diogo Nogueira, José Miguel Matos, Marco Ribeiro e Raul Jorge Sofia.

Marco Ribeiro, estudante do 12.º ano no Colégio do Ave – Famalicão e Diogo Nogueira, estudante do 12.º ano da Escola Básica e Secundária Vale de Tamel – Lijó/Barcelos, foram os galardoados com uma medalha de bronze cada.

“Ano após ano, os representantes lusitanos comprovam e promovem a enorme qualidade dos estudantes nacionais de Biologia, cuja qualidade técnica e académica é, invariavelmente, multipremiada ano após ano”, sublinha a Ordem dos Biólogos.

A comitiva portuguesa foi chefiada pelo bastonário da Ordem dos Biólogos e investigador do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV)e por Fernanda Simões, igualmente investigadora no INIAV, conjuntamente com Otília Correia, professora associada da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Daniela Casimiro, membro do Conselho diretivo da Ordem dos Biólogos e pela gestora de eventos Patrícia Matos.

A comitiva regressa hoje à noite a Lisboa e será acolhida por membros do conselho diretivo da Ordem dos Biólogos e familiares dos estudantes.

Continuar a ler

Desporto

Darque Kayak Clube retira a inscrição de atletas de paracanoagem após ameaças

Do campenato nacional

em

Foto: Divulgação

A Darque Kayak Clube informou este fim de semana que decidiu retirar a inscrição dos seus dois atletas de paracanaogem federados da prova do campeonato nacional de regatas em linha KS1, para que os mesmos não sejam expostos a novas ameaças à sua integridade física, a comentários depreciativos ou injúrias.

Segundo o clube, três atletas portadores de deficiência intelectual, dois técnicos da DKC e um técnico de uma escola para deficiência, foram alvo de um comportamento por parte de um canoista (jovem e alheio à DKC) em maio, ao que tudo indica de ameaça de atropelamento, ao imprimir fortes acelerações e arranques bruscos em direção aos mesmos quando estes saiam do treino de água e se dirigiam ao Centro de Canoagem com os respetivos kayaks em plena passadeira. Foi reportado a quem de direito.

O Darque Kayak Clube, alega que a motivação desta ameaça contra os estes atletas e tecnicos prende-se provavelmente ao facto de quererem impedir que estes atletas participem na prova de paracanoagem, categoria KS1, destinada a atletas com deficiência intelectual no campeonato nacional de regatas em linha do dia 21 de julho de 2019, diz o DKC, em comunicado.

“Tem-se sentido nos últimos tempos a presença deste e outros canoistas alheios à DKC, nas horas, dias e locais de treino destes atletas portadores de deficiência intelectual, bem como à quase dois anos atletas, técnicos e dirigentes tem sido alvo sistemático de comportamentos de ameaças, injúrias e até de ofensas à integridade física”, pode ler-se no texto.

Leia o email enviado à organização do evento:
“Agradecendo a vossa pronta resposta, é nosso entendimento não estarem reunidas as condições mínimas de segurança para a participação dos nossos dois atletas de paracanoagem na categoria KS1, nomeadamente na categoria de deficiência intelectual.

Assim, sem medidas de segurança (ou acréscimo), é nosso entendimento que se poderá repetir o episódio de ameaças à integridade física grave e mesmo ameaças à vida por parte de canoista (s) federados, assim como episódios reiterados de violência no desporto tais como comentários depreciativos, ameaças, injurias…,

Pelo perfil dos nossos atletas não parece razoável submetê-los a tais comportamentos, nem parece razoável manchar uma prova que por si só, pelos seus intervenientes deveria ser mais nobre e consensual e não serem objeto desta componente negativa que está a viver uma parte da náutica de Viana.

Para preservar a integridade física e moral dos atletas portadores de deficiência mental, dos técnicos e dirigentes, bem como não prejudicar o espírito que deverá ser nobre da paracanoagem decidiu-se retirar a inscrição destes dois atletas do campeonato nacional de regatas em linha 2019 KS1”.

Lamentando o sucedido e esperando melhores dias para que exista algum esforço para repor os mais nobres valores da ética desportiva e do desporto sem violência

Continuar a ler

Guimarães

Mãe de bebé de Guimarães agradece ao INEM, bombeiros e CODU

Carta foi divulgada na internet

em

Foto: DR/Arquivo

19 de Fevereiro. Um bebé de 12 meses tem uma “convulsão febril”, na cidade de Guimarães pouco passava das 21:00. João Afonso é prontamente assistido pela emergência médica e a mãe enviou “um agradecimento” pelo trabalho desenvolvido na noite fria de Inverno pelos profissionais de saúde.

No email agora divulgado pelo INEM, Ana agradece “a prontidão da emergência: são profissionais como vocês que nos fazem sentir seguros nestes momentos de aflição, de desespero e de total impotência. Obrigada pela rapidez. Obrigada ao operador do CODU, pela calma como me dizia para efetuar os procedimentos necessários; irei sempre reconhecer a sua voz. Obrigada aos bombeiros voluntários das Caldas das Taipas; Obrigada ao médico e enfermeiro do INEM de Guimarães, por transmitirem calma e serenidade, apesar da situação difícil”, lê-se no documento em que a mulher faz um relato emocionante sobre a ajuda que teve no dia em que o filho sofreu a convulsão.

A mãe de João Afonso conclui o email em letras maiúsculas e com um grande agradecimento: “Obrigada por existirem profissionais como vocês”.

O INEM fez questão de divulgar o nome de todos os operacionais que participaram no salvamento deste bebé.
No Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) Norte estavam os Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar Pedro Dias e Vítor Gonçalves, na Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Guimarães, o médico Rui Pinto e o enfermeiro André Barbosa e na Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários das Taipas seguiam os bombeiros Luís Lopes e Domingos Abreu.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares