Seguir o O MINHO

Braga

Conquista do PS na Póvoa de Lanhoso foi “vitória da perseverança”

Eleições autárquicas

em

Foto: DR

O novo presidente eleito da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso considerou hoje que a conquista daquela autarquia pelo PS foi a “vitória da perseverança, da justiça e da libertação”, prometendo governar “sem ‘clubites’”.

Em declarações à Lusa, Frederico Castro, que se recandidatou ao cargo pela terceira vez, destacou que a vitória socialista foi a de “todo um concelho que se envolveu e comprometeu na mudança”.

O PS ganhou aquela autarquia por 245 votos ao PSD, um resultado que garantiu ao PS quatro eleitos e três ao PSD.

A Lusa tentou entrar em contacto com o atual autarca da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva, mas até ao momento não foi possível.

“Esta vitória é a vitória da perseverança, da justiça e da libertação de muita gente que precisava de virar esta página”, afirmou Frederico Castro.

Para o socialista, que em 2017 perdeu a autarquia para o social-democrata Avelino Silva por 152 votos, considerou que “foi todo um concelho que se envolveu e comprometeu na mudança” na Póvoa de Lanhoso.

“A Póvoa de Lanhoso envolveu-se muito nos propósitos da nossa candidatura e eu era só o rosto desses propósitos. Muita gente revia-se no que nós dizíamos, no que defendíamos, nos problemas que nós identificámos”, referiu.

Sobre os próximos quatro anos, o novo presidente eleito prometeu trabalhar com todos: “Podem esperar para os próximos quatro anos uma câmara municipal que trabalha com todos e que quer lidar com todos, e ajudar todos da mesma forma sem olhar a ‘clubites’”, garantiu.

Frederico Castro adiantou que qual será o objetivo do mandato que vai iniciar, referindo que passa por pôr a Póvoa de Lanhoso “no radar” do distrito e da região.

“Queremos lançar uma série de infraestruturas fundamentais, a via circular urbana é uma prioridade para os próximos quatro anos”, apontou.

O PS ganhou as eleições na Póvoa de Lanhoso com 47,88%, o PSD ficou em segundo lugar com 46,30%, o CDS-PP registou 1,25%, o Chega 0,79%, o BE 0,58% e a CDU 0,45%.

Populares