Seguir o O MINHO

Ave

Comunidade do Ave aprova plano de apoio humanitário à Ucrânia

Envolve os oito municípios, a sociedade civil, entidades públicas e privadas

em

Foto: CM Vieira do Minho / Arquivo

A Comunidade Intermunicipal do Ave (CIM do Ave) anunciou hoje a aprovação de um plano de apoio humanitário à Ucrânia, à escala intermunicipal, envolvendo os oito municípios, a sociedade civil, entidades públicas e privadas.

Em comunicado, a CIM do Ave indica que plano de apoio humanitário foi aprovado em reunião do Conselho Intermunicipal, realizada na quarta-feira, pelos presidentes dos oito municípios que integram esta Comunidade Intermunicipal: Cabeceiras de Basto, Fafe, Guimarães, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Famalicão e Vizela.

“Foi aprovado um plano de apoio humanitário à Ucrânia, à escala intermunicipal, que se consubstancia numa concertação institucional e de união de esforços, entre os oito municípios, sociedade civil, entidades públicas e privadas, da região do Ave, entidades governamentais e não governamentais nacionais e internacionais, na provisão de ajuda humanitária à Ucrânia, de forma a que este apoio seja de facto planeado, articulado, efetivo, eficaz e que vá ao encontro às reais necessidades do povo ucraniano”, diz a CIM do Ave.

Nesse sentido, foi criado um grupo de trabalho, “de forma a concertar as diversas ações, que já se encontram a ser desenvolvidas e implementadas no terreno por diversos interlocutores”.

O plano de apoio humanitário prevê “a integração e acompanhamento dos refugiados, nomeadamente das mulheres e crianças/jovens, em interligação com as escolas e as diversas entidades no setor do emprego e mercado de trabalho, envolvendo, se possível, a comunidade ucraniana residente no Ave”.

A elaboração de um ‘Welcome Kit’ – Guia de Acolhimento a Refugiados e a dinamização de uma campanha de recolha de sangue no Ave, são duas das outras medidas.

Além disso, o plano contempla também as comunicações dirigidas à embaixada da Ucrânia em Portugal, “manifestando solidariedade e apresentando a total disponibilidade da CIM do Ave para ajuda e apoio humanitário”, e ao governo português, “disponibilizando-se para colaborar na definição de uma estratégia humanitária conjunta, nomeadamente, mobilizando as autarquias e os seus recursos para o reforço das condições de acolhimento em Portugal”.

“Salienta-se, ainda, que tudo o que diz respeito à recolha de bens, disponibilização de alojamento, transporte, oferta de emprego, se encontra concentrado nas autarquias, pelo que se aconselha a consulta da respetiva informação nos canais de comunicação de cada um dos municípios da respetiva área de abrangência”, explica a CIM do Ave.

Os presidentes das oito autarquias defendem que, todos os bens rececionados, na impossibilidade de serem transportados para os campos de refugiados, possam ser encaminhados e distribuídos na região, na fase de acolhimento às famílias ucranianas e/ou a outras famílias carenciadas.

Os oito autarcas manifestaram ainda “todo o apoio e solidariedade à Ucrânia, “neste momento dramático da sua história”, acrescentando que têm estado a acompanhar, “com grande preocupação e tristeza, a trágica situação de conflito que se vive” no país.

“Estamos perante um atentado ao direito internacional e uma tragédia humanitária com repercussões imprevisíveis, que merecem a nossa firme condenação à Federação Russa. Na defesa dos valores da paz, solidariedade e de humanidade, pretende esta Comunidade Intermunicipal manifestar total solidariedade com o povo ucraniano”, refere uma deliberação, aprovada durante a reunião.

Populares