Seguir o O MINHO

Região

Comboios alemães querem ligar Porto e Corunha com paragens em Nine e Valença, mas não em Viana

em

Deutsche Bahn. Foto: DR

A companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn (DB), através da filial Arriva, pediu segunda-feira à Comissão Nacional de Mercados e Competência (CNMC) espanhola autorização para operar numa nova linha entre as cidades da Corunha e do Porto, num percurso de 342 quilómetros que espera percorrer em duas horas e 46 minutos, com sete paragens: A Corunha, Santiago de Compostela, Pontevedra, Vigo Guixar, Valença do Minho, Nine e Porto-Campanhã.


Para Xoan Mao, secretário-geral do Eixo Altântico, esta nova linha “reforça uma ideia” já defendida pelo Eixo Atlântico – organismo que agrega 38 municípios portugueses e galegos – há muito tempo e mostra “que o setor privado o viu com a mesma clareza”.

“O aumento da oferta também aumenta a procura. Há quem não viaje por não serem dadas condições para viajar, não haver horários”, assinalou o responsável, destacando que “com mais comboios e horários, vai haver mais gente a ir de comboio”.

Atualmente, o comboio que sai do Porto “só liga a Vigo e com limitações”, pelo que esta ligação à Corunha é, para o secretário-geral, “uma medida inteligente”, acreditando haver “massa crítica” que permita a sustentabilidade dos dois serviços.

Com partidas diárias de Porto Campanhã e Vigo, o comboio ‘Celta’, operado pela CP em conjunto com a Renfe, liga atualmente as cidades do Porto e Vigo, com paragens em Nine, Viana do Castelo e Valença.

O comboio “Celta” iniciou a sua exploração comercial em julho de 2013, assegurando uma ligação rápida entre Vigo e Porto.

Com bilhete único com o preço de 14,75 euros, esta ligação veio permitir percorrer os 175 quilómetros que separam as cidades em duas horas e 15 minutos, quando anteriormente a ligação demorava mais de três horas.

Em Portugal, a Arriva, que pertence ao grupo alemão Deutshe Bahn, desenvolve a atividade de transporte regular de passageiros, com cerca de 190 concessões, operando mais de 200 linhas em 16 concelhos diferentes (Guimarães, Famalicão, Braga, Fafe, Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Barcelos, Santo Tirso, Trofa, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Maia, Matosinhos, Porto, Terras de Bouro e Vizela).

A Lusa questionou o Instituto da Mobilidade e dos Transportes, entidade em Portugal competente para a emissão de licenças para o exercício da atividade de prestação de serviços de transporte ferroviário, mas não obteve respostas até ao momento.

 

Notícia atualizada às 15h55: corrigiu no título “Comboios alemães querem ligar Porto e Corunha com paragens em Nine e Valença, mas não em Viana”.

Anúncio

Braga

Covid-19: Mais um infetado e dez recuperados no concelho de Braga

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O número de pessoas infetadas com o covid-19 no concelho de Braga era, às 18:00 desta quarta-feira, de 1.394, mais um do que na passada sexta-feira, a última vez que revelamos dados locais.

Já o número de óbitos manteve-se nos 74, contabilizando um óbito durante os últimos trinta dias.

Fonte do setor local da saúde revelou a O MINHO que o número de pessoas recuperadas, as que lutaram, com êxito, contra a covid-19, continua a subir, sendo agora 1.296, mais dez do que na passada sexta-feira.

Covid-19: Mais 3 mortos, 313 infetados e 293 recuperados no país

Estes dados são apurados por O MINHO junto de fonte local do setor da saúde e não coincidem com os divulgados pela Direção-Geral de Saúde, no qual Braga regista há várias semanas os mesmos 1.256 casos.

Desde o dia 01 de janeiro, Portugal registou 373.293 casos suspeitos, refere o boletim, adiantando que há 26.633 pessoas dadas como recuperadas, mais 251 do que na quarta-feira.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 487 mil mortos e infetou mais de 9,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler

Alto Minho

Maestro de Caminha vence prémio em concurso mundial

Lourenço Cruz

em

Foto: DR / Arquivo

Lourenço Cruz, músico de Caminha, conquistou o prémio de voto do público e foi o melhor classificado português no 28.º World Music Competition (Concurso Mundial de Música), na categoria de direção de orquestra.

“Ser selecionado para um concurso deste é maravilhoso, mas ter recebido o apoio de todos vós para este prémio é incalculável. Obrigado”, agradeceu o maestro de 42 anos nas redes sociais.

Devido à pandemia de covid-19, a final do evento, para a qual foram classificados três músicos dos Estados Unidos, Grécia e China, foi adiada para dezembro.

Embora quedando-se pela meia-final, Lourenço Cruz acaba por conquistar dois prémios que serão entregues na cerimónia da final em dezembro.

Lourenço Cruz nasceu em França, filho de pais emigrantes, naturais de Lanhelas, em Caminha. Com quatro anos veio para Portugal.

Nascido em família de músicos, no entanto, na infância era o desporto que mais o puxava, tendo praticado remo no Caminhense.

Maestro de Caminha luta por um lugar entre os melhores do mundo

Estudou na escola profissional de música de Viana do Castelo, tendo como primeiro instrumento foi o trompete.
Atualmente, vive em Viana do Castelo e trabalha em Trás-os-Montes.

Em Vila Real dirige a Banda Marcial e a Escola de Música de Murça. Em Mirandela dirige o Grande Coro da delegação local da Cruz Vermelha Portuguesa e é maestro titular da Orquestra Clássica de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Continuar a ler

Ave

Bombeiro de Famalicão que esteve em coma com covid já regressou ao quartel

Covid-19

em

Foto: Facebook dos Bombeiros Famalicenses

O operacional n.115 dos Bombeiros Famalicenses, que esteve em coma durante várias semanas face à infeção por covid-19, regressou esta quarta-feira ao quartel para uma visita aos colegas, anunciou aquela corporação através das redes sociais.

Manuel, de 56 anos, esteve em coma induzido apoiado por ventilação mecânica na unidade de cuidados intensivos do Hospital de Braga durante parte dos meses de abril e de maio, depois da covid-19 ter provocado complicações respiratórias.

O bombeiro foi um dos oito elementos do quartel a contrair infeção do coronavírus no início de abril, encontrando-se já recuperado da doença após dois testes negativos.

Em meados de abril, e já sabendo que estava infetado, Manuel estava a recuperar em casa quando viu o quadro clínico agravar-se com dificuldades respiratórias. Acabou por dar entrada na ‘ala covid’ de Braga onde ficou internado durante um mês.

Foto: Facebook de BV Famalicenses

Quanto aos restantes elementos, já todos testaram negativo à doença, depois de um mês conturbado no quartel, onde decorreram algumas homenagens de amigos e familiares de todo o corpo ativo, assim como de civis.

Este bombeiro foi o único a necessitar de internamento hospitalar e padecia de comorbidade.

“A notícia que tanto esperávamos… O nosso Manuel voltou ao Quartel”, escrevem os Bombeiros Famaliceses na sua página de Facebook, apelidando o voluntário como “guerreiro” e “vencedor”.

“Irá continuar agora a sua recuperação funcional, para minimizar os impactos criados pelos tratamentos”, explica a mesma publicação.

Continuar a ler

Populares