Seguir o O MINHO

Vila Verde

Luís Morais deixa Comando de Operações Municipal de Vila Verde por não ter canudo

Presidente da Câmara dera já um despacho no sentido da recondução, mas viu-se obrigado a revogá-lo.

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Uma norma legal recente, que obriga a ter o canudo de licenciatura para a ocupação do cargo, obrigou a Câmara Municipal de Vila Verde a não reconduzir Luís Morais como Comandante de Operações Municipal (COM).

Fonte camarária adiantou a O MINHO que o seu presidente, António Vilela dera já um despacho no sentido da recondução, mas viu-se obrigado a revogá-lo devido à entrada em vigor daquela norma. A mesma fonte garantiu que a atuação de Morais foi “digna de louvor” e serviu os munícipes.

Em nota no seu Facebook, Luís Morais, escreve: “Após três anos ao serviço de Vila Verde, terminei a comissão de serviço no passado dia 01 de dezembro, com consciência plena de dever cumprido e de ter dado o melhor de mim para defender as pessoas, as instituições e o concelho”.

“Foi uma causa, uma função e uma missão a que me dediquei com total empenho e dedicação. A minha vida está absolutamente ligada à Proteção Civil e é uma honra poder disponibilizar o melhor e o …máximo do que
sei e posso nesta área, sempre a favor do concelho e da população”, acrescenta.

Morais agradece e enaltece “a colaboração e o contributo ativo do Município, nomeadamente do Presidente António Vilela, assim como de
demais pessoas e instituições que se assumiram parcerias para o sucesso da nossa ação no terreno, prevenindo e minorando problemas,
evitando e anulando situações de risco, e até mesmo ajudando a melhorar condições de vida das pessoas”.

“Agradeço a todos agentes de proteção civil e entidades com especial dever de cooperação, todo o apoio e disponibilidade que sempre me dispensaram, na resolução das diversos situações que me deparei, sempre ao serviço da nossa população”, afirma.

“Por força de uma alteração legislativa, que transforma a formação académica como fator inquestionável de seleção em detrimento do currículo profissional, deixei de estar em condições de poder cumprir os requisitos legais para a função de COM, razão pela qual não me será possível continuar no exercício das funções”, esclare.

A concluir, Luís Morais diz: “Estou certo, contudo, que o Município de Vila Verde encontrará as melhores soluções para assegurar um serviço de proteção
civil de qualidade”.

Populares