Seguir o O MINHO

País

Colocados na primeira fase de acesso ao ensino superior aumentam e mais de metade na opção preferencial

Educação

em

Foto: DR / Arquivo

O número de colocados na primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior aumentou para os 44.500 estudantes, 1,2% acima de 2018, revelam os dados oficiais que indicam ainda que mais de metade entrou na sua primeira opção.

Entraram 44.500 alunos para o ensino superior nesta primeira fase, o que representa a colocação de 87,2% dos 51.036 candidatos que este ano tentaram aceder ao ensino superior, de acordo com os dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) hoje divulgados.

Do total, 27.280 entraram nas universidades e 17.220 nos institutos politécnicos, crescimentos de 0,9% e 1,5% respetivamente face ao ano anterior.

O total de alunos colocados no curso da sua preferência (primeira opção) é de 23.625, o que equivale a 53,1% do total, um peso percentual ligeiramente inferior aos 54,7% de 2018.

A grande maioria dos candidatos conseguiu uma colocação num dos três primeiros cursos indicados como preferência.

Este ano houve mais candidatos do que vagas – 51.036 alunos concorreram às 50.860 vagas disponíveis – mas ainda sobraram para as fases seguintes do concurso nacional de acesso 6.734 lugares, menos 7,6% do que os 7.290 de 2018.

A expetativa da tutela é a de que em 2019-2020 entrem no ensino superior público 77 mil novos estudantes.

“Serão cerca de 77 mil o número de novos estudantes no ensino superior público no ano letivo de 2019-2020, incluindo cerca de 68 mil estudantes nos cursos de licenciatura e mestrados integrados e mais de nove mil estudantes em formações curtas de âmbito superior (cursos técnicos superiores profissionais).

Estes valores são estimados pela Direção-Geral do Ensino Superior com base nos resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) e nas estimativas das instituições de ensino superior para as demais vias de ingresso”, refere o MCTES em comunicado.

O Ministério tutelado por Manuel Heitor destaca ainda o crescimento em 40% do contingente de estudantes internacionais, “que deverá superar 7.000 novos estudantes, confirmando a afirmação internacional do ensino superior em Portugal”.

O número de estudantes estrangeiros a estudar em Portugal ao abrigo do Estatuto do Estudante Internacional tem vindo a crescer nos últimos anos: eram 4.521 em 2017 e 5.540 em 2018.

Também o aumento de vagas nos cursos mais procurados por melhores alunos, uma alteração introduzida este ano na política de definição de vagas nas instituições, se traduziu num aumento de colocados nessas formações.

“O número de colocados em ciclos de estudo com maior concentração de melhores alunos (índice de excelência dos candidatos) aumentou cerca de 15% face ao ano anterior, mostrando que as instituições e a procura responderam positivamente às medidas entretanto implementadas de definição de vagas”, refere a tutela.

De acordo com as novas regras, sempre que os cursos tenham uma procura superior ao total de vagas abertas por candidatos com notas iguais ou superiores a 17 valores são obrigados a aumentar o número de vagas entre 5% e 15%.

Estas alterações traduziram-se este ano em mais 107 vagas em 11 cursos das universidades de Lisboa e do Porto, que conseguiram por esta via recuperar parte do corte de vagas a que foram sujeitas no ano letivo anterior, quando o MCTES decidiu eliminar 1.100 lugares nas universidades e politécnicos das duas maiores cidades do país com o argumento de fomentar a coesão territorial e a procura de instituições em zonas do interior.

No âmbito dessa política, o aumento do número de estudantes colocados este ano em regiões com menor pressão demográfica foi de 2,6%, mas a redução de estudantes em Lisboa e no Porto foi apenas de 0,1%.

Também a aposta em cursos direcionados para a formação em competências digitais tem um crescimento de 4% no total de colocados face ao ano anterior, revela a tutela, que acrescenta que o aumento de colocados nestes cursos é já de 14% desde 2015.

“O número de estudantes emigrantes colocados aumenta 18% face ao ano anterior. O número de estudantes colocados através deste contingente aumentou 147% desde 2015, a par com a iniciativa “Estudar e Investigar em Portugal”, adianta ainda o MCTES.

Já o contingente especial para estudantes com deficiência coloca este ano 224 alunos, mais 21% do que em 2018, segundo a tutela, e mais 87% do que em 2015.

Os resultados da primeira fase do CNA estão desde hoje disponíveis na página da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) em http://www.dges.gov.pt.

Os candidatos puderam concorrer a 1.087 cursos nas universidades e politécnicos públicos.

A segunda fase de candidaturas decorre entre 09 e 20 de setembro e os resultados são divulgados a 26 de setembro.

Anúncio

País

Euromilhões saiu em Portugal. Desta vez foi em Faro

Sorte grande

em

Foto: O MINHO

O 1.º prémio do Euromilhões, no valor de mais de 66 milhões de euros, saiu em Portugal.

De acordo com o Departamento de Jogos da Santa Casa, o boletim vencedor foi registado no distrito de Faro, região do Algarve.

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta sexta-feira, 28 de fevereiro: 8, 11, 20, 22 e 23 (números) e 3 e 4 (estrelas).

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta sexta-feira, 28 de fevereiro: 8, 11, 20, 22 e 23 (números) e 3 e 4 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 66 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Preços dos combustíveis rodoviários aumentaram entre 3% e 7% em janeiro

Combustíveis

em

Foto: Ilustrativa / DR

Os preços dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento médio em janeiro entre 3% e 7%, face a dezembro de 2019, segundo um boletim acerca deste mercado publicado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

No documento, o regulador explicou que “os preços médios de venda ao público dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento, sobretudo por via dos esperados aumentos de incorporação de biocombustíveis e da taxa de carbono”.

Assim, de acordo com a informação no boletim, “o ano de 2019 encerrou com o preço da gasolina simples 95 a manter-se estável em 1,524 euros/litro. No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público (PVP) aumentou cerca de 3%”, para 1,569 euros/litro.

Já no caso do gasóleo simples, 2019 encerrou “em tendência crescente”, registando uma subida de 1% entre novembro e dezembro, para 1,408 euros/litro.

“No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 3,4%”, atingindo os 1,456 euros/litro, de acordo com a ERSE.

A maior subida foi no GPL (Gás de Petróleo Liquefeito) Auto, sendo que 2019 encerrou “com uma tendência crescente, acompanhando a evolução do preço do propano e butano nos mercados internacionais”.

No início do ano 2020, “o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 7%”, atingindo os 0,728 euros/litro, face aos 0,681 euros/litro de dezembro.

Em todos estes combustíveis, os hipermercados é que registaram os preços mais competitivos, de acordo com a ERSE.

O regulador analisou ainda a variação de preços geográfica a nível nacional e concluiu que, “em janeiro, a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos portugueses para a gasolina simples 95 e gasóleo simples é mais elevada nos distritos do litoral, à exceção de Aveiro, Braga e Coimbra”.

De acordo com a ERSE, “Beja e Bragança são os distritos onde os combustíveis rodoviários se verificaram mais caros face ao preço médio nacional”.

Já Aveiro, Braga, Santarém e Castelo Branco “são os distritos com gasolinas e gasóleos mais baratos. Em mais de metade dos distritos, a diferença de preços médios por litro de combustível não ultrapassa os cinco cêntimos”, adiantou a ERSE.

No caso do GPL engarrafado, no mês passado, “a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos, principalmente a sul de Portugal, é mais pronunciada, sendo o gás engarrafado mais caro, sobretudo nos distritos de Faro e Beja”.

Por sua vez, “os distritos mais a norte do país, como Viana do Castelo, Vila Real e Bragança apresentam os preços de GPL engarrafados mais baratos”, sendo que os distritos interior mais próximos de Espanha também registaram preços mais baixos, segundo a ERSE.

Continuar a ler

Populares