Seguir o O MINHO

Póvoa de Lanhoso

Clube “Entre Famílias” promoveu conversa entre pais e filhos sobre “Internet: Riscos e Benefícios”

em

Foto: Divulgação

“Uma comunicação eficaz é verdadeiramente fulcral para conseguir alertar os jovens para os riscos que ameaçam a sua segurança e bem-estar no uso da internet e de outros meios tecnológicos, mas também para ajudá-los a protegerem-se da melhor forma e a evidenciar as potencialidades deste meio”.


Esta foi uma das conclusões de nova sessão do Clube Entre Famílias e do “Projeto Geração Lanhoso CLDS 3G”, desta vez, subordinada ao tema “Internet: Riscos e benefícios”.

De acordo com o Município, “a conversa entre pais, mães e filhos promoveu uma discussão rica de afetos e partilhas, que fez sobressair a importância da comunicação num relacionamento familiar saudável e equilibrado, pois, muitas vezes, os progenitores pretendem dar o melhor aos filhos, mas esquecem-se de ouvi-los/as (e de envolvê-los nas decisões que lhes dizem respeito)”.

A sessão decorreu no Espaço Jovem, destinando-se a pais e a mães do concelho, tendo ainda contado com a presença dos/as filhos/as como havia acontecido na sessão anterior. Em conjunto, abordaram e partilharam as suas conceções e dúvidas sobre a utilização da internet (redes sociais e tecnologias) com mais segurança.

O Projeto Geração Lanhoso tem a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso como Parceiro Local e a Sol do Ave – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Vale do Ave – como entidade promotora e coordenadora, sendo financiado no âmbito do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE), Tipologia de operação, Contratos Locais de Desenvolvimento Social (CLDS|3G).

Anúncio

Braga

Explosivo de Beirute era para empresa da Póvoa de Lanhoso

Nitrato de amónio

em

Foto: DR / Nicolas Tawk

As 2.750 toneladas de nitrato de amónio que explodiram, na passada terça-feira, no porto de Beirute destinavam-se à Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM), que é propriedade da empresa portuguesa Moura & Silva, da Póvoa de Lanhoso.

A notícia é avançada, este sábado, pelo jornal Público, a quem um porta-voz da empresa garante, no entanto, que aquela carga ainda não era sua – foi feita a encomenda, mas apenas seria paga quando chegasse ao seu destino, a cidade da Beira, no Norte de Moçambique.

“Esta foi uma encomenda normal, de uma matéria que a empresa utiliza na sua atividade comercial, cumprindo sempre de forma escrupulosa todos os requisitos legais e melhores práticas internacionais”, assegurou.

Segundo o Público, o nitrato de amónio apreendido na capital libanesa poderia ter como finalidade, provavelmente, ser usado nas minas do Norte de Moçambique.

Os químicos que provocaram a explosão no porto de Beirute chegaram à capital libanesa há sete anos, a bordo de um navio de carga alugado pela Rússia e nunca deviam ter parado naquele local.

Em 2013, o navio “Rhosus”, com bandeira da Moldávia e proveniente da Geórgia, fez uma escala não planeada em Beirute, a caminho de Moçambique.

O dono do navio ordenou uma paragem não planeada para receber carga adicional. Mas o navio acabou por não sair de Beirute, envolvido numa disputa legal sobre taxas portuárias.

Como ninguém a reclamou e o dono do navio foi acusado de abandono, a carga acabou por ser descarregada e colocada num armazém do porto de Beirute, onde esteve até terça-feira.

As explosões fizeram pelo menos 154 mortos, número que poderá ainda aumentar, tendo em conta as pessoas que continuam desaparecidas. Há cerca de 5 mil feridos.

Continuar a ler

Braga

Queda de árvore em praia fluvial de Póvoa de Lanhoso fere banhista

Verim

em

Foto: Elson Simões

Um jovem de 23 anos foi atingido por uma árvore que caiu, na tarde deste sábado, na praia fluvial de Verim, em Póvoa de Lanhoso.

Ao que O MINHO apurou, o banhista estava deitado na toalha quando, por volta das 16:30, foi apanhado pela árvore que partiu perto da zona da raíz.

Foto: Elson Simões

A praia estava “quase lotada”, mas a árvore não atingiu mais ninguém. “Foi uma sorte não estar mais gente deitada na toalha”, conta a O MINHO uma testemunha.

A vítima, de Vila do Conde, foi transportada pelos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso para o Hospital de Braga com ferimentos considerados ligeiros.

A GNR da Póvoa de Lanhoso registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Recusam usar máscara e insultam GNR. Duas mulheres detidas na feira da Póvoa de Lanhoso

Desobediência

em

Feira da Póvoa de Lanhoso. Foto: CM Póvoa de Lanhoso

Duas mulheres foram detidas na feira da Póvoa de Lanhoso por desobediência e injúrias à autoridade, confirmou O MINHO junto de fonte oficial do Comando Territorial de Braga da GNR.

Ao que foi possível apurar, as mulheres não usavam a máscara, como é obrigatório, quando foram interpeladas pela GNR, que fazia o policiamento da feira.

A situação terá ocorrido ao final da manhã de terça-feira.

Além de não acatarem as ordens para cumprirem as normas, as duas mulheres – que serão mãe e filha, cuja idade não foi possível apurar – acabaram por ainda insultar os militares da GNR.

Acabaram detidas pelo crime de desobediência e injúrias à autoridade.

A feira semanal da Póvoa de Lanhoso reabriu com todos os setores no passado dia 11 de junho, sendo obrigatório o uso de máscara, para vendedores e público, durante a permanência no recinto.

Continuar a ler

Populares