Seguir o O MINHO

Ave

Circo do Coliseu do Porto por três dias em Cabeceiras de Basto

Cultura

em

Foto: DR

Entre 20 e 22 de agosto, o Parque do Mosteiro, em S. Miguel de Refojos, Cabeceiras de Basto, é palco do projeto saltimbanco que une as empresas artísticas do Coliseu do Porto Ageas e do Teatro Nacional São João com espectáculos e oficinas de marionetas que, em tempo de desconfinamento, devolvem a rua às gentes e as brincadeiras às crianças, foi hoje revelado.

A 20 de agosto, pelas 21:00, o Circo do Coliseu aventura-se fora da casa-mãe para recuperar a tradução itinerante do circo, apresentando uma parte do espectáculo de Circo do Coliseu 2020 numa versão para a estrada que mantém todas as caraterísticas distintivas, nomeadamente, o cruzamento entre o circo tradicional e o contemporâneo, um mimo no papel de mestre-de-cerimónias e uma banda-sonora original interpretada ao vivo por uma orquestra dirigida pelo maestro André Lousada.

Aos espectadores mais jovens será entregue um exemplar do programa-jogo Circo Coliseu Porto Ageas criado em 2020, para garantir que os mais pequenos levam a magia do Circo para casa, e um kit com jogos desenhados em parceria com o Balleteatro para educar e sensibilizar para a arte circense.

No dia 21, também pelas 21:00, o Teatro da Palmilha Dentada apresenta a mais recente criação, “Circlus”, no formato que primeiro lhe granjeou fama – o café-teatro -, unindo temas do circo, música e humor num um espectáculo destinado a toda a família. Em simultâneo, decorrem oficinas de circo e de marionetas ao longo do dia, que convidam todos os curiosos e interessados a familiarizar-se com as técnicas das artes de inventar e contar histórias. As oficinas estão pensadas para explorar as narrativas e tradições orais da cidade, numa lógica de activação e valorização da identidade e especificidade da população.

No dia 22, às 18:00, é a vez de a Erva Daninha surpreender pelo arrojo de utilizar um tractor como elemento cenográfico em “Rasto”. O espectáculo desenha-se entre a dança e a acrobacia, centra-se no adereço invulgar para uma apresentação poética que quer pensar a relação entre o corpo e a máquina, mas também a forma como o rural e o urbano estão ligados, entre paisagens e imaginário.

“De Volta à Praça” é um projecto co-financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte (NORTE 2020), Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). O acesso aos espectáculos é gratuito, mas sujeito à lotação disponível. Recomenda-se a reserva de bilhete para [email protected]

EM FOCO

Populares