Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Cinquenta toneladas de lenha mantêm fogueira em convívio de Natal em Viana

No largo das Neves, comum a três freguesias

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Mais de 50 toneladas de lenha vão manter acesa, durante cinco dias, a fogueira de Natal num largo comum a três freguesias de Viana do Castelo, para promover o convívio natalício das populações do Vale do Neiva.


“Entre lenha e cepos conseguimos reunir 50 toneladas para a edição 2019 da fogueira de Natal. As árvores abatidas resultam de corte seletivo, árvores que estavam doentes ou que estavam a impedir o crescimento de outras”, disse hoje à agência Lusa, o porta-voz do grupo Lenhadores do Largo, que organiza o convívio, Joel Monteiro.

Joel Monteiro, do movimento cívico que organiza a fogueira de Natal no largo das Neves, comum às freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe, adiantou que “na época própria serão plantadas mais de uma centena de árvores” na zona onde agora foi realizado o corte seletivo.

Além daquela plantação, o grupo Lenhadores do Largo “vai oferecer à comissão de baldios de Carvoeiro 120 pés de azevinho”.

Além da vertente “ambiental e de sustentabilidade”, a fogueira de Natal do Largo das Neves, iniciada há três anos por um grupo de cidadãos do Vale do Neiva, pretende promover o convívio próprio da época.

No dia 21 de dezembro, a partir das 16:00, “dia e noite” a fogueira de Natal “aquecerá as conversas entre conterrâneos, amigos, vizinhos”.

“Com o pretexto do calor e da luz do fogo conviverão, confraternizando e reencontrando velhos amigos”, adianta a organização.

A lenha, que começou a ser recolhida em outubro, encheu oito tratores e vai manter a fogueira do Largo das Neves a arder entre os dias 21 e 25 de dezembro.

“O fogo, que durante imensos séculos e milénios serviu para proteger, guiar e reunir as pessoas e definir famílias, comunidades e sociedades, será novamente um motivo para a reunião, diálogo, convívio e reflexão numa quadra festiva de encontros e reencontros”, sublinhou o grupo de Lenhadores do Largo.

O largo das Neves, tem um “pedaço” das freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe. É naquele espaço que foi construída, no início do século XVII, a Mesa dos Três Abades, iniciativa dos párocos para assinalar o fim das discórdias em relação aos limites das três freguesias.

Ao longo dos anos, e numa altura em que eram os párocos quem mais ordenavam, a Mesa dos Três Abades assumiu-se como uma espécie de fórum popular, já que era ali que eram discutidos e tratados os assuntos de interesse da comunidade, do foro eclesiástico e do civil.

Além da fogueira, “haverá animação e petiscos, entre eles, chouriças feitas pelos próprios lenhadores”.

No recinto estará disponível o “novo mobiliário produzido pelo grupo com tábuas de madeira para proporcionar conforto a todos os que participarem no convívio”.

“Os Lenhadores do Largo procuram através desta iniciativa contribuir para a dinamização, promoção e envolvência das três comunidades que se encontram no Largo das Neves”, destaca o movimento cívico.

Anúncio

Viana do Castelo

Trotinetas elétricas chegam às praias de Viana a 15 de agosto (com uso gratuito)

Mobilidade

em

Foto: Divulgação

A iniciativa “Trotinetar Portugal” vai passar por Viana do Castelo entre 15 e 31 de agosto, permitindo aos transeuntes a utilização gratuita de uma trotineta elétrica para passear nas praias da capital do Alto Minho.

A promoção está a cargo das lojas ‘Roady – Centro Auto’, integrantes do grupo Os Três Mosqueteiros, que detêm o Intermarché e o Bricomarché.

Nesta primeira fase, as viaturas elétricas, cinco no total, vão estar disponíveis junto aos acessos de entrada da Praia Norte, não sendo necessário pagar qualquer maquia para desfrutar de um passeio que se pode estender até outras praias.

A empresa fez uma parceria com a Câmara de Viana de forma a “promover” a mobilidade suave neste tipo de viaturas que têm ganho notoriedade nas principais cidades europeias ao longo dos últimos anos.

Rita Teles, responsável do departamento de comunicação da Roady, disse a O MINHO que o objetivo da ‘Trotinetar Portugal’ passa por promover a mobilidade alternativa e posicionar a marca como “próxima de todos”.

A partir das 10:00 horas deste sábado, as trotinetas ficam à disposição dos interessados, sob tutela da Câmara. “A Roady faz a instalação e a autarquia fica responsável pela gestão das mesmas”, adianta Rita Teles.

O ator Tiago Teotónio Pereira será o embaixador desta iniciativa.

Continuar a ler

Alto Minho

Quarenta idosos regressam alternadamente a centro de dia em Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: DR

Os 40 idosos do centro social e cultural de Carreço, em Viana do Castelo, regressam na segunda-feira ao centro de dia, enquanto os utentes da paróquia de Nossa Senhora de Fátima vão ter de esperar por setembro.

Contactado pela Lusa, a propósito da decisão do Governo de reabrir os centros de dia a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social, o presidente do centro social e cultural de Carreço, Viana da Rocha, explicou que a frequência alternada dos 40 idosos foi a solução encontrada para “não deixar ninguém de fora”.

“Os idosos estavam muito ansiosos para regressar ao centro de dia e, para nós, era muito complicado escolher uns e deixar outros de fora. Assim vão todos, gradualmente”, explicou o responsável.

Segundo Viana da Rocha, a estrutura vai começar a funcionar, a partir de segunda-feira, “rotativamente”.

“Um grupo de 20 utentes vai frequentar o centro de dia às segundas, quartas e sextas-feiras e, os outros 20, às terças e quintas-feiras. Na semana seguinte fazemos ao contrário. Assim conseguimos atender todos”, especificou.

O presidente do centro social e cultural da freguesia de Carreço adiantou “não ter sido fácil” a adaptação daquela resposta às normas impostas pela pandemia de covid-19, mas garantiu que o centro de dia, com seis funcionários, “reúne todas as condições de higiene e segurança”.

“Tivemos de comprar materiais, roupa e calçado. Os utentes não podem entrar no centro de dia com a mesma roupa e calçado que trazem de casa. Vai ser um pouco complicado fazer os idosos mudar de roupa para estar no centro dia, mas vamos fazer o melhor”, disse o responsável.

Já o centro de dia da paróquia de Nossa Senhora de Fátima, no centro da cidade, só começará a receber os 45 utentes a partir de setembro, explicou à Lusa o padre Artur Coutinho.

O pároco contou que a estrutura foi “toda requalificada, faltam ultimar pequenos pormenores para responder às exigências da Direção-Geral de Saúde”.

“Na próxima semana iremos começar a trabalhar para preparar a reabertura e definir o número de idosos que poderão regressar ao centro de dia. Só a partir de 01 de setembro é que estarão reunidas todas as condições para que a estrutura possa reabrir”, adiantou Artur Coutinho.

O responsável adiantou que, durante o período de encerramento do centro de dia, a paróquia de Nossa Senhora de Fátima “tem continuado a dar apoio domiciliário, quer fornecendo as refeições e prestando cuidados de higiene quer proporcionado atividades com os idosos”.

“Os idosos estão ansiosos por voltar ao centro de dia”, frisou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 750 mil mortos e infetou quase 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.770 pessoas das 53.548 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Senhora d’Agonia vai ser celebrada com missa campal para 800 pessoas

Romaria d’Agonia

em

Foto: Romaria d'Agonia (Arquivo)

O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou hoje uma missa campal em honra da Senhora d’Agonia que decorrerá no espaço público situado em frente ao templo da padroeira dos pescadores e que terá capacidade para 800 pessoas.

“Todo o espaço ajardinado em frente ao santuário de Nossa Senhora d’Agonia vai ser vedado. Vamos lá colocar 800 cadeiras. Haverá pontos de entrada e de saída, para que se cumpram todas as regras e se possa celebrar a padroeira da cidade”, afirmou hoje o José Maria Costa.

Este ano, pela primeira vez em mais de 248 anos, por causa do surto do novo coronavírus, os números da Romaria d’Agonia, que decorre entre os dias 19 e 23, e que são habitualmente vividos nas ruas da cidade, serão celebrados em formato digital, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19.

Hoje, em declarações aos jornalistas no final da reunião camarária, o autarca socialista explicou que o acompanhamento da missa campal vai decorrer em “articulação com a paróquia de Monserrate e o apoio dos escuteiros”.

“Normalmente não tínhamos tanta gente na celebração eucarística. Este ano, como não há procissão não vem tanta gente. Há um espaço confortável e com distanciamento social para que as pessoas possam cumprir as regras”, disse.

Em causa está a celebração do dia 20 de agosto, dedicado a Nossa Senhora d’Agonia, padroeira dos homens do mar. Inicialmente tinha sido anunciado que a data seria celebrada presencialmente, na igreja que lhe está dedicada no Campo d’Agonia, mas com limitações determinadas pelas autoridades de saúde e pela Confederação Episcopal Portuguesa relativamente às celebrações litúrgicas.

O culto à Senhora d’Agonia tem a sua primeira referência escrita em 1744. Já a procissão ao rio e ao mar, em sua honra, cumpre-se sempre a 20 de agosto, desde 1968, número que, habitualmente, juntava milhares de pessoas nas margens do rio Lima para ver e saudar a procissão, envolvendo mais de uma centena de embarcações de pesca e de recreio.

Além da missa campal, José Maria Costa adiantou que, na doca, onde o bispo da diocese celebrava a homilia, antes da procissão ao mar e ao rio, haverá outro momento simbólico.

“Será instalada na doca a traineira Monsenhor Daniel Machado, onde o bispo habitualmente fazia a celebração, e no seu interior será colocada uma imagem da Senhora d’Agonia”, especificou.

José Maria Costa adiantou também que “a comissão de festas vai colocar quatro carros alegóricos em exposição nas praças principais da cidade para dar um sinal de festa, apesar dos constrangimentos” impostos pela pandemia de covid-19.

“Um dos carros terá o cartaz da festa, e o outro será o da famosa Caravela”, referindo -se a um dos carros emblemáticos do cortejo histórico-etnográfico.

Relativamente aos restantes dois carros alegóricos escusou-se a desvendar mais pormenores.

Este ano, segundo José Maria Costa, Câmara vai dar um apoio de cerca de 150 mil euros à comissão de festas para suportar as iniciativas que vão assinalar a edição 2020, como “exposições, produção de conteúdos, fogo de artificio para as alvoradas, entre outras.

“Este ano, o valor é muito menor. Normalmente, nas festas da Agonia tínhamos um investimento, quer de transferências de verbas do município, quer de exploração do terrado pela comissão de festas, de meio milhão de euros. Este ano o valor é substancialmente inferior, mas há despesas com várias iniciativas que nós assumimos. Não se podia fazer a festa nos moldes convencionais, mas há coisas que poderíamos e deveríamos fazer para dar a cidade um ar de festa para quem nos visita”, referiu.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 749 mil mortos e infetou mais de 20,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.770 pessoas das 53.548 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares