Seguir o O MINHO

Futebol

Chuva de golos, empate na raça, recorde histórico. O SC Braga está na próxima fase da Liga Europa

SC Braga 3-3 Wolverhampton

em

Foto: Twitter

O SC Braga recuperou hoje de uma desvantagem de dois golos e resgatou o empate 3-3 na receção ao Wolverhampton, que coloca as duas equipas nos 16 avos de final da Liga Europa de futebol.

Num grande jogo, mais pela entrega e emotividade, o SC Braga começou a ganhar, num golo de André Horta (06 minutos) com ‘contribuição’ de Rúben Neves, mas a equipa inglesa, orientada por Nuno Espírito Santo, deu a volta ainda na primeira parte, com golos de Jiménez (14), Doherty (34) e Traoré (35).

Com uma segunda parte muito melhor, os bracarenses chegaram ao empate por Paulinho (64) e Fransérgio (79), resultado que interessou às duas equipas, que se apuraram para a fase seguinte, restando a dúvida sobre quem ficará em primeiro lugar no grupo K, a desfazer na última ronda.

Braga é primeira equipa portuguesa a somar 12 jogos seguidos sem perder na Europa

O SC Braga tornou-se a equipa portuguesa com maior número de jogos consecutivos sem perder nas provas europeias, com um total de 12, tendo entrado pela quarta vez seguida com o mesmo ‘onze’, enquanto na equipa inglesa destacou-se a titularidade dos internacionais portugueses Rui Patrício, Rúben Neves, João Moutinho e Diogo Jota.

O Wolverhampton teve ‘mais bola’ de início, mas foi o Braga, no primeiro remate à baliza – e único na primeira parte – a marcar, contando com um desvio decisivo em Rúben Neves: o médio português quis parar o remate de fora da área de André Horta, mas apenas tornou a trajetória da bola impossível de defender para Rui Patrício.

Fortemente apoiada por cerca de 6.000 adeptos, a formação de Nuno Espírito Santo não demorou muito a empatar a partida, com Jiménez a cabecear após um bom centro de Diogo Jota da esquerda, aos 14 minutos.

Mais intenso e físico, o ‘Wolves’ criou um lance muito perigoso aos 24 minutos, mas Jiménez não chegou ao cruzamento de Traoré.

A equipa britânica chegou ao segundo golo aos 34 minutos, com Doherty, de cabeça, após grande assistência de Jiménez, a aproveitar um ‘buraco’ enorme no centro defensivo dos portugueses.

No minuto seguinte, o Wolverhampton foi novamente letal a aproveitar uma perda de bola a meio-campo dos minhotos, com Rúben Neves a servir rapidamente Traoré, que passou com grande facilidade por Wallace e rematou cruzado.

Na segunda parte, Diogo Jota, de cabeça, após centro de Traoré, obrigou Eduardo a grande defesa (51 minutos) e, pouco depois, Wallace lesionou-se sozinho (aparentemente lesão muscular), tendo Sá Pinto apostado em Wilson Eduardo, baixando Palhinha para o eixo defensivo (58).

O extremo ameaçou Rui Patrício logo a seguir, aos 60 minutos, mas, com o relvado em péssimo estado (vai ser substituído para a semana), não era fácil para nenhuma das equipas jogar bom futebol.

O Braga nunca deixou de acreditar e, após um bom lance individual de Galeno pela esquerda, Paulinho só teve que encostar, reduzindo para 2-3, aos 64 minutos.

O Wolverhampton caiu muito de produção e seriam os ‘arsenalistas’ a chegar ao empate, através de um bom cabeceamento de Fransérgio, aos 79 minutos, após cruzamento de Sequeira da direita.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Municipal de Braga.

SC Braga – Wolverhampton, 3-3.

Ao intervalo: 1-3.

Marcadores:

1-0, André Horta, 06 minutos.

1-1, Jiménez, 14.

1-2, Doherty, 34.

1-3, Traoré, 35.

2-3, Paulinho, 64.

3-3, Fransérgio, 79.

Equipas:

– SC Braga: Eduardo, Esgaio, Bruno Viana, Wallace (Wilson Eduardo, 58), Sequeira, Palhinha, André Horta, Fransérgio, Ricardo Horta (Rui Fonte, 73), Galeno e Paulinho (Pablo Santos, 86).

(Suplentes: Matheus, Diogo Viana, Pablo Santos, Uche Agbo, João Novais, Wilson Eduardo e Rui Fonte).

Treinador: Ricardo Sá Pinto.

– Wolverhampton: Rui Patrício, Leander Dendoncker, Conor Coady, Romain Saiss, Matt Doherty, Rúben Neves, João Moutinho, Jonny, Adama Traoré (Rúben Vinagre, 75), Diogo Jota (Patrick Cutrone, 80) e Raúl Jiménez (Pedro Neto, 69).

(Suplentes: John Ruddy, Jesus Valejo, Max Kilman, Rúben Vinagre, Ebeguowen Otasowie, Pedro Neto e Patrick Cutrone)

Treinador: Nuno Espírito Santo.

Árbitro: Alexey Kulbakov (Bielorrússia).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Galeno (37), Jiménez (68), Leander Dendoncker (84).

Assistência: 12.058 espetadores.

Populares