Seguir o O MINHO

Braga

Chega a Braga a primeira lavandaria com ‘app’ de serviço ao domicilio

Lavandarias Jeff

em

Foto: Divulgação / Mr. Jeff

Três meses após ter estreado em Portugal o seu modelo de franchising de lavandarias, a startup espanhola Jeff tem 30 lojas “em processo de abertura” em Braga, Lisboa, Porto, e Coimbra e prevê atingir as 200 unidades em 2020.

“Em Portugal, durante o ano de 2020, gostaríamos de atingir cerca de 200 franchisings de lavandarias e introduzir as nossas novas linhas de negócio, Beauty e Fitness”, revelou o presidente executivo e cofundador da Jeff, Eloi Gomes, em entrevista à agência Lusa.

Segundo explicou, “tendencialmente” a aposta será na presença “em cidades de grande e média dimensão”, que cumpram um conjunto de requisitos ao nível da densidade populacional, poder de compra e hábitos de consumo.

Criada em 2015 por três jovens empresários espanhóis, a empresa apresenta-se como “especialista em serviços de lavandaria e limpeza a seco de alta qualidade para todo o tipo de clientes”.

Através de uma app (aplicação) disponível para Android e iOS ou do site da Jeff é possível selecionar o local, a data e a hora de recolha da roupa, para que um motorista a levante e passadas 48 horas a entregue, limpa e passada a ferro.

A startup aponta o seu modelo de negócio como “uma oportunidade única para empresários que procuram um negócio com um rápido retorno do investimento”, afirmando que permite “uma recuperação em 17 meses” do investimento inicial médio de 39 mil euros a cargo do franchisado, “com um lucro que ronda os 3.250 euros/mês, 12 meses depois”.

“Os franchisados podem contar com um forte apoio logístico e de marketing, sem royalties nem taxas, durante o primeiro ano”, destaca.

Com a sua abordagem digital e um serviço disponível em regime de assinatura mensal ou pontualmente, a empresa diz pretender “alterar o funcionamento tradicional do setor da limpeza a seco”, baseando-se num estudo próprio que demonstra que “78% das pessoas consideram o cuidado da roupa a pior tarefa doméstica”.

Apontando como meta para o próximo ano os 200 franchisings de lavandarias em Portugal, a Jeff diz pretender também introduzir no país as suas duas novas linhas de negócio, que disponibilizarão serviços de beleza e de fitness, cujo arranque já se deu noutros países onde a empresa opera, nomeadamente com a abertura do primeiro salão de cabeleireiros e beleza na Argentina, em junho.

“Atualmente, a nível global crescemos 30% todos os meses, taxa esta que pretendemos manter”, disse à Lusa Eloi Gomes, traçando como meta para 2020 “marcar presença em 60 países”.

Após um rebranding feito em outubro passado, que uniformizou sob a designação Jeff a marca que acolhe os três serviços – lavandaria ao domicílio Mr Jeff, Beauty Jeff para o serviço de beleza e cabeleireiro e Fit Jess para o serviço de fitness – a empresa pretende assumir-se como “uma plataforma de serviços para o dia-a-dia dos consumidores”.

“Começámos já com a expansão das novas linhas de negócio – Beleza e Fitness – o que impulsionará a marca em novos mercados e segmentos de utilizadores, permitindo um maior crescimento da empresa, satisfazendo as necessidades diárias dos clientes da plataforma”, sustentou o presidente executivo.

De acordo com este responsável, todos os serviços – tecnológicos, de ‘marketing’, formações, suporte, produto, entre outros – estão disponíveis “de forma exclusiva” para a rede de franchisados da Jeff, que disponibiliza um modelo “chave na mão” que inclui financiamento, formação e suporte contínuo, assim como o apoio de uma equipa de ‘marketing’ em campanhas online e offline, na app e na web.

Em dezembro de 2018, cerca de três anos após a sua constituição, a Jeff recebeu 12 milhões de dólares (cerca de 10,8 milhões de euros) num ciclo de financiamento Série A liderado pela All Iron Ventures, que se somou aos 3,5 milhões de dólares angariados em operações anteriores junto de empresários europeus como Albert Armengol (presidente executivo da Doctoralia), Jeroen Merchiers (diretor-geral da Airbnb EMEA) e Kim Jung (presidente executivo do NX Corp).

Distinguida pela Google como uma das 20 melhores startups do mundo em 2017, já recebeu vários prémios, entre os quais o “Centros Europeus para Empresas Inovadoras 2017” e o “Jovens Empreendedores de Valência 2017”.

A empresa diz estar atualmente presente em mais de 30 países (Ásia, América Latina, África e Europa) com mais de 1.780 lojas e 600.000 utilizadores, empregando 500 colaboradores diretos e mais de 3.500 indiretos a nível mundial e gerindo uma aplicação, um site e lojas físicas.

Anúncio

Braga

Montenegro indigna militantes ao falar em autarca da Póvoa de Lanhoso que morreu há um ano

Eleições PSD

em

Foto: DR / Arquivo

Cartas personalizadas enviadas por Luís Montenegro a militantes do PSD no distrito de Braga estão a causar uma onda de indignação por entre os apoiantes de Rui Rio.

Numa dessas missivas, enviada aos eleitores da Póvoa de Lanhoso, Montenegro recorda Manuel Baptista, antigo presidente da Câmara que morreu em fevereiro de 2019.

“O seu legado e visão são hoje continuados pelo nosso amigo Avelino Silva [atual presidente da Câmara eleito pelo PSD], com quem conto incondicionalmente para ajudar na difícil tarefa que temos em mãos: revigorar o PSD e mobilizar Portugal”, pode ler-se no documento.

Em declarações ao jornal Observador, o vice-presidente da distrital da JSD de Braga, Alexandre Coimbra Peixoto, tece críticas por considerar que Montenegro está a “utilizar o nome de alguém” que é “muito querido” para “capitalizar votos de militantes”. “Isso indignou-me não só a mim, mas a militantes que apoiam as duas candidaturas”, disse o dirigente da jota.

O “presidente Batista morreu há menos de um ano e está muito presente na memória dos povenses”, por isso utilizar o nome é “uma atitude que não abona a favor de Luís Montenegro”, explica Coimbra Peixoto.

Eleições no PSD: Resultados nas maiores concelhias

Fala ainda em “profunda demonstração de falta de carácter e de vergonha” quando “insinua o apoio do presidente da Câmara, Avelino Silva, à sua candidatura”. Luís Montenegro conquistou apenas 19 votos nesta secção, contra 149 votos para Rui Rio.

Referência a eurodeputado

Na concelhia de Vila Verde, as cartas falavam em José Manuel Fernandes (JMF), atual eurodeputado eleito pelo PSD e apoiante manifesto de Rui Rio desde a primeira volta.

Carta enviada por Luís Montenegro aos militantes PSD de Vila Verde

Depois de receberem cartas com referência ao antigo presidente da autarquia, JMF enviou uma SMS aos militantes de Vila Verde, apelando ao voto em Rui Rio.

“Apoio Rui Rio a presidente do PSD. É o melhor. Para Vila Verde e Portugal. Sábado (14h-20h), vota Rui Rio. Portugal precisa do PSD forte. José Manuel Fernandes”, dizia a mensagem escrita. Em Vila Verde, 482 votaram em Rui Rio, contra 142 de Luís Montenegro.

Ao mesmo jornal, fonte da candidatura de Montenengro nega que as cartas sugiram apoio de quem é mencionado: “As cartas pretendem apenas dizer que contamos com todos no dia a seguir às eleições. Que não excluímos ninguém”.

Continuar a ler

Braga

Acusados de vender droga em parques de hipermercado e autocarros Braga-Vila Verde

Tráfico de estupefacientes

em

Foto: DR / Arquivo

O Ministério Público do Tribunal de Braga acusou 29 pessoas, em dois processos diferentes, por tráfico de droga na cidade. Num, acusa 16 pessoas e noutro 13. Ao todo, a investigação detetou mais de 500 vendas. E mostra o mapa dos locais onde se trafica…

Os julgamentos por tráfico são frequentes na comarca de Braga. este momento está a decorrer um com 27 arguidos. A partir de Braga, o produto chegava também a Amares, Barcelos, Terras de Bouro, Vila Verde, Póvoa de Lanhoso, e mesmo a Vila do Conde, Póvoa de Varzim, e Famalicão.

Os vendedores – disse fonte da PJ/Braga – vão buscá-la ao Porto, outrora ao bairro do Aleixo, hoje a zonas com características idênticas. Em alguns casos, a droga vem da Galiza. Em Braga, alguns dos fornecedores dão pelas alcunhas de Ciga e Xuxu.

Até agora, era nos bairros sociais de Santa Tecla, Picoto e Enguardas que os consumidores se abasteciam. Mas – a crer no MP – a venda expandiu-se pela cidade: o principal foco do negócio era – no processo com 18 arguidos – o parque de estacionamento da loja De Borla (ao lado do cemitério), na envolvência dos bares da Sé, no largo fronteiro aos Bombeiros Voluntários, na zona dos bares da UMinho, perto da pastelaria Bracarum, numa área erma de Montariol, e ao lado do pelourinho, na Cividade. Por vezes, as vendas eram feitas nos autocarros que circulam entre Braga e Vila Verde.

Maximinos e Ferreiros

A segunda acusação aponta as zonas de Maximinos e de Ferreiros, mormente junto a cafés e pastelarias, à Escola Frei Caetano Brandão, ao pavilhão desportivo de Ferreiros, ao estacionamento do Leclerc, no Parque Radical ou perto da loja dos CTT e da estação de comboios.

Recorriam ainda, de noite, às gasolineiras da Repsol, da BP, ao parque do Continente e às zona de Gualtar e de Gondizalves. Iam, também, ao bairro das Parretas e esteendiam-se a Martim e Pousa, em Barcelos.

Para além dos telemóveis, recorriam às redes sociais, ao Messenger, Instagram, Whatsapp, Snpachat, e Telegram.

A acusação diz que vendiam canábis (resina) , heroína, cocaína e MDMA (ecstasy), para consumo ou revenda.

O MP aponta dois arguidos, em cada caso, como os fundadores de redes que se expandiram:

Gonçalo Martins, de Braga, que vendeu drogas entre 2014 e 2018, tinha como parceiro, Carlos Oliveira.

No caso de Maximinos, diz que Ricardo Antunes, ali residente, traficou durante 18 anos, entre 2001 e 2019, com apoio de cinco outros arguidos, em particular de Tiago Fernandes.

Este adquiria, também, produto a Pedro Sampaio, de Guimarães.Ao todo, a investigação detetou mais de 500 vendas – por cinco a 10 euros, em regra, mas, que podiam chegar aos 80 no caso de barras -, tendo elencado.

Ao telefone, usavam linguagem codificada, com expressões como “tomar café, beber um fino, traz tabaco, ou arranja peixe”, “bilhetes para o Sporting”, chocolate, xoco, terrinha, etc.

Em ambos os processos, o jurista João Ferreira Araújo defende um dos principais envolvidos. Ao longo da vida já fez dezenas de julgamentos de tráfico…

Investigação da GNR

O MP constatou que Gonçalo Martins vendeu em Amares, nomeadamente junto ao rio em Figueiredo, do estabelecimento «Soccer place», em Besteiros, e do café Variações, em Ferreiros. Transacionou, ainda, por 18 vezes, perto da escola secundária.

A investigação foi feita pelo NIC (Núcleo de Investigação Criminal) da GNR da Póvoa de Lanhoso que fez dezenas de escutas telefónicas, e vigilâncias, com captação de imagens.

O primeiro processo tem 31 militares da GNR como testemunhas, e 130 consumidores.

O de Maximinos envolve 48 guardas, quatro deles da PSP, e 165 outras testemunhas. Sete arguidos estão em prisão preventiva. Aquando da detenção dos principais arguidos, a GNR apreendeu drogas e quatro carros, telemóveis, tablets, computadores, drogas, dinheiro, munições e artefactos ligados ao tráfico.

O MP quer que sejam declarados como perdidos a favor do Estado. Para além das escutas, das imagens de vigilância, e dos autos de buscas domiciliária, o processo conta com dezenas de testemunhas.

Continuar a ler

Braga

AMT dá Luz verde para contratar mais transportes públicos em Braga

Autoridade da Mobilidade e dos Transportes

em

Foto: Divulgação

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes revelou hoje que deu parecer positivo ao contrato de concessão em Braga, para serviços públicos de transporte rodoviário de passageiros. A mesma entidade autorizou o concurso a lançar pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo

Trata-se de pareceres positivos às peças do contrato de concessão de serviço público de transporte rodoviário de passageiros no município de Braga e do concurso público para o serviço público de transporte de passageiros regular por modo rodoviário na Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, precisa a AMT, em comunicado enviado à agência Lusa.

A AMT refere que os pareceres prévios vinculativos positivos foram emitidos na quinta-feira às peças dos dois procedimentos, que “assumem relevância” na “implementação da reforma introduzida” pelo regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho da União Europeia que aprovou o regime jurídico do serviço público de transporte de passageiros.

No caso do município de Braga, “consolida-se o processo de contratualização de serviços públicos de transporte de passageiros quando prestados por autoridades de transportes, por prestação direta ou serviços municipalizados e operadores internos”.

Em relação ao Baixo Alentejo, trata-se de “um passo que se afigura significativo no sentido da melhoria do sistema de transportes públicos em regiões de baixa densidade populacional”.

O sentido dos dois pareceres, “ainda que positivo, implica o cumprimento de diversas determinações, designadamente quanto à execução contratual, no que se refere a matéria operacional, económica e financeira, e o apuramento e reporte circunstanciado e periódico de informação relevante”, informa a AMT.

Segundo a AMT, “a divulgação dos pareceres será efetuada após a conclusão dos competentes procedimentos administrativos, depois de salvaguardados os elementos sujeitos a confidencialidade”.

Continuar a ler

Populares