Seguir o O MINHO

Desporto

“Chato e doce”, Raphinha conquistou Deco e agora brilha em Guimarães

em

“Chato e um doce”. Este é o jeito que Diogo Fernandes descreve Raphinha, um dos jogadores com mais destaque esta época no futebol português. O treinador que descobriu o jovem extremo do Vitória SC, que é agenciado por Deco, histórico do FC Porto, lembra bem como foi o início do jogador de 20 anos, que chegou ao Avaí, de Santa Catarina, ainda adolescente depois de se destacar pelo pequeno Ibituba, da Segunda Divisão do mesmo estado.

Um amigo meu viu o Raphinha a jogar, comentou sobre um menino muito interessante, e fui confirmar essa observação. Fizemos um amigável contra essa equipa para observar, todos ficaram encantados. Muito bom no “um contra um”, drible muito bom. Tem uma finalização muito boa, apesar de ser um extremo, sabe rematar, faz muitos golos para a posição“, lembra Diogo Fernandes, coordenador da formação do clube catarinense, em conversa com O MINHO.

Veio para a formação para uma época de teste de seis meses. Ficou esse tempo, literalmente, a adaptar-se à nova realidade, jogando pouco, (passando) muito tempo no banco. Depois que se integrou, viu que estava por mérito e deu um passo considerável a partir daí. Marcou golos nos dérbis, destacou-se em grandes jogos dos principais torneios, tornou-se um expoente e foi, de longe, o melhor jogador da formação“.

A qualidade chamou logo a atenção de Deco, um dos maiores jogadores de sempre do FC Porto, que agora trabalha como empresário.

“Ele tem uma capacidade técnica diferente. É um extremo que, além de fazer o trabalho de marcar e equilibrar do lado do campo, marca golos. São jogadores que marcam a diferença, não há muitos hoje em dia“, disse o Mágico ao O MINHO.

Não deu nem tempo de chegar ao profissional, fez a Copa São Paulo (tradicional torneio brasileiro da formação), iria subir e veio o Vitória SC”, recorda Diogo.

Deco e Diogo Fernandes, importantes na formação de Raphinha (Fotos: DR)

Nesse tempo no Avaí, Diogo Fernandes conseguiu traçar bem a personalidade do jovem jogador, que atrai a atenção de outros clubes europeus. O coordenador diz que parece que são duas pessoas: uma dentro e outra fora de campo.

“Dentro de campo é extremamente competitivo, aquele que reclama de tudo, quer sempre a bola, é “chato”. Fora de campo é um doce, não abre a boca para nada, sempre calmo, nunca criou problemas. Mas era “fominha”, não gostava de ser substituído”.

“É um menino bacana, gosta da família, (é) um rapaz alegre, aliado à qualidade, tem tudo para triunfar na carreira“, completa Deco.

Tem também uma certa ingenuidade, bem típica de jovens jogadores. Diogo Fernandes lembra que no centro de estágio do Avaí, num campo que tinha balizas móveis cujo tamanho se podia adaptar como o treinador quisesse, a bola às vezes ia muito forte ou alta e, como iria sair, os jogadores agarravam a bola com as mãos, para se pouparem do esforço de a ir buscar longe.

“Aquilo criou um hábito nele. Num jogo de sub-20, teve uma ‘virada’ (NDR. ressalto) de bola para ele, uma diagonal, que veio muito alta e ele pegou com a mão para não sair. Foi falta. Levou amarelo e, como já tinha um, foi expulso. Aquilo causou confusão às pessoas, mas era um hábito”, ri-se.

Raphinha chegou ao Vitória SC em 2015, inicialmente para jogar pelos bês. Em 16 jogos na Segunda Liga, apontou cinco golos. Na época seguinte, Pedro Martins resolveu levá-lo para o estágio de pré-época e ficou nos séniores. Em 41 partidas em 2016/17, balançou as redes quatro vezes.

Mas foi esta época que começou a brilhar mais. Sem Hernâni e Marega, que voltaram ao FC Porto, é totalista em minutos, até ao momento. Marcou ao Benfica na Supertaça, em que o Vitória SC perdeu, mas continuou bem. Nos últimos dois jogos, marcou três golos. Contabiliza um total de oito na temporada.

“Não me surpreendeu, conheço-o bem, desde que estava no Avaí. Lógico que é um jogador jovem, chegar a Portugal não é fácil e está em um clube com bastante exigência. Mas entra a questão mental, também, capacidade de trabalhar, de querer fazer“, diz Deco.

Para tristeza dos adeptos do Vitória SC, a tendência é que em breve venha a ser transferido. Para Deco e Diogo essa é a tendência. Ambos são cuidadosos ao falar de Selecção Brasileira. Mas acreditam que Raphinha tem potencial para jogar num colosso europeu dentro de pouco tempo.

“Com todo o respeito pelo Vitória SC, (Raphinha) vai chegar mais longe do que já está. É um jogador extremamente promissor. Mas, antes de pensar na Selecção, acho ainda que irá jogar num grande da Europa, talvez de Espanha ou Inglaterra“, diz Diogo.

Eu vejo-o a ter uma carreira de sucesso. Tem que ter paciência, trabalhar no dia a dia, que é o que ele está a fazer. Está num clube importante de Portugal. Mas no futuro, vai passar por outros clubes, é um caminho natural“, completa Deco.

O próximo jogo de Raphinha pelo Vitória SC é já esta quinta-feira n Liga Europa. Os vimarenses jogam contra o Olympique de Marselha, em casa.

Anúncio

Futebol

“Os meus jogadores estão completamente de parabéns”

Declarações de Rúben Amorim

em

Foto: Twitter

Declarações após o jogo da 22.ª jornada da I Liga de futebol entre SC Braga e Vitória de Setúbal (3-1), que hoje decorreu em Braga:

Rúben Amorim (treinador do SC Braga): “Entrámos muito bem no jogo e tivemos várias oportunidades para marcar. O Setúbal procurava jogar no nosso erro com um bloco bem baixo, algo que não estava à espera, mas soubemos contrariar isso. Com o falhar dos golos e certas paragens, o fim da primeira parte pareceu-me confuso.

Na segunda parte, voltámos a entrar bem, fizemos um golo e outro a seguir, mas, depois, complicámos a nossa vida, que é algo que os meus jogadores parece que gostam um bocado de fazer. Depois, veio o terceiro e o Braga mereceu inteiramente esta vitória, fez por isso, mesmo depois de estarmos a ganhar 2-0 a iniciativa de jogo foi nossa.

Estava a brincar quando disse que os meus jogadores gostam de complicar. Estão completamente de parabéns, o facto de não terem jogado em Glasgow não quer dizer que não estavam cansados, porque fizeram viagens de avião, não treinaram ou fizeram treinos de baixa intensidade, não tiveram tempo para igualar a condição dos outros.

(Estreia de Pedro Amador) Conhecia-o bem da equipa B e isso ajuda. Com esta dinâmica e com jogadores experientes, é mais fácil jogar aqui do que no Campeonato de Portugal, embora a exigência seja maior e os adversários muito melhores, mas com a qualidade que têm e a formação que tiveram no Braga, estão preparados para dar uma boa resposta. Se lançasse estes jovens numa equipa que não ganhasse, seria mais complicado e até injusto para eles.

(Sequeira lesionado) A minha preocupação é que não percam vários jogos só para acabar um, se vai estar apto ou não para quarta-feira [Rangers], não faço ideia.”

Júlio Velazquez (treinador do Vitória de Setúbal): “Fizemos uma primeira parte muito bem jogada e podíamos ter-nos adiantado no marcador, tivemos uma boa oportunidade pelo Ghilas e depois um golo que não foi válido, eu ainda tenho as minhas dúvidas, tenho que ver bem na televisão.

Na primeira parte, fomos taticamente perfeitos e anulámos as possibilidades do Braga.

Na segunda parte, começámos na mesma dinâmica, mas com as linhas mais separadas e faltou ter mais calma no passe. Permitimos uma transição ao Braga e eles fizeram o primeiro golo, depois o segundo e, depois deste, a reação da equipa foi muito boa. Emocionalmente, voltámos a estar dentro do jogo, fizemos o 2-1 e fomos à procura do empate.

Mudámos mutas vezes o sistema, mas depois a dinâmica do jogo é que importa, estou orgulhoso da minha equipa e fizemos uma boa partida diante da equipa em melhor forma do futebol português e uma das melhores do futebol europeu neste momento.”

Continuar a ler

Futebol

FC Porto vence Portimonense pela margem mínima

I Liga

em

Foto: Twitter (Arquivo)

Um golo de Alex Telles, na parte final do encontro, permitiu hoje ao FC Porto vencer o Portimonense 1-0, em partida da 22.ª da I Liga de futebol, resultado que entrega aos ‘dragões’ a liderança provisória do campeonato.

O defesa brasileiro dos ‘dragões’ marcou o tento que fez a diferença aos 87 minutos, disfarçando uma exibição pouco conseguida da sua equipa em termos ofensivos e em que o avançado do Portimonense Jackson Martinez, aos 45, desperdiçou uma grande penalidade.

Com este resultado, os ‘azuis e brancos’ sobem à condição para a liderança da Liga, com 56 pontos, mais dois do que o Benfica, que só fecha a jornada na segunda-feira, em Barcelos, com o Gil Vicente.

Já o Portimonense, com este desaire, mantém-se em zona de despromoção, no 17.º e penúltimo lugar, com 15 pontos, a quatro do Paços de Ferreira, que, ao vencer hoje em casa o Famalicão, se afastou dos lugares ‘perigosos’.

Vindo do desaire da jornada europeia, frente aos alemães do Bayer Leverkusen [derrota 2-1], o FC Porto quis dar uma rápida resposta, entrando no desafio com uma postura bem ofensiva, embora sem particular inspiração na definição final, abusando de cruzamentos inconsequentes para a área contraria.

Corona ainda tentou, numa fase inicial disfarçar essa pecha, mas em posição privilegiada desviou ao lado um centro de Sérgio Oliveira.

Do outro lado, o conjunto de Paulo Sérgio mostrava-se coeso a defender, mas não era tão espevitado nas saídas para o contra-ataque, fazendo com que Jackson Martinez fosse uma presa fácil para a defensiva portista.

Só depois da meia-hora, os ‘azuis e brancos’ conseguiram criar as suas melhores oportunidades até então, com Soares em destaque, primeiro num remate ao lado, e, depois, num cabeceamento a um cruzamento exemplar de Luíz Diaz, que o guarda-redes do Portimonense travou.

Perante a inoperância ofensiva dos ‘dragões’, o conjunto do Algarve respondeu com duas excelentes oportunidades para marcar, já perto do intervalo, mas Jackson Martinez mostrou-se perdulário.

Aos 38, o avançado colombiano, ex-FC Porto, desviou de cabeça, mas ao lado, uma assistência de Bruno Tabata, e já perto do descanso, depois de ter sido derrubado por Uribe na área portista, falhou uma grande penalidade, rematando muito por cima, e mantendo o nulo ao intervalo.

A falta de inspiração dos nortenhos no ataque foi mais visível no reatamento e, apesar de Sérgio Oliveira, logo aos 46, ainda ter protagonizado um cabeceamento, que o guarda-redes Gonda segurou, a falta de ideias permaneceu.

Sérgio Conceição ainda tentou corrigir a equipa, lançando de uma só vez Nakajima e Zé Luís para o jogo, mas a defesa do Portimonense mostrava-se irrepreensível a tapar os caminhos para a sua baliza.

E quando os algarvios cediam algumas brechas, os ‘dragões’ mostravam-se perdulários, com Luís Diaz, aos 71 minutos, a provar essa dificuldade na finalização, desviando ao lado, com a baliza aberta, mais um cruzamento para a área.

Embora mais concentrados nos seus processos defensivos, os visitantes ainda chegaram a assustar a defesa do FC Porto, num remate acrobático de Ali, aos 84, ao qual os ‘dragões’ responderem de forma letal.

Depois de tanta inconsequente insistência, Alex Telles resolveu chamar a si a responsabilidade, e, aos 87 minutos, com um forte remate de fora da área, resolveu o jogo, apontando o golo que fez a diferença.

Continuar a ler

Atletismo

Mariana Machado vence nos 3.000 metros e ‘dá’ vice-campeonato nacional ao SC Braga

A correr em ‘casa”

em

Foto: Divulgação / FP Atletismo

A atleta bracarense Mariana Machado venceu, este domingo, a prova dos 3.000 metros de pista coberta, no campeonato nacional de clubes, que decorreu no Altice Forum, em Braga.

Mariana Machado foi a única atleta bracarense a conseguir vencer uma prova, e a única não atleta do Sporting a vencer em femininos. A jovem completou a prova em 9.19,05 minutos.

Também no sábado, o prodígio do SC Braga venceu a prova dos 1.500 metros, contribuíndo assim (e muito) para o segundo lugar alcançado pelo clube arsenalista na final desta competição, sagrando-se vice-campeão nacional em Pista Coberta na vertente feminina.

As fases finais do campeonato nacional de clubes em pista coberta, a mais importante prova coletiva do atletismo português, repartiram 32 equipas de 22 clubes em duas divisões e decorreram desde sábado no Altice Fórum, em Braga.

Classificação final:

– I Divisão (Masculinos):

1. Benfica, 101 pontos.

2. Sporting, 90.

3. SC Braga, 54.

– I Divisão (Femininos):

1. Sporting, 100 pontos.

2. SC Braga, 82.

3. Juventude Vidigalense, 66.

– Masculinos:

Lançamento do peso: Tsanko Arnaudov (Benfica), 20,59 metros.

60 metros barreiras: João Vítor Oliveira (Benfica), 7,87 segundos.

800 metros: Isaac Nader (Benfica), 1.52,80 minutos.

3.000 metros: Samuel Barata (Benfica), 8.09,68 minutos.

Triplo salto: Pedro Pablo Pichardo (Benfica), 17 metros.

4×400 metros: Benfica, 3.15,09 minutos.

– Femininos:

Triplo salto: Patrícia Mamona (Sporting), 13,86 metros.

60 metros barreiras: Olímpia Barbosa (Sporting), 8,44 segundos.

Salto com vara: Marta Onofre (Sporting), 4,20 metros.

800 metros: Claudia Bobocea (Sporting), 2.06,51 minutos.

Lançamento do peso: Auriol Dongmo (Sporting), 18,08 metros.

3.000 metros: Mariana Machado (SC Braga), 9.19,05 minutos.

4×400 metros: Sporting, 3.37,70 minutos.

– II Divisão (Masculinos):

1. Casa do Benfica de Faro, 74 pontos.

2. ADRAP, 63.

3. Almeirim, 61,5.

– II Divisão (Femininos):

1. Eirense, 73,5 pontos.

2. Maia, 72.

3. Senhora do Desterro, 71,5.

Continuar a ler

Populares