Chama-se Florinca, é produzida em Viana e é “única na Península Ibérica”

Em Carreço

Chama-se Florinca, é produzida em Viana e é “única na Península Ibérica”. Esta espécie de alstroemeria, flor originária da América do Sul, tem vindo a ser cultivada em estufas na veiga de Carreço, na capital do Alto Minho e, de acordo com os produtores, “tem feito sucesso em todo o mundo”.

Em nota de imprensa, a Virgin Flower, que detém a exclusividade, explica que esta “nova espécie de flor se carateriza também por não produzir pólen, nem ter aroma”.

“Diferencia pelo número elevado de flores por haste, pela sua resistência fora de série, com uma longa durabilidade em jarra”, refere a empresa luso-holandesa.

Trata-se de “uma flor exclusiva, muito usada em eventos no estrangeiro, é ideal para momentos especiais e para pessoas com alergia às flores”.

Para a produção, a empresa conta com “um grupo internacional de colaboradores que se deslocam em bicicleta pelos muitos hectares de produção”.

Liderada por dois sócios, uma portuguesa e um holandês, a Virgin Flower trabalha há duas
décadas com alstroemeria, tendo sido pioneira na produção desta flor em Portugal.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

OMS alerta para risco de catástrofe humanitária na Europa

Próximo Artigo

"Temos de estar preparados para todos os cenários", diz ministro

Artigos Relacionados
x