Seguir o O MINHO

Alto Minho

Cerca de 60 empresários de Valença e Cerveira pedem que os deixem trabalhar

Estado de emergência

em

Protesto em Valença. Foto: O MINHO

Cerca de 60 empresários da restauração dos concelhos de Valença e Vila Nova de Cerveira exigiram hoje que os deixem trabalhar e que “as regras de funcionamento do setor não sejam alteradas a toda a hora”.

“Não queremos subsídios, não queremos apoios. Queremos apenas e só que nos deixem trabalhar”, afirmou hoje à agência Lusa, João Cunha, um dos organizadores do protesto que decorreu durante mais de uma hora na cidade de Valença.

“Há uma série de restaurantes que estiveram presentes neste protesto que fecharam e não sabem quando vão reabrir. Há muitos outros que, provavelmente, não vão abrir”, reforçou o empresário de Vila Nova de Cerveira.

Valença e Vila Nova de Cerveira integram a lista de concelhos com risco elevado de contágio da covid-19, sujeitos ao recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00, e com circulação limitada a partir das 13:00 de sábado e domingo.

Em declarações à Lusa, no final da manifestação, João Cunha disse que o setor está numa situação “dramática”.

“Não só os empresários e suas famílias, como os funcionários, produtores e fornecedores. Este é um setor que movimenta muito a economia, se estiver a trabalhar. Se estiver parado vai causar muita fome e muita miséria em toda região”, acrescentou.

Protesto em Valença. Foto: O MINHO

Protesto em Valença. Foto: O MINHO

Protesto em Valença. Foto: O MINHO

Para o organizador do protesto “não é possível gerir uma empresa com regras sistematicamente alteradas”, como tem acontecido durante a pandemia de covid-19.

“Com a pandemia o setor da restauração reinventou-se e adotou todas as normas exigidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O que exigimos agora é que não nos alterem as regras do jogo a toda a hora. Temos funcionários, fornecedores, famílias e isso custa muito dinheiro. Não estamos a conseguir ter receita suficiente para cobrir essas despesas”, reforçou.

João Cunha não descartou a realização de novos protestos dos profissionais do canal Horeca (hotelaria, restauração e cafetaria).

“Se no final dos dois fins de semana de recolher obrigatório não houver nenhuma alteração nas decisões políticas, provavelmente vamos voltar a juntar os empresários para tomar medidas de protesto”, adiantou.

Valença e Vila Nova de Cerveira juntam-se a outros quatro municípios do distrito de Viana do Castelo, integrados na lista de municípios de risco elevado, os concelhos de Viana do Castelo, Caminha, Paredes de Coura e Ponte de Lima.

Na quinta-feira, o Governo atualizou a lista que passa de 121 para 191 municípios sujeitos a medidas mais restritivas como o recolher obrigatório, nomeadamente ao fim de semana, a partir das 13:00, incluindo Arcos de Valdevez, também no Alto Minho.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.294.539 mortos em mais de 52,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.250 pessoas dos 204.664 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Anúncio

Alto Minho

Cerveira pede ajuda na Galiza para combater surto em lar

Recrutamento de voluntários

Foto: DR

A Câmara e a Misericórdia de Vila Nova de Cerveira lançaram hoje um apelo transfronteiriço de recrutamento de voluntários para ajudar a combater um surto de covid-19 que infetou os 66 idosos do lar Maria Luísa.

Em comunicado conjunto, as duas instituições referem que o apelo ao voluntariado transfronteiriço foi acionado através da Eurocidade Cerveira-Tomiño(Galiza), na sequência de uma reunião de “emergência da comissão municipal de proteção civil, perante a situação de calamidade de saúde pública que se vive no lar Maria Luísa”.

A autarquia e a Misericórdia adiantam ter ainda ter contactado “o Centro de Emprego da Junta da Galiza para recrutar pessoas dentro da área para desempenhar funções, estando a aguardar resposta”.

Recorreram também “à Bolsa de Voluntários de Vila Nova de Cerveira e contactado o Instituto de Emprego Formação Profissional do Alto Minho”.

“À data de hoje, há quatro mortes a lamentar, sendo que a totalidade dos 66 utentes da instituição estão infetados”, descrevem.

No que diz respeito aos colaboradores, “de um total de 52, 10 estão de baixa média prolongada sem previsão de regresso, 32 estão infetados e, consequentemente, em isolamento profilático, estando apenas 10 neste momento ao ativo para garantir o funcionamento da instituição 24horas por dia”, destaca a nota.

A falta de recursos humanos foi um dos temas hoje discutidos na reunião da comissão municipal de proteção civil, a segunda realizada em quatro dias, devido à necessidade de uma “intervenção musculada de emergência”.

“Mediante a disponibilidade manifestada por alguns trabalhadores para regressar ao trabalho, mesmo estando positivos, mas assintomáticos, foi colocada à consideração da Saúde Pública e da ULSAM a autorização para estes puderem prestar o apoio aos utentes, tendo em conta que a taxa de infeção no lar é de 100%”, refere a nota.

O “primeiro caso de infeção foi detetado no dia 12, tendo sido ativado imediatamente o plano de contingência da instituição”.

Segundo a Câmara e a Santa Casa da Misericórdia, na sexta-feira “foram desencadeados todos os meios legais e logísticos ao dispor, nomeadamente a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), a Delegação Distrital de Saúde, a Segurança Social distrital e a Direção-Geral da Saúde, solicitando um reforço de pessoal médico e auxiliar para dar resposta às necessidades prementes”.

“A resposta tem sido escassa, devido à falta de recursos humanos no concelho e no distrito, tendo a Segurança Social distrital ativado, até ao momento, as Brigadas de Apoio aos Lares criadas pelo Governo, através das quais foram destacados dois enfermeiros e cinco auxiliares de ação direta”, refere a nota.

A Câmara adiantou “estar a colaborar, logística e financeiramente, nomeadamente com a aquisição de todas as refeições no exterior, bem como a aquisição de material de desinfeção e equipamento de proteção individual”.

“Quer a Câmara, quer a Santa Casa têm procurado encontrar pessoas voluntárias para prestar o necessário e devido serviço de apoio aos utentes, numa primeira fase recorrendo a meios e contactos próprios e, nesta fase, lançando um apelo público aos familiares dos utentes e a pessoas da comunidade em geral para prestar serviço de voluntariado”, reforçam.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.041.289 mortos resultantes de mais de 95,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.246 pessoas dos 566.958 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Unidade Móvel percorreu 14 freguesias e atendeu 113 pessoas em Viana

Saúde

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

A Câmara de Viana do Castelo informou hoje que a unidade móvel que integra o projeto “Saúde mais Próxima”, percorreu, em um mês, dois dias por semana, 14 das 27 freguesias do concelho e atendeu 113 munícipes.

Em comunicado enviado às redações, o município explicou que aquela iniciativa, realizada em parceria com o Centro Humanitário do Alto Minho da Cruz Vermelha Portuguesa, “pretende promover a equidade na saúde e reforçar a rede de cuidados de saúde de proximidade no concelho, beneficiando a população e as freguesias com maiores limitações físicas e geográficas no acesso aos serviços de saúde”.

Além de prestar diversos cuidados de saúde, a Unidade Móvel de Saúde (UMS) “pode, quando necessário, promover a realização de testes rápidos no âmbito da pandemia de covid-19”.

A aquisição daquela unidade representou, por parte da autarquia, um investimento de 15 mil euros, sendo que o apoio para a constituição de uma equipa multidisciplinar implica um investimento de 3.000 euros por mês.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho com mais de mil novos casos em quatro dias (e mais 22 mortos)

Dados locais

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO (Arquivo)

Há 3.414 casos ativos no Alto Minho, mais 734 em quatro dias, segundo o boletim da Unidade de Saúde Local do Alto Minho (ULSAM), atualizado às 13:00 desta terça-feira.

O distrito de Viana do Castelo soma, desde o início da pandemia, 11.181 casos, mais 1.078 nos últimos quatro dias.

Contam-se ainda 7.570 recuperados, mais 322 em relação a sexta-feira.

Há a lamentar mais 22 óbitos (197 no total desde o início da pandemia: seis em Viana do Castelo (total de 55), seis em Ponte de Lima (36), três em Cerveira (8), dois em Valença (9) e Ponte da Barca (11) e um em Arcos de Valdevez (16), Caminha (24) e Monção (23).

Viana do Castelo tem agora 907 casos ativos (+ 118 do que há quatro dias), Ponte de Lima 641 (+ 129), Caminha 367 (+ 92), Arcos de Valdevez 439 (+ 117), Ponte da Barca 249 (+ 53), Valença 164 (+ 40), Melgaço 164 (+ 45), Monção 153 (+ 41), Paredes de Coura 163 (+ 83) e Cerveira 167 (+ 16).

Continuar a ler

Populares