Redes Sociais

Famalicão

Cerca de 1000 seniores põem Famalicão a aquecer para a grande noite de Carnaval

 a

Foto: Divulgação

Antes da noite mais esperada do Carnaval de Famalicão, os seniores do concelho participaram da festa. Cerca de 1000 pessoas estiveram na iniciativa promovida pela autarquia e que antecipa a grande noite de folia que todos os anos se vive no centro da cidade.

“Gosto muito destas brincadeiras”, conta Maria Alice, que lembra que é certo que não há o calor do Rio de Janeiro, mas que também é uma “Cidade Maravilhosa”, e começou a preparar o seu fato de Carnaval esta segunda-feira de manhã. “Eram 11:00 quando peguei num conjunto de bandeiras que tinha lá para casa e meti as mãos na máquina de costura para fazer este conjunto todo colorido”.

O mesmo se pode dizer de Maria Machado, que este fim de semana se inspirou na recente conquista da Seleção Nacional de Futsal para preparar o seu traje de “Miss Portugal”. Desfilou no palco ao som do Hino Nacional, foi uma das mais aplaudidas da tarde e levou para casa o prémio de “Melhor Fantasia”.

O presidente da Câmara , Paulo Cunha, aplaudiu a criatividade dos seniores famalicenses. “É uma boa tradição que se mantém e é bom perceber que os nossos séniores se associam a esta iniciativa. É um sinal de vitalidade e de envolvimento da comunidade”, disse.

Referência ainda para os outros dois galardoados da tarde. O Centro Social de Landim arrecadou o prémio de “Melhor Grupo” e o Centro de Convívio de Famalicão o prémio de “Mais Folião.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Nova travessia sobre o rio Ave com “boas indicações” para ser aprovada pela APA

Na Trofa.

Publicado

 a

Foto: DR

O ministro do Planeamento e Infraestruturas disse hoje haver “boas indicações” para a aprovação da nova travessia sobre o rio Ave, na Trofa, pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), salientando que será “complexo começar a obra” em 2019.

Em Vila Nova de Famalicão, à margem de uma visita às obras na Estrada Nacional (EN) 14, que liga o eixo Maia-Trofa-Famalicão, Pedro Marques referiu ainda que a obra na “zona mais a Sul”, na Maia, deverá “avançar em breve” faltando apenas o visto do Tribunal de Contas.

A visita àquela obra foi também acompanhada pelo presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, que criticou a demora da aprovação da nova variante e travessia do rio Ave, lembrando que o processo está parado há três anos por divergências entre a APA e a Infraestruturas de Portugal e mostrou-se desagradado com o horizonte temporal para a nova travessia apontado pelo ministro.

“Nós considerámos que não seria adequado estar a fazer um troço da variante à EN14 para acabar no meio da Trofa porque não tínhamos a possibilidade de fazer o atravessamento do rio Ave (…). Ia congestionar todo o centro da Trofa e depois ir despejar o trânsito todo na EN14 ao pé da Trofa”, explicou Pedro Marques.

“Agora temos uma solução técnica que nos parece que será aprovada pela APA, que tem boas indicações de aprovação e, se assim for, já nos permitirá lançar o investimento relativo a toda a variante à Estrada Nacional 14”, anunciou.

Segundo o governante, a “solução técnica” que aguarda agora aprovação pela APA “sai do centro da Trofa, mas sobretudo é desenvolvida em variante à EN14, já não é como aqui [em Vila Nova de Famalicão] de duplicação do tratado atual e nesse sentido acabará por descongestionar este troço”.

Quanto a prazo para início da empreitada, Pedro Marques não apontou datas: “A minha expectativa é que a APA ainda este ano possa dizer alguma coisa sobre o atravessamento do rio Ave (…) temos a expectativa que venha a ser devidamente aprovada e depois estaremos em condições de programar as próximas fazes do investimento”, apontou.

“O processo de contratação pode acontecer (para o ano). Começar a obra para o ano é complexo”, avisou.

Confrontado com as declarações do ministro, o autarca da Trofa salientou que “este eixo Maia-Trofa-Famalicão é um eixo de empresas, de exportação, de dinamismo, muito importante e um contributo fundamental para o PIB nacional” e que “há muito tempo” a autarquia reivindica “uma variante à EN14”.

“Todos os organismos públicos têm processos morosos. Este processo já está na APA há muito tempo (…). O senhor ministro disse é que espera que até ao final do ano a APA aprove a solução e aquilo que nós esperamos é que o concurso seja lançado o mais rapidamente possível, porque é um constrangimento imenso, quer para os residentes quer para o tecido empresarial”, disse.

Sobre a previsão do Governo para que a obra não comece antes de 2020, Sérgio Humberto mostrou desagrado: “Os prazos não nos satisfazem (…) e aquilo que vamos tentar é fazer toda a pressão formal e respeitosa para ser lançado mais rapidamente possível o concurso público para a execução da ligação da Maia a Famalicão, com a travessia sobre o rio Ave”, referiu.

As obras na EN14, explicou ainda Pedro Marques, estão a ser feitas com recurso ao Orçamento de Estado, por falta de fundos comunitários para investir na rodovia, garantindo, no entanto, que a obra na zona da Maia vai ser uma realidade.

“Eu sei que as pessoas ao longo dos anos se habituaram a esperar, a ver para crer, mas essa obra está no terreno, está aqui na zona de Famalicão e estará em breve também na Maia (…) onde começará assim que um conjunto de burocracias administrativas, nomeadamente o visto do Tribunal de Contas, vier. Temos tudo preparado para que essa obra avance em breve”, assegurou.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Famalicão

Câmara atribui 150 mil euros ao Hospital de Famalicão para criar Clínica da Mulher

A nova valência vai ficar instalada no Hospital de Famalicão, no espaço onde funcionavam as antigas urgências.

Publicado

 a

Foto: Divulgação

A Câmara de Vila Nova de Famalicão vai atribuir 150 mil euros ao Centro Hospitalar do Médio Ave para criar a Clínica da Mulher, da Criança e do Adolescente, uma “unidade inovadora” que será constituída “sem qualquer apoio estatal”.

A atribuição da verba foi aprovada esta quinta-feira por unanimidade na reunião do executivo liderado por Paulo Cunha (PSD/CDS-PP), sendo que a nova valência vai ficar instalada no Hospital de Famalicão, no espaço onde funcionavam as antigas urgências.

Em dezembro de 2017, o Hospital de Famalicão apresentou o projeto da Clínica da Mulher, orçado em 300 mil euros, explicando que o objetivo é “concentrar” várias valências num único espaço “mais moderno e com maior privacidade”, querendo assim tornar-se “uma referência” nos cuidados de Saúde no feminino.

“É de salientar o inequívoco interesse do município na concretização deste projeto porque se, por um lado, se reconhece que a realização do mesmo se traduz numa melhoria da qualidade dos serviços prestados aos utentes, por outro sabemos o quanto o sucesso do projeto do hospital em Famalicão é importante para o território”, afirmou Paulo Cunha aos jornalistas no final da reunião.

O autarca salientou ainda que “entre as várias valências que o hospital tem, há uma que está ligada à maternidade e à primeira fase da vida da criança e do adolescente, que é fundamental para o projeto hospitalar de Vila Nova de Famalicão.”

À Lusa, fonte ligada ao processo adiantou a angariação dos fundos necessários para o projeto está a ser feita “através do mecenato e num apelo à comunidade” e que “está a decorrer de forma muito favorável”.

À data da apresentação do projeto, o Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA) apontou o início das obras de adaptação do espaço das antigas urgências para “de preferência antes do verão” de 2018, referindo que a duração estimada será de quatro e cinco meses.

“A área materno-infantil sempre foi uma área de excelência do hospital, composta de grandes profissionais e reconhecida por todos, pelo que este projeto pretende continuar a apostar nesta área, concentrando todos os serviços de saúde de ambulatório de pediatria, ginecologia e obstetrícia, num único espaço mais moderno, com mais conforto e com maior privacidade para as utentes”, explicou à Lusa o diretor do CHMA, António Barbosa.

Segundo o CHMA, a Clínica da Mulher responde a um “objetivo estratégico fundamental” ao “dotar o Serviço de Ginecologia/Obstetrícia de melhores meios técnicos, assegurando acréscimos de fiabilidade dos meios complementares de diagnóstico e alargando a carteira dos seus serviços, o que constituirá uma melhoria significativa do acompanhamento da gravidez”.

Além disso, o projeto pretende “criar melhores condições de conforto para os utentes dos Serviços de Pediatria e de Ginecologia e Obstetrícia”, assim como “proporcionar melhores condições de trabalho aos profissionais do CHMA o que, em conjunto com o reforço dos meios de diagnóstico, se traduzirá em ganhos em saúde”.

Com esta nova unidade, o responsável espera que sejam proporcionadas “todas as condições para a afirmação pública da excelência dos serviços de saúde da mulher e da criança do CHMA, tornando-o uma referência na região”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Famalicão

Detido após perseguição policial em Famalicão

No recinto do antigo campo da feira da cidade.

Publicado

 a

Foto: Comando Distrital da PSP de Braga

Uma perseguição policial decorreu na tarde desta quarta-feira, em Famalicão, na sequência de uma tentativa de burla no recinto do antigo campo da feira da cidade.

O burlão tentou vender peças alegadamente em ouro. Depois de perceber que a vítima, que trazia uma criança ao colo, não queria comprar os produtos, arrancou-lhe das mãos a carteira e fugiu.

A vítima alertou a Polícia Municipal, que perseguiu o burlão, que acabou por ser detido. A carteira foi recuperada.

O homem, com registo pelos mesmos crimes, foi detido pela PSP.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares