Seguir o O MINHO

Região

Centros de acolhimento temporário de Braga e Viana encerrados

Covid-19

em

Foto: DR

O coordenador regional do estado de calamidade, afirmou hoje que os seis centros de acolhimento temporário de nível distrital, dois deles em Braga e Viana do Castelo, estão a ser encerrados, um dia depois de não terem sido detetados novos casos de covid-19 na região Norte.


“Neste momento, e tendo em consideração a situação atual da pandemia, estamos a proceder ao encerramento destes centros. Todavia, manter-se-ão devidamente equipados, caso seja necessária a sua reabertura numa situação de pioria do estado da pandemia”, referiu Eduardo Pinheiro, nomeado coordenador regional do estado de calamidade na região Norte.

Os seis centros de acolhimento temporário, instalados em Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança e Aveiro, mais precisamente, em Santa Maria da Feira, tinham como “especial dever” a proteção das pessoas que se encontravam em estabelecimentos de apoio residencial e social.

Depois de na segunda-feira não terem sido registados novos casos de covid-19 na região Norte, o também secretário de estado da Mobilidade, sublinhou, durante a apresentação dos resultados das medidas de combate à pandemia na região, que “o vírus continua ativo”.

“Ontem [segunda-feira] foi o primeiro dia em que não se registaram novos casos de pessoas infetadas na região Norte, mas tal não significa que não continuaremos a ter casos na região ao longo dos próximos dias, semanas e mesmo meses”, reforçou.

Segundo Eduardo Pinheiro, entre os dias 26 de maio e 01 de junho, verificaram-se 63 novos casos de covid-19, sendo que na “semana mais crítica”, entre 27 de março e 02 de abril, a região registou 3.480 novos casos.

“À data de ontem [segunda-feira], 01 de junho, estavam confirmados 16.760 casos de doentes infetados pela covid-19 na região Norte”, afirmou, salientando que o “período mais crítico” foi a 10 de abril, dia em que foram registados 795 novos casos.

Para o coordenador regional, os dados apresentados são “francamente positivos” e resultado do “extraordinário sentido cívico dos portugueses, particularmente, dos portugueses da região Norte”.

Quanto ao número de testes de diagnóstico assegurados pelo Sistema Nacional de Saúde, Eduardo Pinheiro afirmou que, durante março, abril e maio foram realizados mais de 150 mil testes na região, aos quais “acrescem” 30 mil realizados por entidades de investigação e ensino e “outros milhares” realizados por laboratórios privados.

Além destes, foram também realizados “testes preventivos”, numa “campanha extensa” em que foi dada “especial atenção àqueles que lidam com os grupos de maior risco”, como os profissionais de lares, unidades de cuidados continuados e centros ocupacionais.

Segundo o responsável, ao longo destes meses, foram testados 25 mil profissionais de estruturas residenciais e lares de 860 instituições da região, sendo que a taxa de infeção rondou os 2%.

Posteriormente, foram também testados cerca de nove mil profissionais de 830 creches da região, onde a taxa de infeção foi “marginal”, isto é, abaixo dos 0,3%.

“Para a realização de todos estes testes foi montada uma grande operação logística que envolveu os municípios, Autoridade Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte), Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), centros distritais da segurança social, proteção civil, INEM e Cruz Vermelha”, esclareceu Eduardo Pinheiro, acrescentando que todas estas ações obrigaram “à alocação de consideráveis recursos materiais e humanos para assegurar a realização de testes”.

Questionado pelos jornalistas sobre o valor do investimento, Eduardo Pinheiro afirmou não ter ainda a “contabilização”, uma vez que, “as contas são diversas” e que os próprios municípios também fizeram investimentos nos centros de acolhimento municipais.

Também questionado sobre a eventual realização de testes serológicos para aferir a imunidade da população da região Norte, o responsável avançou não ter, neste momento, “nenhuma indicação” para tal testagem.

“O facto de estarmos com uma redução constante do número de casos não significa que ultrapassamos a pandemia. É fundamental que os testes de diagnóstico se mantenham e as estruturas de apoio, independentemente de estarem suspensas, estejam prontas para receber todos os doentes porque infelizmente o vírus continua aí”, concluiu.

Portugal regista hoje 1.436 mortes relacionadas com a covid-19, mais 12 do que na segunda-feira, e 32.895 infetados, mais 195, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de segunda-feira, em que se registavam 1.424 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,8%. Já os casos e infeção subiram 0,6%.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado maior número de surtos, há mais 158 casos de infeção (+1,4%).

Anúncio

Braga

Autoridades resgatam vítima ferida após queda em cascata no Gerês

Resgate

em

Foto: DR

Mais uma queda em cascatas do Gerês a motivar resgate. Pelas 15:50 horas deste sábado, uma pessoa terá caído num dos trilhos das cascatas do rio Arado, na serra do Gerês, sofrendo ferimentos.

A operação de resgate da vítima, cujo sexo e idade ainda não foi possível apurar, decorre com elementos da Cruz Vermelha de Rio Caldo, militares da GNR e bombeiros de Terras de Bouro.

Desconhece-se ainda a gravidade dos ferimentos da vítima.

(em atualização)

Continuar a ler

Braga

Ministro anuncia nova ETAR em Braga junto ao rio Este

Ambiente

em

Foto: CM Braga

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, anunciou hoje, em Braga, o lançamento de um concurso “absolutamente pioneiro em Portugal” para reutilização das águas residuais tratadas.

Em declarações aos jornalistas, Matos Fernandes sublinhou ser “absolutamente fundamental” que o país seja capaz de reutilizar o esgoto tratado.

“O esgoto tratado é água para um conjunto vastíssimo de aplicações”, referiu o ministro, apontando, como exemplos, a lavagem de autocarros ou a rega de jardins e de culturas permanentes.

Hoje mesmo, foi lançado um concurso, no valor de seis milhões de euros, para reutilização de águas residuais.

“Nós podemos produzir eletricidade a partir de fontes renováveis, sem causar qualquer mal ao planeta, mas não conseguimos produzir água, a água que temos hoje é a água que tínhamos quando a terra foi terra”, acrescentou o ministro.

Anunciou ainda o lançamento de um outro aviso, no valor de nove milhões de euros, para a construção de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR) em Braga.

“As 50 maiores ETAR do país, e esta que vai ser feita é uma delas, têm uma enorme capacidade de tratamento”, enfatizou.

Em comunicado, a AGERE explica que o principal objetivo desta nova ETAR de Vale de Este, será retirar o sobrecarregamento da atual ETAR de Frossos e drenar para uma outra bacia, a bacia hidrográfica do rio Ave, eliminando “as atuais descargas indevidas”.

“Com esta nova ETAR serão obtidos elevados benefícios ambientais e de saúde pública, permitindo não só tratar convenientemente as águas residuais do Sistema Cidade de Braga, com um importante impacto no sistema sensível onde se encontra, mas também permitir dividir a descarga de caudais entre as 2 bacias hidrográficas (Cávado e Ave) com inevitáveis benefícios ambientais”, escreve a AGERE.

Não foi ainda anunciado o local na nova ETAR mas O MINHO sabe que Celeirós será a aposta da empresa de tratamento de águas residuais.

Continuar a ler

Braga

Braga tem sete novos autocarros elétricos (e o ministro veio dar uma volta)

Ambiente e mobilidade

em

Apresentação dos novos autocarros TUB. Foto: Sérgio Freitas / CMB

O ministro do Ambiente, José Matos Fernandes deslocou-se a Braga neste sábado para presidir à cerimónia de apresentação de sete novos autocarros 100 por cento elétricos dos Transportes Urbanos de Braga (TUB), que se juntam aos seis já em circulação.

Para o ministro, este é mais um passo para Portugal atingir, em 2050, a meta das emissões zero no que à mobilidade se refere.

Acentuou que em Portugal está em curso “o maior investimento da Europa” na substituição dos autocarros a diesel por autocarros a gás natural ou, preferencialmente, a gás.

Ricardo Rio discursa na apresentação dos novos autocarros TUB. Foto: Sérgio Freitas / CMB

Trata-se de um investimento de 205 milhões de euros, destinados a 709 autocarros.

O presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, sublinhou a aposta na renovação da frota dos TUB, cuja média de idades em 2013 era superior a 17 anos em 2021 descerá para 13.

Apresentação dos novos autocarros TUB. Foto: Sérgio Freitas / CMB

A renovação da frota dos TUB inclui 13 autocarros elétricos e 25 a gás.

Continuar a ler

Populares