Castelo de Lanhoso recebeu mais de 13 mil visitantes em 2017

Uma constante oferta cultural, melhorada e diversificada, e a estreita relação com os estabelecimentos de ensino, instituições e associações, fez com que o Núcleo Museológico do Castelo de Lanhoso, no ano de 2017, ficasse muito próximo dos 13,6 mil visitantes e estabelecesse um novo recorde, pois, desde que há registos, este número nunca foi alcançado.

“Estes números resultam da aposta na valorização e dinamização do Castelo de Lanhoso, que é o nosso ex libris e uma das razões pelas quais as pessoas visitam o nosso concelho. Por isso, este trabalho será para continuar e para reforçar em 2018”, salienta o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva.

Em termos comparativos, no ano de 2016, o Núcleo Museológico do Castelo recebeu perto de 12 mil e 500 visitantes, o que, na altura, “também foi um número nunca antes registado”.

Uma programação contínua de exposições, temáticas e generalistas, uma palestra sobre os caminhos de Santiago de Compostela, o concurso de fotografia, a caminhada com História, os Fãs do Vinil, o mercado medieval e as visitas guiadas, “elementos associados à sua soberba localização geográfica, estimularam o interesse por este espaço museológico municipal, projetando, desta forma, a visibilidade patrimonial e turística deste ícone concelhio, que recebeu visitantes oriundos de 49 países, com maior relevância para espanhóis, franceses, ingleses, brasileiros, russos, alemães e norte americanos”.

O Município salienta que os Serviços Educativos do Castelo de Lanhoso, “cada vez mais procurados pelos estabelecimentos de ensino, estruturados e adaptados para os vários níveis de ensino, representam uma mais-valia para os docentes, pois encontram no Castelo de Lanhoso um excelente complemento ao ensino curricular”.

“As caraterísticas históricas deste baluarte medieval e as condições do espaço envolvente também têm despertado o interesse da comunidade escutista para a realização das suas atividades de campo, como sejam acampamentos, peddy-papers, caminhadas, jogos tradicionais, de entre outras atividades específicas, tudo mediante marcação prévia”, acentua.

A Autarquia relembra que Dona Teresa recebeu como dote de casamento com D. Henrique as terras do Condado Portucalense, pequeno território compreendido entre o Minho e o Tejo, que regeu com pulso de ferro o que era seu por direito, utilizando o Castelo de Lanhoso como um dos principais bastiões na consolidação e ampliação das linhas de fronteira do Condado Portucalense.

“As pessoas interessadas em saber mais sobre a história deste espaço museológico municipal e em manter-se atualizadas podem seguir a página do Facebook do Castelo de Lanhoso”, anota a Câmara.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

MP acusa três arguidos de montar call center em Famalicão para falsos peditórios

Próximo Artigo

FC Porto interessado no melhor marcador do Famalicão

Artigos Relacionados
x