Seguir o O MINHO

Guimarães

Castelo de Guimarães deverá figurar nas novas notas de zero euros

em

Notas de zero euros com Castelo de Guimarães?

Uma nota de zero euros para colecionadores e turistas com imagens típicas de Portugal entrou este mês em circulação e até final do ano será impressa uma edição alusiva ao centenário das aparições de Fátima, disse hoje o promotor, que adiantou ainda que o Castelo de Guimarães também deverá fazer parte desta coleção.


“Depois do Castelo de São Jorge, vamos lançar em dezembro uma nota sobre o centenário das aparições em Fátima e vamos imprimir 10 mil notas, metade das quais já foram reservadas por colecionadores”, disse à agência Lusa Benjamin Bush, presidente executivo da empresa Euro Souvenir Portugal, detentora dos direitos da ‘nota souvenir’ em Portugal.

A circulação da nota, que não serve como moeda de troca e tem um custo de três euros, foi autorizada pelo Banco Central Europeu (BCE) no início deste mês.

Depois das cinco mil notas ilustradas do Castelo de são Jorge, que podem ser adquiridas junto ao monumento, a empresa anunciou que, em janeiro, vai lançar uma nova edição. “Esperamos vender 23 mil notas”, afirmou.

O empresário adiantou que existem “negociações avançadas” para vir também a ter uma nota ilustrada do Castelo de Guimarães e “estão também a ser feitos contactos com a Madeira”.

Castelo de Guimarães. DR

Durante o primeiro ano, a empresa espera vir a colocar no mercado 100.000 exemplares de 10 notas diferentes e chegar aos 500.000 de 50 notas diferentes nos primeiros três anos.

“Temos várias possibilidades, desde museus, monumentos, locais de animação, como o Jardim Zoológico, clubes de futebol ou estádios”, disse o presidente executivo da Euro Souvenir Portugal Trabalho, para quem o potencial do negócio é elevado.

“Tal como acontece em França e na Alemanha, com as ilustrações de locais muito visitados, conseguimos vender 20 a 30 mil notas, pois nesses casos o interesse dos turistas, colecionadores e até agentes turísticos cresce”, explicou.

O empresário francês, que há vários anos deixou a profissão de professor de alemão para se dedicar às coleções filatélicas, escolheu Portugal para se lançar, desde setembro, no negócio das ‘notas souvenir’.

Benjamin Busch diz que quer contribuir para o desenvolvimento do país, de que confessou ser fã e onde tem habitação na região Oeste e se desloca com frequência.

As ‘notas souvenir’ possuem as mesmas características de uma nota de euro verdadeira, como a marca de água, holograma, registo transparente, sistema de segurança e um número de série.

É considerada a última moda entre as lembranças adquiridas pelos turistas nos países que visitam e está já entre as lembranças mais vendidas.

O conceito de ter uma nota para um local de interesse turístico tem vindo também a atrair colecionadores.

A ideia foi lançada em 2015 por Richard Faille em França, tendo nesse ano sido lançadas 100 notas de diferentes locais, e já se estendeu à Alemanha, Áustria, Bélgica, Suíça, Países Baixos e Espanha.

Anúncio

Guimarães

Funcionários retêm homem que ia roubar tablets numa loja em Guimarães

Crime

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um homem de 30 anos foi detido, na segunda-feira, por furto no interior de estabelecimento comercial na cidade de Guimarães, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o comando distrital da PSP avança que o homem foi intercetado por funcionários da loja, situada na Rua de São Miguel, depois deste se ter colocado em fuga com dois tablets.

A polícia foi alertada via telefone e deslocou uma patrulha para o local, procedendo à detenção do suspeito.

O homem vai comparecer hoje no Tribunal de Guimarães.

Continuar a ler

Guimarães

Hospital de Guimarães não está em rutura mas números preocupam

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O diretor clínico do Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães, afirmou hoje que a situação naquela unidade decorrente da pandemia de covid-19 “não é de rutura”, mas admitiu que os números inspiram “uma certa preocupação”.

“Até ao momento, temos conseguido dar resposta quer aos doentes covid, quer aos doentes não covid. A situação não é de rutura, de maneira nenhuma”, referiu Hélder Trigo, à Lusa.

O número de casos ativos de infeção pelo novo coronavírus teve 25,9% de aumento percentual em Guimarães numa semana, segundo relatórios da Direção-Geral da Saúde, referentes aos últimos dias.

O concelho de Guimarães, entre o dia 19 de outubro e segunda-feira, registou 446 novos casos covid-19, subindo de 1.722 casos reportados para 2.168.

“São números que inspiram uma certa preocupação, mas, até ao momento, o hospital tem conseguido dar resposta”, vincou Hélder Trigo.

Assegurou que o hospital de Guimarães “ainda tem camas disponíveis” para doentes covid-19, sem, no entanto, especificar quantas.

“Não estamos em stress, até estamos relativamente bem, mas é claro que os recursos não são infinitos e se se mantiver o atual ritmo de crescimento de novos casos obviamente poderá haver problemas”, acrescentou.

No parque de estacionamento do hospital foi montada uma tenda para os casos urgentes de doentes covid-19.

Entretanto, as visitas no hospital estão proibidas, salvo em casos excecionais como pediatria ou grávidas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Guimarães

Trio ‘saca’ 5.000 euros de contas bancárias através de burla informática em Guimarães

Justiça

em

Foto: Ilustrativa / DR

Duas mulheres e um homem estão acusados dos crimes de acesso ilegítimo e burla informática por terem, através do serviço de homebanking, ‘sacado’ cinco mil euros de contas de dois clientes do Montepio Geral, em Guimarães.

Em nota publicada na sua página da internet, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto refere que, de acordo com a acusação, “arguido e arguidas acederam, em dezembro de 2015, aos dados necessários para o acesso e movimentação, através de homebanking, das contas bancárias de dois clientes do Montepio Geral, nomeadamente número de utilizador, palavra-passe e dados do cartão matriz”.

Na posse destes dados, o trio, no dia 24 de dezembro de 2015, acedeu às contas dos referidos clientes e movimentaram-nas, transferindo cinco mil euros para outra conta em nome de uma das arguidas.

“Posteriormente, esta arguida levantou da conta que titulava a quantia transferida, quantia que todos os arguidos fizeram sua”, aponta a acusação.

Continuar a ler

Populares